Publicidade

Publicidade
31/01/2011 - 20:17

Filipe Catto fala com exclusividade ao Aplauso Brasil

Compartilhe: Twitter

Edson Júnior, colunista colaborador do Aplauso Brasil

Edson Júnior, especial para o Aplauso Brasil (edson@aplausobrasil.com)

O cantor Filipe Catto que se apresenta no próximo sábado (5) na 16º Mostra Prata da Casa no SESC Pompéia, juntamente com a cantora Juliana kehl,

O cantor Filipe Catto se apresenta na Choperia do SESC Pompéia

falou com o Aplauso Brasil sobre sua arte e seu oficio.

Confira entrevista exclusiva. O show, imperdível será um programa excelente para o sábado a noite.

Aplauso Brasil- Filipe, como você enverga a industria fonografica atual e qual a importância da Internet para o cantor ou músico na atualidade?

Felipe Catto – Na minha opinião, a indústria fonográfica está num momento de transição. Os antigos padrões estão sendo questionados, a maneira de divulgar a música está sendo repensada, os custos de produção são infinitamente menores do que há vinte anos atrás. A internet veio pra colocar todo mundo meio que no mesmo barco e deu as ferramentas pra gente se divulgar. É uma questão de empenho e de qualidade. Agora… é importante que a gente não associe o termo “Indústia” apenas às grandes gravadoras, mas também às intituições que compram shows, à curadoria de projetos públicos, a imprensa especializada… tudo isso isso hoje é indústria musical e tem o papel de colocar o artista na roda. A maioria dos meus colegas está muito mais interessado na aplicação da Rouanet, nos editais da Funarte e na agenda do Sesc do que com vender uma quantidade x de discos. O fato é que toda essa engrenagem hoje não tem mais recursos pra “inventar” um artista, então a indústria acaba absorvendo dentro do seu casting os que estão se dando melhor no meio independente.

AB – Qual a contribuição do EP SAGA na busca de sua própria sonoridade?

Felipe Catto – Fundamental. Gravar o SAGA foi colocar todos os bichos pra fora. Estas canções me ajudaram a me descobrir como intérprete… até mesmo intérprete da minha própria obra, o que é maravilhoso. Depois do SAGA eu entendi onde está o cerne do meu trabalho, que é minha voz, minha

Filipe Catto por Giovanni Paim

interpretação e o tesão de cantar músicas que falam à minha alma, acima de qualquer outra coisa.

AB – Foi preciso ir ao Brooklin (NY) para beber a musicalidade brasileira?

Felipe Catto – Foi necessário morar em Nova Iorque pra virar gente. Foi necessário morar lá pra trabalhar, dormir três horas por noite, viver uma rotina dura, morrer de saudades de casa e reencontrar dentro de mim uma certa propriedade de cantar samba, por exemplo. Eu sempre achei samba uma coisa muito diferente da minha realidade, mas depois do perrengue, a gente meio que entende melhor esse contraste da dor e da esperança que o Brasil tem e eu pude fazer isso sem me sentir um arremedo.

AB – Qual a dimensão da música latina na sua obra?

Felipe Catto – Ela tá lá inteira. Eu sou louco pela dramaticidade das canções latinas, acho que já virou parte da minha natureza.

AB – Qual a influência do rock na sua sonoridade?

Felipe Catto – Imensa. Maior do que as pessoas imaginam, porque eu não estou lá no palco com uma guitarra suja, mas eu sempre admirei a atitude do rock, a trangressão que ele representou e de certa forma eu tento trazer ele pro meu palco. O rock é uma questão de postura. Se o Mick Jaegger cantasse bolero, seria rock n´roll, entende? Amy canta soul e é rock n´roll, Maysa cantava fossa e era rock n´roll… e por aí vai.

AB – Você se define como um cantor de MPB?

Felipe Catto – Eu me defino como um cantor, só. E canto o que me dá tesão.

AB – Como é seu processo de criação?

Felipe Catto – Depende muito da situação, mas eu componho cantando, geralmente. Eu parto da melodia da voz, seja em cima de um texto que já está escrito ou de uma inspiração melódica sem letra, mesmo. Só depois disso que a música passa a ter acordes, arranjos e a criar corpo… mas não é uma regra. Algumas canções eu criei a partir do violão também.

Choperia Sesc Pompéia 05/02/2011

R$ 12,00

[inteira]

R$ 6,00

[usuário matriculado no SESC e dependentes, +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino]

R$ 3,00

[trabalhador no comércio e serviços matriculado no SESC e dependentes]

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Dança, Música e Cinema, Matérias Tags: , , , , ,

Ver todas as notas

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo