Publicidade

Publicidade
25/11/2009 - 07:14

SP Escola de Teatro abre as portas nesta quinta-feira

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, especial para o Último Segundo (michel@aplausobrasil.com)

Ivam Cabral, diretor-artístico da <i>SP Escola de Teatro</i>

Ivam Cabral, diretor-artístico da SP Escola de Teatro

 

O relógio anda pelo avesso e as expectativas avançam a passos largos. Nesse ritmo escorre o tempo dos envolvidos com a SP Escola de Teatro, pertencente ao governo de São Paulo,  que abre suas portas para o público paulista, nesta quinta-feira (26), com um ciclo de conferências, cujo objetivo é apresentar cada um dos cursos regulares que serão oferecidos: Atuação, Cenografia e Figurino, Direção, Humor, Dramaturgia e Técnicas de palco CLIQUE AQUI para saber mais sobre as disciplinas que têm direção pedagógica de Alberto Guzik).

 “Temos dois tipos de formação: regulares e de difusão. Os cursos regulares têm 2 anos de duração; os de difusão, 64 horas por semestre (aulas uma vez por semana, durante 4 meses). Estes cursos são apoiados nas mais contemporâneas tendências da pedagogia, estruturados em módulos e unidades de formação que visam investigar, refletir e permitir aos alunos a conquista do processo criativo de saber-fazer, que resulta no processo de saber-ser”, explica o ator, dramaturgo e roteirista, um dos fundadores da companhia teatral Os Satyros, Ivam Cabral, diretor artístico da escola (CLIQUE AQUI para ver a equipe completa da SP Escola de Teatro). 

Hoje um coquetel para convidados pretende abrir, em clima festivo, para a classe teatral, amigos e demais formadores de opinião. A SP Escola de Teatro, mas as aulas devem começar apenas em fevereiro, quando as pequenas arestas da reforma do prédio do Brás, onde funcionou por diversos  anos a Oficina Cultural Amacio Mazzaroppi. A Mazzaroppi não encerrou suas atividades para ceder espaço a Escola, mas a abriga enquanto a sede – que será num prédio na Praça Roosevelt – está em obras.

 A Gênese da SP Escola de Teatro 

Ainda quando exercia o cargo de Prefeito de São Paulo, o atual Governador do Estado de São Paulo, José Serra, esteve na Praça Roosevelt, a convite da companhia teatral Os Satyros, conferiu com os próprios olhos a capacidade que a arte tem para modificar o panorama social.

Segundo Ivam Cabral, a idéia da SP Escola de Teatro partiu do próprio governador José Serra depois de “tomar conhecimento de um projeto que trabalhávamos na ocasião, no Jardim Pantanal, zona leste da cidade, onde formávamos técnicos de luz e de som. Assim, quando o Serra fica sabendo que ali na Praça Roosevelt tem um prédio abandonado ele faz a proposta de pensarmos em uma escola técnica de teatro”.

Mas, Os Satyros são adeptos do dito popular “uma andorinha só não faz verão” e convidaram “os mais conceituados profissionais do teatro paulista e, juntos, elaboramos o conceito da SP Escola de Teatro”, conta.

Os cursos Regulares e de Difusão Cultural: partem da “premissa de que não há docência sem discência, ou seja, não existe ensino sem que este possibilite o caminho para a autonomia, pois a aprendizagem e a criação se complementam. Os sujeitos envolvidos na ação, arte-educadores e artistas-aprendizes, apesar das diferenças que há entre ambos, não se reduzem à condição de objeto um do outro. O processo de aprender e ensinar é dinâmico e multiplicador. Com esta estrutura pedagógica diferenciada, pretende-se formar profissionais qualificados para atuarem na cena teatral brasileira”, defende Ivam Cabral.

 

As inscrições abrem no próprio dia 26 e encerram no dia 4 de dezembro. 

CLIQUE AQUI para mais informações e para ler o edital.

 CLIQUE AQUI para conferir a programação das conferências.

CLIQUE AQUI para ler Pagando para ensinar.

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , , , , , ,

Ver todas as notas

1 comentário para “SP Escola de Teatro abre as portas nesta quinta-feira”

  1. Anonimo disse:

    Uma maravilha e tal. Agora, por que o nome besta em pseudo-inglês? Por que não Escola de Teatro SP ou EScola de Teatro de SP? Pronto, tá ótimo. Já foi assim com a companhia de dança. É muito jeca. E quem faz ainda pensa que está sendo sofisticado, dando um ar “internacional”. Pff.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo