Publicidade

Publicidade

Arquivo de outubro 1st, 2010

01/10/2010 - 20:18

Elenco já vale a ida à Mão e Pescoço

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Gilda Nomacce, Germano Melo e Majeca Angelucci em "Mão e Pescoço"

Vindo de interpretações marcantes em outros trabalhos, Gilda Nomacce (Music Hall) e Germano Melo (Travesties), juntamente com Majeca Angelucci, começam temporada de Mão e Pescoço na sala experimental do Teatro Augusta nesta sexta, 21h. Os atores que destaquei incentivam à ida ao teatro.

Mão e Pescoço é uma comédia sombria, ácida, que narra a história de Leonarda, mulher perseguida por recorrentes sonhos estranhos com um homem que possui vários braços e com uma mulher que possui vários olhos. Ela procura uma amiga cartomante para ajudá-la, mas a chegada de um perigoso falsificador de emoções expõe a frágil condição humana. Os personagens passam a disputar a atenção de Leonarda construindo verdades e criando jogos psicológicos. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Notas e Oportunidades Tags:
01/10/2010 - 15:06

Clamor varonil esquenta o Teatro das Artes: é Zorro – O Musical!

Compartilhe: Twitter

Afonso Gentil, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Naima e Gerson Steves em "Zorro - O Musical"

O público já aderiu a essa nova onda, mas a intelectualidade monitoradora do movimento teatral, ainda não. Porque esta, em parte, ainda não conseguiu se livrar de arraigado preconceito quando o assunto é a chegada de um novo musical em nossos palcos. Sentenciam: “não é arte, é só entretenimento”. Será que não podem ser ambas as coisas?

O caso deste Zorro, o Musical, que não é necessariamente brilhante, mas sempre vibrante, é típico. Poucos ( críticos) se aventuraram  em conferir essa montagem, lançada em 2008, em Londres, e que já foi encenada sucessivamente em Paris e na Alemanha, Holanda, Itália, Japão, Coréia( do Sul?) e Rússia. Agora chegou ao Brasil.

Então, é no mínimo curiosa essa suposta rejeição ao Zorro produzido no Rio de Janeiro, com produtores arrojados e bem escorados (ao que se pode deduzir da leitura do site da montagem) por uma nova empresa de eventos e promoções, entrando no mundo teatral. E a equipe toda (técnica e artística) é  composta por gente gabaritada por passagens em marcantes musicais do Rio e daqui mesmo. Repetimos, pode não acontecer aqui a magia que faz do fenômeno teatral algo inesquecível, mas a interação com a platéia é permanente. Porque baseado em um sentimento universal: o da rejeição do ser humano à força bruta das ditaduras. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags:
Voltar ao topo