Publicidade

Publicidade
01/12/2009 - 23:58

A Loba em lugar do Lobo

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, especial para o Último Segundo (michelfernandes@superig.com.br)

Maria Maya, Christiane Torloni e Leonardo Franco em <i>A Loba de Ray Ban</i>

Maria Maya, Christiane Torloni e Leonardo Franco em A Loba de Ray Ban

 

Quando dirigiu a primeira montagem do texto escrito pelo ator Renato Borghi, O Lobo de Ray-Ban, o diretor José Possi Neto contou com o ator Raul Cortez no papel do protagonista e levou, então, os principais prêmios de teatro na época. Agora o Lobo é A Loba de Ray-Ban, novamente sob direção de José Possi Neto, trazendo a atriz Christiane Torloni no papel da atriz, dona da companhia que é pano de fundo do espetáculo que navega a nau da metalinguagem.

Após uma tumultuada sessão-despedida do ator que, na vida real, é marido de Júlia Ferraz (Christiane Torloni), a grande atriz dona da companhia, a empresária simula em seu camarim algumas formas de cometer o homicídio do mesmo que abandonou o teatro para estrelar uma telenovela.

Durante esse “quase-monólogo”, Júlia evoca em sua memória, vivenciada por meio de flashbacks, fragmentos de sua trajetória, de como se deu seu casamento com o ator e, também, o romance iniciado com uma jovem atriz, interpretada por Maria Maya, símbolo do dilacerar de seu casamento.

 lobaraybanNeste primeiro momento, Possi utiliza o palco com a criatividade e exuberância que o belíssimo cenário de Jean-Pierre Tortil – formado por cortinas, roldanas, cordas e outros elementos capazes de abrigar variadas e ricas marcações de cena – proporciona. E a iluminação, também assinada por José Possi Neto, afirma os recursos metateatrais que tão bem utiliza. Não há como esquecer dos belíssimos figurinos assinados por Fábio Namatame que fazem de A Loba de Ray-Ban um alumbramento visual.

Renato Borghi fez adaptações absolutamente felizes em sua versão feminina de O Lobo de Ray-Ban. Em lugar de Ricardo III, de Shakespeare, e Eduardo II, de Marlowe, em A Loba de Ray-Ban, a peça que eles encenam é Medeia, de Eurípedes, e a que a jovem atriz é admitida na companhia trata-se de  As Criadas, de Jean Genet.

 

A LOBA DE RAY-BAN

Quintas e sábados, 21h. Sextas, 21h30. Domingos, 19h; Até 20 de dezembro. Teatro do Shopping Frei Caneca. R. Frei Caneca, 569, 6º andar – Consolação – Centro. Telefone: 3472-2229. Aceita os cartões Amex, Diners, MasterCard, Visa. Ingresso: R$ 80.

Autor: - Categoria(s): Críticas Tags: , , , , , , , , , , ,

Ver todas as notas

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo