Publicidade

Publicidade
01/04/2010 - 01:12

Mães e Sogras estreia no Theatro São Pedro

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

MÃES & SOGRAS, no Theatro São Pedro

O espetáculo Mães e Sogras tem estreia programada para o próximo dia 2 de Abril, em Porto Alegre. Em entrevista ao Aplauso Brasil, Leandro Sarmatz, o autor da peça fala sobre a criação do texto.

Aplauso Brasil- Como surgiu a ideia de escrever Mães e Sogras?

Leandro Sarmatz – O pontapé inicial foi uma frase que eu imaginei um dia, uma frase muito cruel que sai da boca da Bella a certa altura da peça (e não conto qual é a frase nem sob tortura!), mas a intenção toda tem a ver com algumas coisas que eu pensava na época em relação tanto ao gênero tragicômico quanto ao teatro iídiche. Eu queria jogar com esses gêneros, usá-los de uma maneira irônica, levá-los ao limite – vai daí que não houve temor de explorar alguns clichês. É isso: eu queria manipular os clichês do imaginário judaico (a mãe, as relações familiares, uma certa hipocondria etc) até o limite. E então – espero que eu tenha conseguido – devolvê-los um pouquinho diferentes ao leitor/espectador.
AB – O texto de Mães e Sogras ficou onze anos na estante. Aconteceram leituras, mas nenhuma encenação. Você consegue atribuir uma razão para isso?

LS – Ao longo desse tempo imenso, houve pelo menos três diretores e dois produtores interessados em levar a peça aos palcos – no RS, em SP e no RJ. Mas todos esbarravam no mesmo dilema tostines: não conseguiam levantar recursos porque meu texto nunca havia sido encenado, e meu texto nunca era encenado porque não conseguiam levantar recursos. Em suma: extremamente frustrante. Tive a sorte, porém, de ser procurado pelo Marcelo Adams, o diretor da peça, que conseguiu levantar os recursos e levar finalmente a peça ao palco.

AB – Mães e Sogras satiriza certos comportamentos da comunidade judaíca. Não é espinhoso tratar de forma cômica esse universo?

LS-Talvez seja mesmo espinhoso para algumas pessoas, não posso imaginar cem por cento de adesão a uma peça que fala (e de maneira absolutamente debochada) de câncer, prepúcio, nazismo e alopatia, entre outros temas. Mas é como eu disse na primeira questão: a intenção foi justamente essa, ou seja, explorar de forma cômica essas questões até o limite, até o momento em que o espectador (assim eu espero) ria comigo e se sinta culpado comigo. Porque é disso que se trata a peça: risos e culpa.
AB – Quais outras peças que você tem que estão esperando um encenador?
LS-
Tenho ainda as peças Kaddish (outro texto de humor negro sobre a família, mas a chave aqui é o melodrama), Ponteiros (o teatro do absurdo encontra o nobre ofício da relojoaria), A História do Nariz (rinoplastia, casamento, racismo e entrechos dignos de Twilight Zone) e uma nova, ainda sem nome, sobre um sujeito que, depois de conseguir encenar sua peça, acorda todo santo dia achando que sofre de um mal diferente, do glaucoma à afasia.

Ficha técnica:

Autor: Leandro Sarmatz
Direção: Marcelo Adams
Elenco: Margarida Leoni Peixoto (Bella Molodóvski), Naiara Harry (Anita), Carla Gasperin (jovem paraplégica), Cláudia Lewis (Jussara), Rafael Ferrari (Beto)
Cenário: Rodrigo Lopes
Figurinos: Rô Cortinhas
Iluminação: Fernando Ochoa
Trilha sonora: Marcelo Adams e Rafael Ferrari
Coreografias: Carlota Albuquerque
Produção: Cia. de Teatro ao Quadrado e Rodrigo Ruiz
Realização: Cia. de Teatro ao Quadrado

Serviço:

De 2 a 4 de abril

Theatro São Pedro (Praça Marechal Deodoro, s/n – Centro)

Sexta e sábado, às 21h e domingo, às 18h

Ingressos:

R$ 40 (plateia), R$ 30 (camarote central), R$ 20 (camarote lateral) e R$ 10 (galerias central e lateral)

25% de desconto para Clube do Assinante ZH – titular e acompanhante

50% de desconto na estréia para a Associação Amigos Theatro São Pedro

50% de desconto para idosos. Descontos para estudantes conforme a Lei. 

De 9 de abril a 2 de maio

Teatro Bruno Kiefer – Casa de Cultura Mario Quintana (Andradas, 736 – Centro)

De sextas a domingos, às 20h

Ingressos – R$ R$ 20 no local

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags: , , , , , , , ,

Ver todas as notas

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo