Publicidade

Publicidade
02/03/2010 - 14:36

Cats ganha versão brasileira

Compartilhe: Twitter

Antonio Jr, especial para o Aplauso Brasil (junior@aplausobrasil.com)

CATS ganha versão brasileira assinada por Toquinho

CATS ganha versão brasileira assinada por Toquinho

O segundo musical mais visto da história da Broadway, Cats, de Andrew Lloyd Weber, ganha versão brasileira que estreia no próximo dia 4, quinta-feira, às 21h, no Teatro Abril. Com o mesmo design cênico da Broadway e desenvolvido especificamente para o Teatro Abril, a montagem original adaptada para os palcos brasileiros traz no elenco 38 artistas, que se revezam em vários números musicais.

A direção é de Richard Stafford, que também assina a coreografia. A cantora Paula Lima viverá a gata Grizabella e interpretará a célebre canção Memory (com mais de 150 versões gravadas por cantores como Barbra Streisand, Barry Manilow, José Carreras e Sarah Brightman). Também estão no elenco Sara Sarres e Saulo Vasconcelos – par romântico em O Fantasma da Ópera e que também participaram de outras grandes produções, como A Bela e a Fera e Les Misérables – que comemoram 10 anos de musicais. O compositor Toquinho foi convidado para verter as letras para o português.

IMG_9425_foto Dede FedrizziContando com uma grande produção e efeitos especiais, Cats envolve 110 pessoas em sua produção. Americanos, brasileiros e ingleses fazem parte da equipe. A coordenação da produção está a cargo, além do diretor Richard Stafford, do supervisor musical Stan Tucker e da coreógrafa associada Marina Stevenson, que acompanha Cats há mais de 20 anos e esteve no elenco de sua primeira montagem. Para se preparar para o espetáculo, todo o elenco ensaia mais de oito horas todos os dias. Os artistas cantam e dançam o tempo inteiro.

A história de Cats se passa num beco durante a data mais especial do ano para a tribo dos Jellicle Cats, que se reúnem para celebrar quem são e quando o líder do grupo, o sábio e benevolente Old Deuteronomy (Saulo Vasconcelos), anuncia qual deles irá para um lugar especial chamado “Heavyside Layer”, onde poderá renascer para uma nova “vida Jellicle”.

Só um dos gatos não compartilha da euforia do grupo: Grizabella (Paula Lima), que abandonou os companheiros anos antes para explorar o mundo lá fora e agora é desprezada por sua escolha.

O musical é baseado em 14 poemas do livro infantil Old Possum’s Book of Practical Cats, publicado a primeira vez em 1939, com ilustrações do próprio autor, o poeta americano T.S Eliot, que escreveu a obra para os filhos, depois de passar dias observando o comportamento de seus próprios felinos. Com música composta por Andrew Lloyd Webber, Cats – que foi dirigido originalmente por Trevor Nunn – marcou também o início da bem sucedida parceria do compositor com o produtor Cameron Mackintosh, que rendeu outros enormes sucessos, como O Fantasma da Ópera.

Efeitos especiais

Espetáculos à parte são a maquiagem e o figurino. Os macacões usados pelo elenco são inteiramente pintados à mão e feitos de lycra especial para permitir total mobilidade dos movimentos. Vieram direto da Inglaterra e aqui receberam os acertos finais para se ajustar ao corpo de cada ator. São mais de 150 peças, entre roupas e acessórios.

O cenário, que reproduz o beco escuro onde os gatos se reúnem, tem também efeitos especiais que colaboram para a magia do espetáculo, como um pneu gigantesco que se eleva no ar sobre uma nuvem de gelo seco quando Old Deuteronomy leva seu escolhido para o lugar onde viverá sua nova vida. Montado em uma estrutura de 150 m² e que extrapola a caixa cênica do palco, o cenário conta, ainda, com diversas aberturas que ajudam a criar o efeito mágico da transição de cada número, quando os gatos surgem e desaparecem repentinamente na escuridão.

FICHA TÉCNICA

CATS

PERSONAGEM

NOME

GRIZABELLA PAULA LIMA
OLD DEUTERONOMY SAULO VASCONCELOS
JELLYLORUM SARA SARRES
GUS – BUSTOPHER JONES – GROWL TIGER FERNANDO PATAU
RUM TUM TUGGER CLETO BACCIC
SKIMBLESHANKS DANIEL MONTEIRO
MUNGOJERRIE CESAR MOURA
MUNKUSTRAP JULIO MANCINI
PLATO / MACAVITY ARTHUR MARQUES
MISTOFFELES JHEAN ALLEX
CORICOPAT ADENIS VIEIRA
TUMBLE BRUTUS GABRIEL BRASÍLIO
ALONZO LEONARDO WAGNER
POUNCIVAL MAX OLIVEIRA
SWING MASCULINO 1 DITTO LEITE
SWING MASCULINO 2 FERNANDO MARIANNO
SWING MASCULINO 3 RAFAEL MACHADO
SWING MASCULINO 4 GUTO MUNIZ
JENNY ANN DOTS ANDREIA VITFER
BOMBALURINA GIANNA PAGANO
DEMETER SÉFORA ARAUJO
SILLABUB FABIANE BANG
RUMPLETEASER MARIANA HIDEMI
VICTORIA NATACHA TRAVASSOS
CASSANDRA VANESSA COSTA
ELEKTRA MARINA COSTA
TANTOMILLE PATRICIA ATHAIDE
SWING FEMININO 1 ANELITA GALLO
SWING FEMININO 2 CAROL PUNTEL
SWING FEMININO 3 MARIANA BARROS
PIT SINGER (Cover de Grizabella) OLIVIA BRANCO
PIT SINGER ANDREZZA MASSEI
PIT SINGER (Cover de Jenny Ann Dots e Jellylorum) CARLA COTTINI
PIT SINGER FRANCINE LOBO
PIT SINGER (Cover de Gus – Bustopher) ANDRÉ SAPORETTI
PIT SINGER NICK VILA MAIOR
PIT SINGER PAULO BORGES
PIT SINGER  (Cover de Deutoronomy) FERNANDO PALAZZA

CRIATIVOS

FUNÇÃO

Richard Stafford Diretor e Coreógrafo
Stan Tucker Supervisor Musical
Marina Stevenson Coreografa Associada
Floriano Nogueira Diretor e Coreógrafo Residente
Miguel Briamonte Diretor Musical
Paulo Nogueira Regente
DESIGNERS E ASSOCIADOS
Stuart Porter Designer de Luz Associado
Fraser Hall Designer de Luz Associado
Gaston Briski Designer de Som
Alejandro Zambrano Designer de Som Associado
Stuart Andrews Programador de Teclados
Genevieve Petitpierre Supervisora de Figurinos
Feliciano Sosa Supervisor de Perucas e Maquiagem
Matt Towell Supervisor Tecnico

PRODUÇÃO T4F

Almali Zraik Produtora Geral
Mariana Monticelli Coordenadora de Produção
Katia Placiano Produtora Executiva
Rosana Guerra Coordenadora administrativa
Enide Nascimento Analista Financeira Júnior
Beatriz Ramsthaler Company Manager
Mara Cesar Assistente de Produção
Marcelo Gonzalez Diretor Técnico
Esequiel  Tibúrcio Jr. Supervisor Técnico
Head Stage Raul Godoy
Stage Managers Camila Yumi
Caroline Vieira
Gustavo Collesi
Rogério Catão Gomes

SERVIÇO – CATS

Realização: TIME FOR FUN

Apresentação: Bradesco Seguros e Previdência

Co-Patrocínio: Whiskas

Local: Teatro Abril – Av. Brigadeiro Luís Antônio, 411 – Bela Vista

Site: www.musicalcats.com.br

Gênero: Musical

Telefones para informações: 4003-5588

Venda a grupos: (11) 2846-6232

Temporada: 4 de março a 30 de maio

Horários: Quintas e Sextas às 21h; Sábados às 17h e 21h; e Domingos às 16h e 20h.

Duração do espetáculo: 2h40min (com 20 minutos de intervalo)

Classificação etária: Livre – Menores de 12 anos acompanhados dos pais ou responsável legal.

Capacidade: 1.530 lugares

Assentos: O teatro conta com 16 assentos para deficientes físicos e 11 para pessoas obesas.

Estacionamento: O teatro não possui estacionamento próprio

Meio de Pagamento Preferencial: American Express MemberShip Cards e Bradesco Cartões

Acesso para deficientes

Ar condicionado

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags: , , , , ,

Ver todas as notas

13 comentários para “Cats ganha versão brasileira”

  1. Presley disse:

    Um espetáculo fabuloso. Uma super produção encantadora. As versoes das músicas sáo ótimas, o elenco é brilhante, a iluminaçao é fantástica… Nao poupo elogios para CATS. É pra ser aplaudido de pé. BRAVO!

    • Dany disse:

      Concordo com vc em cada palavra!!! Um espetáculo imperdível e maravilhoso!!!
      Todos que participaram da realização deste espetáculo estão de parabéns!!!!

  2. Cacá disse:

    O musical Cats apresentado no Brasil me decepcionou, e olha que não foi só à mim, mas sim várias pessoas que estavam no teatro se sentiram decepcionadas. O musical , na adaptação brasileira perdeu a sonoridade original da peça, os cantores/bailarinos ou tinham a dicção muito ruim ou o som estava mal mesmo, mal se conseguia ouvir o que eles cantavam. Entendi melhor a peça em inglês do que em português. A orquestra alta demais, parecia que no palco travava uma guerra de egos entre os atores e a orquestra. Monótona. Os gatos estavam pesados, sem movimentos sensuais e leves. O palco do teatro abril é pequeno para este tipo de musical. O momento que valeu a pena foi ver Paula Lima cantando Memory. O resto….lixo. Algumas coisas não deveriam sofrer tradução jamais.

    • raul disse:

      Olá desculpe a sua decepção, ao contrário do sucesso de público na temporada que acham o contrário, o palco é o concebido para esse espetáculo, tal qual foi e é apresentado em outros países.
      O Palco já recebeu as maiores produções da Broodway e é reconhecido internacionalmente.
      O lixo a que vc se refere deve ser o do cenário, é isso mesmo é um lixo chique.
      Boa noite

    • Robson disse:

      Ola amigos, fiu ver o musical agora no mes de agosto de 2010. É impressionante com o Cacá descreveu muito bem o que acontece no espetáculo… Não consegui entender uma só palavra que os atores cantavam, e a orquestra sobrepõe a tudo. Talvez ajustes de som, ou falta de dicção mesmo… Sim, é uma grande produção, mas peca nessa parte. Fato que no intervalo, a sala que estava lotada ficou apenas no 60% do publico presente. Mas nós chegaremos lá…

  3. dila unique disse:

    Assistir Cats em versão brasileira é uma delícia! É energia pura e mostra o absurdo potencial dos nossos artistas brasileiros!
    Vive le Brésil

  4. Visionário disse:

    Alguém me pode fornecer a versão brasileira de “Memory”? É que já procurei bastante e não encontro… Preciso urgentemente para um trabalho da escola…

    Obrigado
    Enviem para o meu e-mail (patricioalcino@hotmail.com) ou publiquem aqui pf.

  5. Visionário disse:

    P.S. preciso da letra só…

    Obrigado

  6. Jeferson disse:

    Esses musicais são bonitos de ver a produção, pois eu acho todos uma porcaria. Tem tantos trabalhos do Brasil maravilhosos e essa burg uesia podre fica se achando ao assistir esses musicais de merda

  7. Pedro disse:

    Realmente não entendir o porque da revolta deste Jefersson , não posso nem mais gostar de peças teatrais/musicais estrangeiro que já vem falar “burguesia” para cá e pra lá.

    Antes que me critiquem não estou falando que aqui no Brasil não se produz peças legais, só estou falando que esses caras estão errados em vim para cá apenas para dá uma conotação política ao assunto !

    ah, também acho errado ficar falando que só “burguês” assiste , eu mesmo moro num bairro periférico mais conheço a obra . ( admito que assistir a peça gravada em dvd pelo fato de ser um pouco cara )

    Cats é uma peça maravilhosa !

  8. Cláudia Valéria disse:

    Assisti ontém (21/11/2010) ao brilhante musical Cats no Rio de Janeiro, Vivo Rio, fiquei impressionada c/ a qualidade dos bailarinos que pode-se descrever como o artistas completo, pois além de dançar, cantam e interpretam de forma majestosa, dando vida aos seus personagens; destaco aí a interpretação do bailarino Helcio Mattos que fez c/ q o público interagisse c/ seu personagem Rum Tum Tugger! Oportunidade única de um grande espetáculo. Parabéns a Direção, Produção e demais envolvidos.

  9. M.Carvalho disse:

    Me impressionei com a maior parte dos aspectos teatrais utilizados na peça: maquiagem, figurino, luzes, orquestra. Grande habilidade dos bailarinos, bastante versateis. Os gestos felinos foram bem representados, tenho gato em casa e notei muita similaridade.
    O que me decepcionou enormemente foi o audio, concordo com outros comentários, porém atribuo o fiasco à tradução, a prosódia das músicas traduzidas é muito ruim. Não consegui entender o sentido da história, o significado do que era cantado não era compreensível, confesso que dormi na 1a metade do espetáculo. Graças a Deus a segunda metade do espetáculo, a prosódia das músicas estava um pouco melhor. As palavras cantadas eram mais inteligíveis.
    Independente da celebridade de quem esteja traduzindo, é importante que o tradutor conheça bem o estilo belting e seja capaz de, poeticamente falando, compôr letras que permitam manter as qualidades artísticas exigidas pela obra e pelo estilo.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo