Publicidade

Publicidade

Arquivo de setembro 24th, 2010

24/09/2010 - 22:37

Espetáculo de autor escocês coloca espectador dentro da adrenalina explosiva das personagens

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Cristina Cavalcanti e Nelson Baskerville

Impossível desviar a atenção do flamejante jogo de atores que o espetáculo Blackbird, do autor escocês David Harrower, coloca no centro do palco do Espaço dos Parlapatões. As duas personagens, magistralmente interpretadas por Cristina Cavalcanti e Nelson Baskerville, tem potencia explosiva e, graças à vigorosa direção de Alexandre Tenório, dinâmica pulsante, capaz de se infiltrar no  espectador.

Não é possível revelar muito do enredo, pois é preciso preservar as incontáveis surpresas que Blackbird nos apresenta no curso de seu desenvolvimento.

À grosso modo, podemos dizer que o enredo da peça é o acerto de contas entre um casal que viveu um amor proibido no passado. Entretanto a trama fica bem distante dos clichês comuns das peças que se valem da discussão da relação de um casal.

Aberta a fenda purulenta do passado, o embate entre as personagens exige a entrega visceral em suas atuações. Com bisturi preciso, Alexandre Tenório conduziu os atores pela senda do hiperrealismo, caminho exigido pelo texto. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Críticas Tags: , , , , , , , , , , ,
24/09/2010 - 18:22

Lulu Pavarin faz rir e chorar em solo que escancara a solidão

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Atriz celebra 25 anos em excelente espetáculo solo

Classificar o excelente solo de Lulu Pavarin, Como Ser Uma Pessoa Pior, de comédia que satiriza o universo da auto-ajuda é reduzir um trabalho que ultrapassa os limites singelos da generalização. O solo, primorosamente dirigido por Mário Bortolotto, ridiculariza e emociona ao escancarar a única verdade absoluta da humanidade: sim, nascemos e morremos sós.

Germano Melo, ótimo ator, e Michelle Ferreira revelam-se autores de grande competência e antenados aos modismos contemporâneos como a crença ingênua na dissolução de problemas de auto-estima, por exemplo, com a simples repetição de mantras-frases-de-efeito que só funcionam realmente se a fé cega nas palavras colocar a razão em segundo plano. E não é o que ocorre com Amabile, a personagem interpretada com esmero técnico e sensibilidade por Lulu Pavarin, que a permite passear tranquilamente entre as vias da comédia e do drama. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Críticas Tags: , , , ,
Voltar ao topo