Publicidade

Publicidade

Arquivo de maio 20th, 2010

20/05/2010 - 22:21

Um certo Arrabal aterrisa no Teatro Augusta

Compartilhe: Twitter

Ruy Jobim Filho, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"O Grande Cerimonial" - Alessandro Hernandez e Amália Pereira O Teatro paulistano tem a sorte e o privilégio da diversidade, onde clássicos modernos e clássicos eternos dividem a cena e traçam suas estratégias múltiplas para acordar um público não menos do que avisado. Em inglês, a palavra moviegoer se aplica muito bem ao cinéfilo que prefere ver seus filmes prediletos na telona. O theatergoer (e essa palavra existe mesmo, não é um neologismo) daqui, de São Paulo, tem, como opções, desde Nelson a Plínio (Marcos), de Neil LaBute a Shakespeare, de Luis Alberto de Abreu a Sade. Mas é um certo Arrabal que dá o cutucão feroz em todo o restante, mexendo com as ideias (agora, sem o acento) e com as plateias (também sem o acento). Arrabal tira o acento.

O (já clássico) Fernando Arrabal (nascido em 1932, no Marrocos espanhol) é o mais recente dramaturgo montado pelo Teatro Kaus Cia. Experimental, grupo que foi trazido de São José dos Campos para a capital pelo diretor Reginaldo Nascimento e pela atriz/jornalista Amália Pereira e que já montou muita coisa boa por essas bandas de cá. Agora eles trazem O Grande Cerimonial para completar o rol e ficar em cartaz na Sala Experimental do Teatro Augusta.

Arrabal não poupa nada, nem ninguém, e o mesmo faz essa montagem do Kaus. Concessão zero. O personagem central de O Grande Cerimonial, o (quase coitado) Cavanosa, um Casanova totalmente às avessas, é o embate em pessoa. Sua alma atormentada luta contra seus fantasmas, suas ilusões e suas sombras. Nascimento aproveita as vertentes do autor de clássicos modernos, como O Cemitério de Automóveis e O Arquiteto e o Imperador da Assíria, para tecer sua encenação em direção ao bizarro da vida humana. O Teatro Pânico de Arrabal tem, no sangue, a tradição do que há de mais bizarro, por exemplo, em autores como o espanhol Valle-Inclán. Mas segue além. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , ,
20/05/2010 - 20:19

Cauby Peixoto canta Roberto Carlos

Compartilhe: Twitter

Redação (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Cauby Peixoto - Fotografo Marco Maximo

Apenas em dois shows, nesta sexta (21) e sábado (22), no Teatro FECAP,  o cantor Cauby Peixoto sobe ao palco para apresentar um repertório inteiramente dedicado ao Rei Roberto Carlos, em canções que ficaram famosas na voz da Jovem Guarda.

Baseado no repertório do CD Cauby interpreta Roberto, lançado em dezembro do ano passado.  Thiago Marques Luiz, que idealizou e produziu o álbum e que também dirige o show, explica porque  Cauby: “É um dos mitos vivos da música brasileira, um dos mais extraordinários cantores com quem já trabalhei. Ele colocou todas as vozes do disco em duas sessões.  Tem uma habilidade incrível para interpretar essas  canções,  cada uma  tem um ‘momento’ particular, que só ele pode criar”. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Dança, Música e Cinema Tags: , , ,
Voltar ao topo