Publicidade

Publicidade

Arquivo de setembro 24th, 2009

24/09/2009 - 23:15

A Crítica Teatral Jornalística: Qual Seu Papel?

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes*, especial para o Jornal de Teatro (michel@aplausobrasil.com)

*Artigo escrito para a edição número 11 do Jornal de Teatro 

Sábato Magaldi, crítico e pesquisador de teatro

Sábato Magaldi, crítico e pesquisador de teatro

 

Na edição número 8 do Jornal de Teatro

, o editor Rodrigoh Bueno, registrou em seu editorial um justificado espanto com a conversa de alguns críticos de teatro, que estavam na mesma van que ele, num determinado festival de teatro. Segundo Rodrigoh, tais críticos não gostaram do espetáculo que tinham visto, mas teriam de “pegar leve” em seus textos, pois o espetáculo levava a assinatura de um “figurão”.

 

Deprimente saber que a autocensura dos que não têm coragem para assumir suas posições frente a uma peça – por medo de desagradar a alguém cuja carreira é coroada por sucessos ou aos artistas que, em sua trajetória, compilaram um exército de amigos influentes – exista e seja mais praticada do que sonha nossa vã filosofia.

 E, além dessa ideia equivocada e que atravanca a reflexão – absolutamente necessária – para os avanços estéticos de nosso teatro, há um grupo de pessoas que lidam, direta ou indiretamente com a crítica teatral, que abre concessões a espetáculos de iniciantes com a justificativa de que é preciso incentivá-los.

 Em artigo de Sábato Magaldi lemos que a crítica comete muitos erros de avaliação, mas são equívocos necessários para propagar a reflexão acerca dos novos fenômenos teatrais, ponto que vai de acordo com as ideias da dramaturga Marici Salomão, de que a crítica é uma das bases da percepção, discussão e difusão de novos caminhos das artes cênicas.

 Não quero com esse texto glorificar a atividade de crítico teatral, que exerço aqui no Aplauso Brasil, seria no mínimo pedante e pretensioso de minha parte, mas, antes, reconhecer a responsabilidade que carregamos ao assinar nossos artigos críticos e, por isso mesmo, nos entregarmos à dúvida, ao questionamento constante. Em lugar do autoritário “isso pode” e “isso não pode”, reconhecer que o teatro é território livre, em que quaisquer experimentações são possíveis e que, concordando ou discordando do fenômeno teatral que se critica, é necessário o embasamento teórico e de experiências, vividas ou apreendidas em leituras, para se tecer o texto que, aliás, nada deseja ser definitivo, mas, tão-somente, uma alavanca para a discussão sobre tal fenômeno, já que segundo diz o diretor inglês Peter Brook “o verdadeiro bom teatro só tem inicio ao cair do pano”.

 É preciso refletir sobretudo, “o que é?” e “para quem é dirigida?” a crítica teatral. É preciso diferenciar a crítica teatral dos materiais de divulgação de um espetáculo.

 PRIMEIROS PASSOS PARA UMA BOA CRÍTICA Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas Tags: , , , , , , , , , , , , ,
24/09/2009 - 19:06

Maria Rita no Sons da Nova

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, especial para o Último Segundo (michel@aplausobrasil.com)

mariaritasonsdanova

Filha de dois grandes nomes da MPB, ninguém menos que Elis Regina e César Camargo Mariano, Maria Rita é a convidada especial do projeto Sons da Nova, da Nova Brasil FM, rádio que traz em sua programação apenas músicas brasileiras, no mês de outubro. A cantora sobe ao palco do HSBC Brasil no próximo dia 21, como atração do projeto para o mês de outubro.

O repertório alegre traz cançoes do CD e DVD Samba Meu e transforma a cena em roda de samba. No repertório estão Tá Perdoado (popular tema da novela da TV Globo Duas Caras), O Homem Falou,  a faixa-título Samba Meu, além de sucessos dos outros álbuns (Maria Rita e Segundo) como A Festa e Conta Outra.

Amada por uns e odiada por outros, Maria Rita segue trajetória meteórica rumo ao apogeu e, como não podia ser diferente, tem personalidade forte, carisma e voz pra lá de afinada, o que a permite brincar com a voz tal qual fazia sua mãe. Mas isso não é cópia, é, pura e simplesmente, talento de uma fabulosa herança genética.

Sua primeira participação no Sons da Nova se deu em 2008 e, aqueles que como eu, se decepcionou so ouvir o CD Samba Meu, terão ideia do que é capaz uma interpretação esmerada com arranjos idem.

 

PROJETO SONS DA NOVA – MARIA RITA

Data| 21 de outubro

Horário| 21h30h

Local | HSBC Brasil

Endereço | Rua Bragança Paulista, 1281 – Chácara Santo Antônio – São Paulo.

Couvert Artístico| R$60 a R$200

Classificação| 14 anos

Cartão de Crédito | Visa, Mastercard, Credicard e Diners

Cartão de Débito | Visa, Mastercard, Credicard e Diners

Acesso para deficientes | Possui

Estacionamento | Serviço de vallet no local

Vendas| Ingresso Rápido: 11. 4003-1212 ou www.ingressorapido.com.br

Bilheteria do HSBC Brasil: Atendimento de segunda a sábado das 12h às 22h; domingo e feriado das 12h às 20h.

 

Autor: - Categoria(s): Dança, Música e Cinema Tags: , , , , , , , , , , , , ,
24/09/2009 - 01:51

Peça ocupa Casarão do Belvedere

Compartilhe: Twitter

Egnaldo Oliveira, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

 

Universo onírico é tema em <i>CineBelvedere</i>

Universo onírico é tema em CineBelvedere

 

A Cia. Bruta de Arte apresenta até o dia 25 de outubro o espetáculo Cine Belvedere. A peça, que ocupa o Casarão do Belvedere, na Bela Vista, marca a estréia da companhia como grupo independente, depois da experiência de quatro anos de seus atores no Núcleo Experimental do Satyros.

Cine Belvedere é resultado de um ano e meio de pesquisa sobre o universo onírico e os distúrbios do sono, coordenada por Roberto Audio (Teatro da Vertigem), que também dirige o espetáculo. Um antigo diretor de cinema sofre de uma doença rara que o impossibilita de dormir e conseqüentemente de sonhar, apropria-se de sonhos que não são seus e sonha pelos sonhos dos outros. Talvez para encontrar a si mesmo ou então descobrir que ele também é apenas um sonho de alguém.

 O público é conduzido pelas salas e áreas externas do casarão, onde acompanha diversos momentos da vida de uma família, cujas histórias foram preservadas através de um diário de sonhos. Como num filme, cada gesto e cada imagem, de realidade, sonho ou devaneio, ajudam a construir os arranjos e desarranjos dos personagens – dos pais às filhas, dos empregados às amantes do patriarca. Neste casarão vazio de móveis, nesta família cheia de vazios, o sonho pode ser a única realidade.

 

Sobre a Cia. Bruta de Arte

A Cia. Bruta de Arte surgiu em 2004, do coletivo de atores que durante três anos integrou o Núcleo Experimental dos Satyros (NES).  

De janeiro de 2005 a dezembro de 2007, realizaram três espetáculos baseados nas investigações dos universos de Nelson Rodrigues, Antonin Artaud e William Shakespeare.

O primeiro trabalho do grupo – Ensaio sobre Nelson (2004) – dirigido por Nora Toledo e Jarbas Capusso Filho e o trabalho seguinte – Rua Taylor nº 214 (2005) – dirigido por Alberto Guzik, foram concebidos a partir das pesquisas sobre a obra Rodrigueana. As peças fizeram temporada no Espaço dos Satyros I e, em 2005 – Rua Taylor nº 214, ganhou o prêmio de melhor espetáculo no Festival de Teatro de Sumaré/SP.

Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags:
24/09/2009 - 00:31

Assista a um trecho de Café Müller e de A Sagração da Primavera

Compartilhe: Twitter

<a href="“>Café Müller (1978)

 

A Sagração da Primavera (1975)

<a href="“>

Autor: - Categoria(s): Multimídia Tags:
Voltar ao topo