Publicidade

Publicidade
05/07/2010 - 18:09

Dzi Croquettes chega aos cinemas

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Dzi Croquettes, os internacionais

“Eu não sabia direito o que eles eram. Na minha visão de criança eles eram palhacinhos”. Estas são as falas iniciais do documentário sobre o revolucionário grupo de teatro-dança Dzi Croquettes – O Documentário, dirigido por Tatiana Issa e Raphael Alvarez que, felizmente, chega, agora, dia 16 de julho aos cinemas brasileiros.

Tatiana criou o filme a partir de sua memória afetiva. Quando criança ela, junto de seu pai, o cenógrafo Américo Issa, conviveu com a trupe.  Portanto, recuperar a história da companhia é, também, recuperar a história de Américo, que foi um cenógrafo importante do teatro brasileiro.

O Dzi Croquettes era formado pelos seguintes artistas: Lennie Dale, Wagner Ribeiro, Cláudio Tovar, Cláudio Gaya, os irmãos Rogério de Poly e Reginaldo de Poly, Bayard Tonelli, Paulo Bacellar, Benedictus Lacerda, Carlos Machado, Eloy Simões, Roberto Rodrigues e Ciro Barcelos. Essa foi a formação original do grupo. Depois, nomes como Dario Menezes, Fernando Pinto e Jorge Fernando farão parte da companhia.

Deles, estão vivos apenas Tovar, Reginaldo, Bayard, Benedictus, Ciro, Jorge e Dario. Isso foi um dos fatores que dificultou o trabalho de Tatiana e Raphael para a realização do filme, a falta de material sobre as encenações do grupo e a ausência da maior parte dos seus integrantes.

No livro Ela é Carioca, o escritor Ruy Castro fala de uma maldição que aconteceu ao grupo, o fato de a maior parte dos integrantes terem morrido precocemente.

Eles surgiram no momento mais violento do regime militar brasileiro. A obra de Tatiana e Raphael contextualiza bem essa época com depoimentos de Ney Matogrosso, Aderbal Freire Filho, Elke Maravilha, entre outros.

"Dzi-Croquettes" ganha documentárioO propósito do grupo era “fazer a união da força do macho com a graça da fêmea”. Por isso, eles criaram espetáculos que satirizavam a política e a sociedade fazendo um farto uso do travestimento masculino.

Desse modo, serviram de influência para Ney Matogrosso e a estética dos seus espetáculos, bem como o besteirol carioca. No documentário nomes como Pedro Cardoso, Miguel Falabella e Cláudia Raia reconhecem a importância dos Dzi em suas trajetórias artísticas como comediantes.

E o sucesso de Dzi Croquettes (As Internacionais, como eles se chamavam) não aconteceu só aqui. Houve, também, uma temporada de muito sucesso da companhia em Paris, onde eles tiveram como madrinha a cantora Liza Minnelli.

Liza é outra que participa do documentário, assim como outros nomes importantes como Duse Nacaratti ( A Criadora da Expressão “Tiete”), Betty Faria, Maria Zilda Bethlem, Marília Pêra, Gilberto Gil e muitos outros.

Desde as suas primeiras exibições no ano passado, o filme vem recebendo diversos prêmios, sendo um dos documentários com o maior número de premiações na história do cinema brasileiro. Foi eleito o Melhor Documentário no Festival do Rio de Janeiro, Melhor Documentário no Festival de Torino, Itália entre outras honrarias.

O "Dzi" Lenny Dale

Por isso, dia 16 de Julho é dia de colocar uma purpurina no corpo, embarcar no espírito croquette e assistir ao filme de Tatiana e Raphael que, é antes de tudo, uma aula sobre uma época importante do teatro brasileiro.

Assista ao clipe do documentário Dzi Croquettes

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Dança, Música e Cinema Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Ver todas as notas

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo