Publicidade

Publicidade
28/01/2011 - 18:41

Karin Rodrigues e Alessandra Negrini estreiam peça inédita no Brasil de Albee

Compartilhe: Twitter

Da redação do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"A Senhora de Dubuque" foi escrita entre 1977 e 1978

Inédita no Brasil, A Senhora de Dubuque, de Edward Albee (Quem Tem Medo de Virgínia Wolf?), estreia no Teatro Paulo Autran (SESC Pinheiros) neste sabado (29), 21h, com Karin Rodrigues (ausente dos palcos desde 2007, ano da morte do ator Paulo Autran, com quem era casada) e Alessandra Negrini no elenco. Quem assina a direção é o ator Leonardo Medeiros, há dez anos afastado da direção para dedicar-se à interpretação.

Com patrocínio cultural da Oi, A Senhora de Dubuque segue em cartaz até dia 06 de março. Escrita entre os anos de 1977 e 1978, Edward Albee retoma o questionamento das estruturas sólidas, dos conflitos familiares e entre os indivíduos, levando-nos à reflexão a respeito da consciência da morte e da existência.

“Com sua verve para o sarcasmo e seus conhecidos recursos de espelhamento e crueldade psicológica, Albee, sem que percebamos, vai encaminhando nossa expectativa de entretenimento em direção à angústia reflexiva. Com suprema delicadeza, nossos personagens da cotidiana realidade são transformados em vítimas de uma metáfora fantasiosa. Nossa montagem dessa pérola pouco conhecida da obra de Edward Albee trafegou durante todos os momentos nessa direção”, diz o diretor Leonardo Medeiros.

Indagado se a morte — temática recorrente em suas peças — é um mote para o teatro, Albee declarou em recente entrevista: “Só há duas coisas que realmente importam. Os dois grandes eventos na vida de qualquer pessoa são seu nascimento e sua morte. E então você escreve sobre esse parêntese, sobre tudo o que acontece nesse intervalo. Você não pode escrever sobre seu nascimento porque não se lembra dele. Mas pode escrever sobre a morte, porque obviamente não tem memórias dela, mas espera por isso. Há vários tipos de morte. Muitas das minhas peças são sobre pessoas que estão vivas, mas morreram emocional e intelectualmente muito tempo atrás. Você pode estar morto no íntimo e ainda vivo.”

A peça estreou em janeiro de 1980 no “Morosco Theatre”, na Broadway. Sua produção mais recente é a de Londres, de 2007, com direção de Alan Schneider e com Maggie Smith,

Karin Rodrigues e Alessandra Negrini

Catherine McCormack e Chris Larkin no elenco.

Sinopse

Os anfitriões Jo e Sam reúnem-se no fim de semana com dois casais de amigos em uma casa. Ao final de um jogo de perguntas e adivinhações as relações se desintegram, as amizades são desfeitas e os rancores aparecem.

Na manhã seguinte, procurando juntar no tabuleiro os fragmentos da amizade, são surpreendidos pela chegada de Elizabeth, uma elegante e misteriosa senhora da cidade de Dubuque (interior dos EUA) e de seu acompanhante Oscar.

Edward Albee

Nasceu em 12 de Março de 1928 nos Estados Unidos. Filho adotivo de um casal de empresários da indústria de entretenimento, desde cedo conviveu com as artes. Sua primeira peça The Zoo Story foi escrita aos 30 anos.Edward Albee pertence à geração de pós-Guerra, do desengano, da revolta, que usa a sátira, a provocação e o insólito, como meios de defesa.

A brilhante carreira de Albee se estende por mais de trinta obras de teatro, de 1958 a 2007, criações e adaptações para teatro de novelas de grandes escritores norte-americanos, como Carlson McCullers, James Purdy, Truman Capote e do russo Vladimir Nabokov. O autor já recebeu três Prêmios Pulitzer e três Tony Awards.

Atualmente, o dramaturgo é presidente da Fundação Edward F. Albee, que mantém a William Flanagan Memorial Creative Pessoas Center (mais conhecido como “OCeleiro”), em Montauk, em Long Island, emNova York, como uma residência para escritores, pintores, escultores e compositores.
Principais peças.

The Zoo Story (1958),

The American Dream (1960),

Who’s Afraid of Virginia Woolf? (1961-62, Tony Award),

Tiny Alice (1964),

A Delicate Balance (1966, Pulitzer Prize; 1996, Tony Award),

All Over (1971),

Seascape (1974, Pulitzer Prize),

The Lady From Dubuque (1977-78),

The Man Who Had Three Arms (1981),

Finding The Sun (1982),

Marriage Play (1986-87),

Three Tall Women (1991, Pulitzer Prize),

Fragments (1993),

The Play About The Baby (1997),

The Goat, or Who Is Sylvia? (2000, 2002 Tony Award),

Occupant (2001),

Peter and Jerry: Act1, Homelife; Act 2, The Zoo Story (2004), and Me, Myself and I(2007).

Ficha Técnica:

Texto: Edward Albee

Tradução: Andres Santos Jr e José Paulo Fiks

Direção: Leonardo Medeiros

Elenco: (ordem alfabética) AlessandraNegrini, Carolina Manica, Edson Montenegro, Joaquim Lopes, Karin Rodrigues, Luciano Gatti, Patricia Pichamone e Sergio Guizé

Cenografia: Mira Andrade

Figurino: Verônica Julian

Iluminação: Beto Bruel

Trilha Composta: Lulu Camargo

Projeções: João Paulo Azevedo

Fotos: Carol Sachs

Assistente De Direção: Valentina Lattuada

Direção de Produção: Luque Daltrozo

Realização: Daltrozo Produções

Patrocínio cultural – Oi

Serviço:

Estreia: dia 29 de janeiro

Temporada de 29 de janeiro a 06 de março de 2011

Sextas e sábados, às 21h e domingos, às 18h.

Duração: 120 minutos

Indicação de faixa etária: 14 anos

SESC Pinheiros. Teatro Paulo Autran. Rua Paes Leme, 195.

Capacidade: 700 lugares

Ingressos: R$ 32,00 (inteira); R$ 16,00 (usuário matriculado no SESC e dependentes, maiores de 60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino).

Horário de funcionamento da unidade – Terças a sextas, das 13 às 22h. Sábados, domingos e feriados, das 10h às 19h horas.
Horário de funcionamento da Bilheteria: Terça a sexta das 10h às 21h30. Sábados das 10h às 21h30, domingos e feriados das 10h às 18h30.

Telefone para informações: (11) 3095-9400

Karin Rodrigues e Alessandra Negrini estreiam texto inédito de Albee

Da redação do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Inédita no Brasil, A Senhora de Dubuque, de Edward Albee (Quem Tem Medo de Virgínia Wolf?), estreia no Teatro Paulo Autran (SESC Pinheiros) neste sabado (29), 21h, com Karin Rodrigues (ausente dos palcos desde 2007, ano da morte do ator Paulo Autran, com quem era casada) e Alessandra Negrini no elenco. Quem assina a direção é o ator Leonardo Medeiros, há dez anos afastado da direção para dedicar-se à interpretação.

Com patrocínio cultural da Oi, A Senhora de Dubuque segue em cartaz até dia 06 de março. Escrita entre os anos de 1977 e 1978, Edward Albee retoma o questionamento das estruturas sólidas, dos conflitos familiares e entre os indivíduos, levando-nos à reflexão a respeito da consciência da morte e da existência.

“Com sua verve para o sarcasmo e seus conhecidos recursos de espelhamento e crueldade psicológica, Albee, sem que percebamos, vai encaminhando nossa expectativa de entretenimento em direção à angústia reflexiva. Com suprema delicadeza, nossos personagens da cotidiana realidade são transformados em vítimas de uma metáfora fantasiosa. Nossa montagem dessa pérola pouco conhecida da obra de Edward Albee trafegou durante todos os momentos nessa direção”, diz o diretor Leonardo Medeiros.

Indagado se a morte — temática recorrente em suas peças — é um mote para o teatro, Albee declarou em recente entrevista: “Só há duas coisas que realmente importam. Os dois grandes eventos na vida de qualquer pessoa são seu nascimento e sua morte. E então você escreve sobre esse parêntese, sobre tudo o que acontece nesse intervalo. Você não pode escrever sobre seu nascimento porque não se lembra dele. Mas pode escrever sobre a morte, porque obviamente não tem memórias dela, mas espera por isso. Há vários tipos de morte. Muitas das minhas peças são sobre pessoas que estão vivas, mas morreram emocional e intelectualmente muito tempo atrás. Você pode estar morto no íntimo e ainda vivo.”

A peça estreou em janeiro de 1980 no “Morosco Theatre”, na Broadway. Sua produção mais recente é a de Londres, de 2007, com direção de Alan Schneider e com Maggie Smith, Catherine McCormack e Chris Larkin no elenco.

Sinopse

Os anfitriões Jo e Sam reúnem-se no fim de semana com dois casais de amigos em uma casa. Ao final de um jogo de perguntas e adivinhações as relações se desintegram, as amizades são desfeitas e os rancores aparecem.

Na manhã seguinte, procurando juntar no tabuleiro os fragmentos da amizade, são surpreendidos pela chegada de Elizabeth, uma elegante e misteriosa senhora da cidade de Dubuque (interior dos EUA) e de seu acompanhante Oscar.

Edward Albee

Nasceu em 12 de Março de 1928 nos Estados Unidos. Filho adotivo de um casal de empresários da indústria de entretenimento, desde cedo conviveu com as artes. Sua primeira peça The Zoo Story foi escrita aos 30 anos.Edward Albee pertence à geração de pós-Guerra, do desengano, da revolta, que usa a sátira, a provocação e o insólito, como meios de defesa.

A brilhante carreira de Albee se estende por mais de trinta obras de teatro, de 1958 a 2007, criações e adaptações para teatro de novelas de grandes escritores norte-americanos, como Carlson McCullers, James Purdy, Truman Capote e do russo Vladimir Nabokov. O autor já recebeu três Prêmios Pulitzer e três Tony Awards.

Atualmente, o dramaturgo é presidente da Fundação Edward F. Albee, que mantém a William Flanagan Memorial Creative Pessoas Center (mais conhecido como “OCeleiro”), em Montauk, em Long Island, emNova York, como uma residência para escritores, pintores, escultores e compositores.
Principais peças.

The Zoo Story (1958),

The American Dream (1960),

Who’s Afraid of Virginia Woolf? (1961-62, Tony Award),

Tiny Alice (1964),

A Delicate Balance (1966, Pulitzer Prize; 1996, Tony Award),

All Over (1971),

Seascape (1974, Pulitzer Prize),

The Lady From Dubuque (1977-78),

The Man Who Had Three Arms (1981),

Finding The Sun (1982),

Marriage Play (1986-87),

Three Tall Women (1991, Pulitzer Prize),

Fragments (1993),

The Play About The Baby (1997),

The Goat, or Who Is Sylvia? (2000, 2002 Tony Award),

Occupant (2001),

Peter and Jerry: Act1, Homelife; Act 2, The Zoo Story (2004), and Me, Myself and I(2007).

Ficha Técnica:

Texto: Edward Albee

Tradução: Andres Santos Jr e José Paulo Fiks

Direção: Leonardo Medeiros

Elenco: (ordem alfabética) AlessandraNegrini, Carolina Manica, Edson Montenegro, Joaquim Lopes, Karin Rodrigues, Luciano Gatti, Patricia Pichamone e Sergio Guizé

Cenografia: Mira Andrade

Figurino: Verônica Julian

Iluminação: Beto Bruel

Trilha Composta: Lulu Camargo

Projeções: João Paulo Azevedo

Fotos: Carol Sachs

Assistente De Direção: Valentina Lattuada

Direção de Produção: Luque Daltrozo

Realização: Daltrozo Produções

Patrocínio cultural – Oi

Serviço:

Estreia: dia 29 de janeiro

Temporada de 29 de janeiro a 06 de março de 2011

Sextas e sábados, às 21h e domingos, às 18h.

Duração: 120 minutos

Indicação de faixa etária: 14 anos

SESC Pinheiros. Teatro Paulo Autran. Rua Paes Leme, 195.

Capacidade: 700 lugares

Ingressos: R$ 32,00 (inteira); R$ 16,00 (usuário matriculado no SESC e dependentes, maiores de 60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino).

Horário de funcionamento da unidade – Terças a sextas, das 13 às 22h. Sábados, domingos e feriados, das 10h às 19h horas.
Horário de funcionamento da Bilheteria: Terça a sexta das 10h às 21h30. Sábados das 10h às 21h30, domingos e feriados das 10h às 18h30.

Telefone para informações: (11) 3095-9400

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags:

Ver todas as notas

1 comentário para “Karin Rodrigues e Alessandra Negrini estreiam peça inédita no Brasil de Albee”

  1. […] This post was mentioned on Twitter by michel fernandes, Teatro de Breque. Teatro de Breque said: RT @aplausobrasil: No blog: Karin Rodrigues e Alessandra Negrini estreiam peça inédita no Brasil de Albee http://bit.ly/dGlvY3 […]

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo