Publicidade

Publicidade
19/06/2010 - 11:06

FILO 2010 – Plínio Marcos, mestre de cerimônias do Boca de Baco

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes*, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

"Navalha na Carne" - Crédito Milton Dória/ Divulgação

Um texto já clássico da dramaturgia nacional, Navalha na Carne, de Plínio Marcos, é o mestre de cerimônias – e que mestre! – da celebração do vigésimo aniversário do grupo londrinense Boca de Baco que estreia hoje no FILO – Festival de Londrina 2010.

Quem assina a direção é Luiz Valcazaras (do premiadíssimo Abra as Asas Sobre Nós) que, segundo nos contou Jackeline Seglin, uma das fundadoras do grupo, é o primeiro diretor convidado pela trupe – em 2001 dirige Fando e Lis, de Fernando Arrabal – e marca o novo norte, mais profissional, que o Boca de Baco passa a seguir em suas produções.

“Conheci o Luiz Valcazaras quando ele veio para o FILO em 1998 e trouxe o monólogo Anjo Duro (com Bertha Zemmel), então o convidei para dirigir o Boca de Baco”, conta Jackeline Seglin.

A história com Plínio Marcos é mais antiga, data de 1996 quando o grupo encenou O Abajur Lilás, do autor, sob direção de André Luiz Lopes.

Juntar Luiz Valcazaras e Plínio Marcos é um início de comemorações de duas décadas do Boca de Baco bastante significativo.

“O Plínio e o Valcazaras são muito importantes para a trajetória do grupo”, diz a atriz.

 O Boca de Baco

“O grupo surgiu de uma oficina de teatro com um grupo de bancários da Caixa, proposta por Luciano Bitencourt e Beto Passini em 1990. Além dos bancários, alguns universitários também foram convidados a participar da oficina. Ao final, um núcleo de 16 pessoas selecionadas montou Amores de Moraes, criação coletiva baseada na vida e obra de Vinícius de Moraes. Nascia aí o Boca de Baco”,conta Jackeline.

Dos fundadores do grupo, somente ela e Nivaldo Lino, permanecem no elenco do grupo.

“Beto Passini e Luciano Bitencourt acompanham o grupo, mas na produção”.

Há quase dez anos, o Boca de Baco realiza oficinas e workshops de teatro como uma espécie de sucursal do N.i.T.e., núcleo de investigação teatral, de São Paulo, criado por Valcazaras.

Uma característica que conjuga os atores do grupo é a divisão de seus tempos entre o teatro e outras profissões: “um é jornalista, outro funcionário público…”.

Dias: 19 e 20 de junho
Local: Teatro Usina Cultural
Horário: 22 horas
Duração: 55 minutos
Faixa etária: 16 anos
Patrocínio: Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic)
Apoio: Vila Usina Cultural, Londrina Norte – Editora, Comunicação e Marketing, Studio Milton Dória, Trade Comunicação e Marketing e Gráfica Capital
 
Ficha Técnica:
Elenco: Jackeline Seglin, Nivaldo Lino e Poka Marques
Direção: Luiz Valcazaras
Assistência de direção: Carina Corte
Segunda assistência e operação de luz: Renato Forin Jr.
Iluminação: Luiz Valcazaras
Cenário: Yara Balboni e Luiz Valcazaras
Figurino: Nélio Pinheiro
Operação de som: Paula Sandreschi
Trilha sonora original: Marco Scolari
Direção de Produção: Luciano Bitencourt
Produção Executiva: Beto Passini
Patrocínio: Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Promic)
Apoio: Vila Usina Cultural, Londrina Norte – Editora, Comunicação e Marketing, Studio Milton Dória, Trade Comunicação e Marketing e Gráfica Capital
 
Serviço:
FILO 2010 – Festival Internacional de Londrina – De 10 a 27 de junho.
Realização: Àmen (Associação dos Amigos da Educação e Cultura Norte do Paraná) e Universidade Estadual de Londrina (UEL). Patrocínio: Petrobras, Prefeitura de Londrina, FUNARTE, Caixa Econômica Federal, Copel/Governo do Estado do Paraná, Governo Federal – Ministério do Turismo, Ministério da Cultura / Lei de Incentivo à Cultura. Ingressos: À venda no Royal Plaza Shopping (Rua Mato Grosso, 310) – ponto exclusivo. Bilheteria: (43) 3344-6197
Informações: (43) 3324-9202

Michel Fernandes viajou a convite do FILO

 

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: ,

Ver todas as notas

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo