Publicidade

Publicidade

Arquivo de dezembro, 2009

28/12/2009 - 20:57

Grandes expectativas para a temporada teatral 2010

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, especial para o Último Segundo (michelfernandes@superig.com.br)

Emílio de Mello e Fernando Eiras em <i>In on It</i>

Emílio de Mello e Fernando Eiras em In on It

Já no primeiro semestre de 2010, as expectativas para a temporada teatral não poderiam ser melhores para os amantes das artes do palco. No começo da segunda quinzena de janeiro chega o excelente In on It, dirigida por Enrique Diaz, com uma trama pungente, em forma surpreendente, ao Teatro Faap.

O TUCArena, no mesmo período, recebe a re-estreia do premiado e aclamado, não sem motivos, espetáculo Rainha [(S)] – Duas Atrizes em Busca de Um Coração, dirigido por Cibele Forjaz, com as majestosas atrizes Georgette Fadel e Isabel Teixeira.

O Oficina Uzyna Uzona re-estreia em janeiro o espetáculo Taniko – O Rito do Vale, releitura de um texto clássico do Nô japonês, recomendado pela crítica Mariângela Alves de Lima e, ainda para este ano, promete a estreia da terceira parte de Cacilda, que compreende sua fase áurea no TBC. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas Tags:
28/12/2009 - 14:41

Gigante do entretenimento tem atrações que prometem agradar a diferentes públicos em 2010

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, especial para o Último Segundo (michelfernandes@superig.com.br)

<i>Quidam</i>, 3º espetáculo do <i>Cirque du Soleil</i> no país

Quidam, 3º espetáculo do Cirque du Soleil no país

Em 2010, a Time4 Fun promete consolidar-se como a grande empresa dos espetáculos voltados ao entretenimento nacional, contemplando áreas como teatro, circo, shows de música nacional e internacional, teatro musical, entre outros.

O terceiro espetáculo do Cirque du Soleil que a empresa traz ao país, Quindam, que vem de turnê pelo nordeste e sul do país desde setembro de 2009, passará por São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre em 2010. Outro grupo canadense que mescla números circenses, dança e música, o Cirque Éloize, também é atração de 2010. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Dança, Música e Cinema Tags:
23/12/2009 - 18:28

Desce o pano da temporada 2009

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, especial para o Último Segundo (michelfernandes@superig.com.br)

A atriz Fernanda Montenegro

A atriz Fernanda Montenegro

Com esse artigo desço o pano sobre a retrospectiva teatral a que empreendi esforços em três artigos anteriores. Temporada que vai, temporada que vem. Dias bons, outros nem tanto. Como o curso da vida o é, a temporada teatral segue de forma efêmera e, neste 2009, reservou-nos momentos de plena fruição estética, puro entretenimento e uma diversidade sem-tamanho.

Vale destacar o trabalho de grupos como Os Fofos Encenam com sua versão da peça mítica de Nelson Rodrigues, Álbum de Família, que recebeu o nome de Memórias da Cana e um sotaque nordestino na concepção encenada por Newton Moreno, além de uma excelente interpretação de Marcelo Andrade na pele de Jonas, protagonista da peça; a Armazém Cia. de Teatro trouxe sua mais nova perola de um repertório impecável, a premiada Inveja dos Anjos que percorreu quase todas as regiões do país; o Oficina Uzyna Uzona, dirigido por Zé Celso, apresentou sua segunda parte da tetralogia sobre a atriz Cacilda Becker, Cacilda – Estrela Brazyleira à Vagar, uma ode à história do teatro brasileiro nos anos que antecedem sua entrada à era moderna; já Antunes Filho, no auge de sua inquietude criadora, trouxe uma vertiginosa leitura do espetáculo A Falecida, de Nelson Rodrigues, à qual acrescentou o sufixo Vapt-Vupt.

Ao completar seus 80 anos idade, assim como Antunes Filho, a atriz Fernanda Montenegro apresentou, no Teatro SESC Anchieta, o projeto Caminhos da Liberdade, que trazia um documentário seguido por debate sobre Simone de Beauvoir, além do monólogo Viver em Tempos Mortos, em que, na pele de Beauvoir, Fernanda Montenegro com linguagem sintética e pungente rememorou traços da trajetória de Simone, como seu “casamento aberto” com Jean-Paul Sartre e sua atuação no movimento filosófico conhecido como Existencialismo, além de seu fundamental papel no movimento feminista com a publicação de O Segundo Sexo.

LEIA TAMBÉM

Festivais e SESC SP deixam suas marcas na temporada 2009

Musicais definem novos velhos rumos do entretenimento teatral

Um pouco de 2009 no Teatro

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas Tags: , ,
22/12/2009 - 13:47

Festivais e SESC SP deixam suas marcas na temporada 2009

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, especial para o Último Segundo (michelfernandes@superig.com.br)

FARSA esteve no FESTIVAL DE CURITIBA

FARSA esteve no FESTIVAL DE CURITIBA

 

Nesse terceiro artigo em que, segundo o que vi, destaco os espetáculos teatrais que considero pertinentes em ganharem um espaço privilegiado de minhas reflexões, peço licença para destacar a efervescência promovida por festivais de teatro Brasil afora como o Festival de Curitiba, Festival Internacional de Londrina (FILO) e Festival Internacional de Teatro de São José do Rio Preto, que fizeram circular espetáculos marcantes, do país ou estrangeiros. Também peço licença para destacar a atuação do SESC SP que, presidido pelo professor Danilo Santos Miranda, responde por projetos e espetáculos de pesquisa e qualidade indiscutível.

As curadorias dos festivais de teatro estão, cada vez mais, direcionadas à trazer para suas cidades de origem um quadro de excelência qualitativa cada vez maior. E a cada ano são apresentados, também, espetáculos de dança, ampliando para as artes do corpo nossa atenção, mesmo por que o hibridismo entre as linguagens se faz necessária de notação.

Dentro do FILO deste ano, a abertura do festival para espetáculos e artistas com diferentes possibilidades físicas e intelectuais, além de um profícuo debate focado na reflexão e discussão da “arte inclusiva” representou um diferencial vanguardista do Festival Internacional de Londrina que, espero, seja contínuo e influencie outros festivais. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas Tags: , , , , , , , , , , , ,
20/12/2009 - 19:21

Única apresentação de Jangadas Paralelas

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

Guga Stroetter apresenta solo <i>Jangadas Paralelas</i>

Guga Stroeter apresenta solo

 

Jangadas Paralelas

é um espetáculo solo de dança e música, concebido e interpretado por Guga Stroeter e dirigido por Rogério Toscano. Ele fará uma única apresentação nesta segunda (21), na sala Crisantempo (Vila Madalena/ SP).

A gênese do projeto surgiu em função de uma série de poesias que o músico e escritor Guga Stroeter incluiu em seu romance Neguinho (Ateliê Editorial). Como experimentação, Guga foi ao estúdio de gravação de música onde recitou e musicou os versos. Esse trabalho resultou em um CD. Foi então que o autor decidiu adaptar e criar o espetáculo.

Para levar essa tarefa adiante, convidou o jovem diretor e autor, Rogério Toscano. Rogério enxergou na estrutura do espetáculo uma sequência dos 21 arcanos maiores do tarô de Marselha. Esses foram os pontos de partida para lapidar o roteiro, a dramaturgia, e a coreografia, que tomou forma numa apresentação de 21 minutos em que o personagem/bailarino interage com imagens de garatujas abstratas, animadas digitalmente por Cristina Vassimon. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Dança, Música e Cinema Tags: , , ,
19/12/2009 - 20:27

Musicais definem novos velhos rumos do entretenimento teatral

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, especial para o Último Segundo (michelfernandes@superig.com.br)

 

Elenco do musical <i>Avenida Q</i>

Elenco do musical Avenida Q

 

No segundo artigo-retrospectiva teatral 2009, me atenho a um gênero teatral que entrou em meados de 2000 na pauta das artes cênicas, embora não seja um gênero novo – historicamente, com as revistas musicais, entre outras formas teatrais que marcaram época, e nos deixaram o legado das grandes vedetes, como a diva Eloá –, nessa primeira década do século 21 deixou claro que veio não como moda, mas em busca de um novo espaço que lhe é velho conhecido, e, particularmente este ano, ocupou boa parte do teatro comumente chamado de entretenimento.

 

Assim como afirmei no bate-papo sobre Teatro de Entretenimento X Teatro de Vanguarda, no Vira Cultura, da Livraria Cultura, prefiro os termos risco e menor risco para tratar os espetáculos que visam a pesquisa de linguagens e os de olho em públicos mais adeptos em gastar com a diversão, respectivamente. Musicais como A Bela e a Fera e A Noviça Rebelde, por suas longas trajetórias de montagens bem-sucedidas, podem ser colocados no patamar de montagens de menor risco, ou seja, que, provavelmente, cairão no gosto do grande público. Mas, até nesses casos, a condicional não afasta de todo o risco.

Dirigida pela dupla que revitaliza nossa adormecida vocação aos musicais, sobretudo como forma de entretenimento, Charles Möeller e Cláudio Botelho, apresentaram uma montagem impecável de A Noviça Rebelde fazendo jus à plateia sempre lotada, mesmo com ingressos à altos preços. O espetáculo fez, também, temporada popular no Teatro Sérgio Cardoso, onde pudemos conferir o trabalho de “maior risco” da dupla, 7 – O Musical, texto brilhante de Charles Möeller, dirigido por Cláudio Botelho e com trilha original composta por Ed Motta, comprovando que estamos preparados não apenas para importar os clássicos do universo musical. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas Tags: , , , , , , , , , , , ,
18/12/2009 - 17:01

Um pouco de 2009 no Teatro

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, especial para o Último Segundo (michelfernandes@superig.com.br)

 

<i>Veleidades Tropicaes</i>, não consegui assistir apesar das recomendações

Veleidades Tropicaes, não consegui assistir apesar das recomendações

 

Começo esse primeiro artigo que propõe estabelecer destaques da temporada teatral de 2009, em São Paulo sobretudo, com um prévio pedido de desculpas a muitos dos espetáculos que não entrarão aqui porque não os assisti. É que, com a benção de Dionísio, a cada ano aumentam os números de espetáculos que estreiam aqui na capital.

 

Estamos habituados a assistir os mais interessantes espetáculos numa das unidades do SESC, que valoriza, principalmente, espetáculos que se caracterizam pela pesquisa de linguagem e que, muito provavelmente, não seriam viáveis se dependessem apenas de leis de incentivo fiscal que colocam na mão dos diretores de marketing o poder de decisão dos contemplados. Caso de Inventário – O Que Seria Esquecido se a Gente Não Contasse, produção dos Doutores da Alegria do Rio de Janeiro, sob direção de Andréa Jabor e Beatriz Sayad, que reproduziu no palco algumas das situações que a equipe de clowns enfrenta no dia-a-dia em seu trabalho no hospital.

A Unidade Provisória do SESC da Avenida Paulista trouxe um inusitado cachorro de rua, espécie de mendigo, que realiza sermões à moda do Padre Vieira, tal era o mote de The Cachorro Manco Show que revelou um dramaturgo bastante interessante (Fábio Mendes), um ator extremamente competente (Leandro Daniel Colombo), alicerçados pela direção madura de Moacir Chaves que já havia dirigido o Sermão da Quarta-Feira de Cinzas, do Padre Antonio Vieira, com interpretação marcante de Pedro Paulo Rangel, em 1994.

Pouco divulgado, até por mim, Quem Não Sabe Mais Quem é, O Que é e Onde Está, Precisa se Mexer, trabalho resultante da pesquisa que a Cia. São Jorge de Variedades,, nesses nove anos de existência dirigida artisticamente pela magnífica atriz Georgette Fadel, imergiu na obra do dramaturgo alemão Heiner Muller. O fruto de tal pesquisa tomou o quarteirão de onde fica a sede da trupe (Barra Funda) e, também, o espaço interno da sede, sem focos de luz, utilizando a criatividade e a luz da tarde – o espetáculo começava 15h e, durante a semana, meio-dia – para desenvolver um diálogo entre as duas obras, a matriz e a gerada, seguindo o mesmo esquema utilizado por Müller na composição de suas obras, relendo clássicos para os colocar em conformidade com o aqui e agora. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Matérias Tags: , , , , , , ,
17/12/2009 - 18:23

Últimas apresentações do festival Dionisíacas

Compartilhe: Twitter

<i>O Banquete</i> encerra festival <i>Dionisíacas</i>

O Banquete encerra festival Dionisíacas

 

Com a estréia logo mais de Taniko – O Rito do Vale, espetáculo que faz parte do repertório do Teatro Nô adaptado ao estilo Oficina Uzyna Uzona, o grupo liderado pelo encenador José Celso Martinez Corrêa chega à reta final do festival que oferece ao público ingressos a preços populares.

 

Todos os anos~no dia 23 de dezembro, Zé Celso apresenta um espetáculo em memória de seu irmão, Luiz Antônio Martinez Côrrea, assassinado, nesta data, por um garoto de programa. Na próxima quarta-feira (23), o grupo apresenta O Banquete, adaptação da obra homônima de Platão, às 14h30.

CLIQUE AQUI para saber mais.

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , , , , , ,
16/12/2009 - 23:05

O Quebra-Nozes traz bailarinos de diversas nacionalidades a SP

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, especial para o Último Segundo (michelfernandes@superig.com.br)

QN bO clássico balé com música do russo Tchaikovsky, O Quebra-Nozes, sempre encenado à época do Natal, ganha duas montagens, que vão até este domingo (20), no Teatro Alfa e Teatro Abril, trazendo em seu elenco principal solistas de diferentes nacionalidades – cubana, uruguaia, brasileira e coreana.

No palco do Teatro Abril, a companhia de dança do Theatro Municipal do Rio de Janeiro apresenta a tradicional coreografia com dois solistas convidados que dançam em renomadas companhias de balé de Londres: a brasileira Roberta Márquez, primeira bailarina do Royal Ballet de Londres, e o cubano Arionel Vargas, primeiro bailarino do English National Ballet (também sediado em Londres).

O corpo de baile do Ballet do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, cuja montagem é comemorativa a seu centenário, traz, também, nessa superprodução coreografada por Dalai Achcar, sua nova geração de solistas: Claudia Mota, Márcia Jaqueline e Felipe Moreira.  Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Dança, Música e Cinema Tags: , , , , , ,
15/12/2009 - 16:33

Rio de Janeiro apresenta o primeiro tempo do Tempo_Festival das Artes

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, especial para o Último Segundo (michelfernandes@superig.com.br)

diretores Artísticos do <i>Tempo_Festival das Artes</i>

diretores Artísticos do Tempo_Festival das Artes

 

Começa amanhã a primeira etapa do Tempo_Festival das Artes, no Oi Futuro, Rio de Janeiro (Flamengo), festival internacional de artes cênicas que propõe três etapas de atuação: da reflexão e pensamento à criação e expressão. Essa fase vai até sexta (18) e presta homenagem ao diretor Antunes Filho que chega aos 80 anos tão irrequieto quanto o Zequinha, jovem de 19 anos que era quando o crítico, Décio de Almeida Prado, o indicou aos diretores italianos do TBC (Teatro Brasileiro de Comédia), para ser assistente.

 

Com direção artística e coordenação geral de Bia Junqueira, Cesar Augusto e Márcia Dias, o 1º Tempo do projeto Tempo_Festival das Artes é dedicado ao pensamento, às reflexões sobre o fazer artístico e tem contribuição na equipe de curadoria da filósofa, psicanalista e poeta Viviane Mosé. O objeto de suporte a essas reflexões serão palestras, debates, encontros, processos, residência artística e mostra de vídeo. 

O 2º Tempo acompanhará a expressão e terá contato com toda a diversidade artística; e no terceiro, participará de uma rede de conhecimento. 

Está no ar, também, o site Tempo Contínuo  que dará suporte ao Festival por 365 dias, objetivando a propagação das informações de cada tempo proposto. O site busca estabelecer uma rede de conhecimento, apostando na continuidade do Festival, na permanência do diálogo e na irradiação do pensamento.

Com atuação junto às redes sociais, o site pretende ser uma referência para as artes cênicas, com dois blogs, um informativo e outro que reunirá opiniões e estimulará o debate.

Blog Instantâneo

Blog Simultâneo

CLIQUE AQUI e confira a programação completa.

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , ,
Voltar ao topo