Publicidade

Publicidade

Arquivo de dezembro 1st, 2009

01/12/2009 - 23:58

A Loba em lugar do Lobo

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, especial para o Último Segundo (michelfernandes@superig.com.br)

Maria Maya, Christiane Torloni e Leonardo Franco em <i>A Loba de Ray Ban</i>

Maria Maya, Christiane Torloni e Leonardo Franco em A Loba de Ray Ban

 

Quando dirigiu a primeira montagem do texto escrito pelo ator Renato Borghi, O Lobo de Ray-Ban, o diretor José Possi Neto contou com o ator Raul Cortez no papel do protagonista e levou, então, os principais prêmios de teatro na época. Agora o Lobo é A Loba de Ray-Ban, novamente sob direção de José Possi Neto, trazendo a atriz Christiane Torloni no papel da atriz, dona da companhia que é pano de fundo do espetáculo que navega a nau da metalinguagem.

Após uma tumultuada sessão-despedida do ator que, na vida real, é marido de Júlia Ferraz (Christiane Torloni), a grande atriz dona da companhia, a empresária simula em seu camarim algumas formas de cometer o homicídio do mesmo que abandonou o teatro para estrelar uma telenovela.

Durante esse “quase-monólogo”, Júlia evoca em sua memória, vivenciada por meio de flashbacks, fragmentos de sua trajetória, de como se deu seu casamento com o ator e, também, o romance iniciado com uma jovem atriz, interpretada por Maria Maya, símbolo do dilacerar de seu casamento.

Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Críticas Tags: , , , , , , , , , , ,
01/12/2009 - 15:37

Grupo TAPA e seu foco na dramaturgia versus interpretação

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, especial para o Último Segundo (michelfernandes@superig.com.br)

<i>Cloaca</i>, da holandesa Maria Göss

Cloaca, da holandesa Maria Göss

 

Quem busca assistir a espetáculos com cenografia multifuncional, figurinos com propostas arrojadas, uma encenação marcada pela escritura cênica a espetacularizar a trama, deve estar a par que esta não se enquadra, sobremaneira, à experimentação cênica a que o TAPA se propõe ao longo desses anos. Sendo assim, Cloaca, da holandesa Maria Göss, apresenta um trabalho em que o diretor Eduardo Tolentino de Araújo dialoga com pilares da tradição teatral: a dramaturgia, o entendimento vertical do texto e sua essência comunicada ao público por meio do trabalho de interpretação dos atores.

 

No quesito atuação do elenco, a prioridade é uma interpretação com a naturalidade stanislavskiana, seguida de caracterizações sutis, como desejava o russo Stanlislavski ao propor seu “sistema” (não o “método”, conforme difundido pelo Actor’s Studio norte-americano) na concepção do papel, a auxiliar na demarcação dos personagens. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Críticas Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo