Publicidade

Publicidade
09/12/2009 - 21:55

Tenho uma dor chamada Portugal

Compartilhe: Twitter

 

Jorge Louraço Figueira, de Estado do Crítico 

 

 

Peça de Gil Vicente está no Teatro Nacional São João, no Porto

Peça de Gil Vicente está no Teatro Nacional São João, no Porto

“Tenho uma dor chamada Portugal” é um verso de Ruy Belo, o mesmo poeta de quem se ouvem, perto do final deste espectáculo, as palavras “Aqui – mulher terra mar / Aqui só pode ser a casa de deus”. Belo é um dos “vencidos do catolicismo”, como disse noutro poema (que termina com as palavras de Cristo, por sua vez repetindo um salmo de David: “Meu deus meu deus porque me abandonaste?”). As citações e referências cruzadas dariam para várias edições do PÚBLICO, tal é a riqueza da obra vicentina e da mitologia judaico-cristã. E deve haver inúmeras maneiras de falar deste espectáculo. Mas a ideia mais importante parece ser essa: deus e Portugal são duas fontes de mágoa. Será?

CLIQUE AQUI para ler a crítica completa no Estado do Crítico, site parceiro.

 

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , , , ,

Ver todas as notas

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo