Publicidade

Publicidade

Arquivo de setembro 28th, 2010

28/09/2010 - 14:35

Teatro paulistano perde Petrônio Nascimento

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Petronio Nascimento em "O ó da Viagem"

A cortina caiu definitivamente para Petrônio Nascimento na manhã desta segunda-feira (27). Ator, diretor, cenógrafo, professor, enfim, um homem de teatro ele soube dosar doçura com pragmatismo profissional, talentoso, sensível, generoso, ético, qualidades raras em nossos dias em que o simulacro e a espetacularização social mascaram o real.

Petrônio foi uma das pérolas que colhi como amigo ainda nos meus tempos de Teatro-escola Célia Helena, onde lecionou de 1993 a 1997. Além dos workshops com Rubens Corrêa e Hamilton Vaz Pereira, a participação no coral de professores regido por Roberto Anzai, dividimos a assistência de direção de alunos de interpretação em 1995.

Licenciado em Artes Cênicas pela Faculdade Santa Marcelina em 1979, de 1984 a 1986, integrou o corpo docente do Teatro Escola Macunaíma, dirigindo diversos textos de autores brasileiros como Martins Pena, França Júnior, Arthur Azevedo, dentre outros. Ainda com os alunos da escola, dirigiu o espetáculo Farrambamba, colagem de diversos autores, com temporada no Teatro de Arena Eugênio Kusnet e participação em diversos festivais, recebendo vários prêmios de melhor diretor, cenógrafo e de melhor espetáculo.

Dirigiu a peça Vamos Jogar o Jogo do Jogo, de Fernando Bezerra, que lhe valeu a indicação para o prêmio Mambembe de Melhor diretor de 1986, na categoria Teatro Infantil.

Para o III Festival de Mímica de São Paulo, promovido pelo SESC Pompéia em 1988, dirigiu o espetáculo de Comédia Dell’arte Os Amores de Isabella, texto coletivo, com o Grupo Le Maschere.

Assisti, no Teatro-escola Célia Helena os espetáculos A Inquilina de Botafogo, de Gastão Tojeiro, com os formandos de 1994; A Dama da Madrugada, de Alejandro Casona, com os formandos de 1996; O Apocalipse ou O Capeta de Caruaru, de Aldomar Conrado, com os formandos de 1997 (que teve temporada no Teatro Célia Helena, dividindo o palco com meu musical infantil, Uma Aventura no Planeta Boca), e fui apresentado a outras dramaturgias brasileira e latino-americanos. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas Tags: ,
Voltar ao topo