Publicidade

Publicidade

Arquivo de dezembro 17th, 2010

17/12/2010 - 15:47

Oficina apresenta repertório e celebra “Teatro de Extádio”

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (

"Taniko - O Rito do Mar" abre as "Dyonisíacas 2010"

)

Durante todo o ano de 2010, o grupo liderado por José Celso Martinez Corrêa, o Oficina Uzyna Uzona, viajou por sete capitais brasileiras realizando quatro peças de seu repertório –“Taniko – O Rito do Mar”, “Estrela Brazyleira a Vagar – Cacilda!!”, “Bacantes” e “O Banquete” -, além de realizar oficinas e vivências artísticas, sendo todas as atividades gratuitas.

De volta a São Paulo, ou “Sampã” como denominam os “atuadores” (termo que define os intérpretes do Oficina) do grupo, lugar em que iniciaram as “Dyonisíacas em Viagem 2010” em maio deste ano, eles celebram o sucesso das viagens com direito a um tira-gosto do que será o Teatro de Extádio.

As oficinas oferecidas onde o grupo passou, chamadas Uzynas Uzonas, tiveram papeis fundamentais ao grupo. Além de servir como introdução ao sistema de trabalho do Oficina Uzyna Uzona, os oficineiros vivenciaram o trabalho da trupe liderada por Zé Celso participando como coreutas nos espetáculos apresentados.

Segundo a atriz Camila Mota, que faz parte da diretoria do grupo, essas oficinas gratuitas, seguidas das participações dos oficineiros nos espetáculos, resultaram em experiências bastante ricas, tanto para eles quanto para os atuadores do Oficina Uzyna Uzona. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , ,
17/12/2010 - 11:45

Superproduções musicais: um novo gênero?

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Albin ou Zazá e Georges no cabaré "A Gaiola das Loucas"

que já recebeu a alcunha pejorativa de “modismo das superproduções musicais” se estabelece, cada dia mais, como gênero que movimenta o teatro com vistas na mera diversão da plateia.

Mesmo contrário ao esquema industrial como é tratado esse tipo de espetáculo, cujos valores altíssimos corroboram para a elitização da arte, uma coisa não se pode negar: depois da vinda dos musicais enlatados (mas com tempero brasileiro) apresentados no Teatro Abril, o público está mais exigente quando há a associação do, adjetivado, nome “superprodução” ao espetáculo.

Nesse quesito “A Gaiola das Loucas”, versão brasileira e direção de Miguel Falabella, produzida por Sandro Chaim, é, por incrível que pareça, superior ao “Mamma Mia!”, nova produção apresentada no Teatro Abril. Motivo: os luxuosos e magníficos figurinos de Cláudio Tovar mais o cenário com efeitos extraordinários dos painéis de LEDS (aquelas luzes no fundo do palco que formam diferentes imagens) dão o glamour a “A Gaiola das Loucas”, diferente do despojo que “Mamma Mia!” apresenta.

Quem é o pai de Sophie em "Mamma Mia!"?

O musical do Teatro Abril é o retrato da alegria e simplicidade dos protagonistas da década de setenta do século passado, com seus valores anti-convencionais.

Em lugar de desmerecer um ou outro espetáculo, tais diferenças tornam o programa de assistir a ambos muito interessante, pois são duas produções que merecem o prefixo super.

E você o que acha desse gênero? Seu comentário é valioso para o avanço do teatro. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas Tags: , , , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo