Publicidade

Publicidade

Arquivo de fevereiro 3rd, 2011

03/02/2011 - 21:28

“Recordar é Viver” é inesquecível

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias, colunista e crítica teatral do Aplauso Brasil

Maria Lúcia Candeias, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Quem ler o programa da peça Recordar é Viver talvez até hesite em assistir, pois parece que o brilhante autor, Hélio Sussekind, classifica os personagens que protagonizam a história como muito problemáticos –

Suely Franco e Sérgio Britto

pai doente e mãe com síndrome do pânico –, mas não é bem assim. Qualquer pessoa que sentar na platéia vai rolar de rir e certamente verá um maravilhoso retrato de sua própria família.

A intimidade que se tem em qualquer clã que cresceu junto é pouco igualável fora deste âmbito e, mesmo que resulte num enorme afeto, este será tão acompanhado pela total falta de cerimônia, a ponto de que, quem vê de fora, julgar como muito pouco respeito mútuo. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags:
03/02/2011 - 13:54

A minha despedida a Nildo Parente

Compartilhe: Twitter
Luís Francisco Wasilewski, colunista e crítico teatral do Aplauso Brasil

Luís Francisco Wasilewski, colunista e crítico teatral do Aplauso Brasil

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

Como diria Caio Fernando Abreu “A vida é uma tecelã imprevisível”. Pois isso aconteceu esta semana. Eu terminei a leitura da excelente biografia de Rubens Corrêa, Um Salto Para Dentro da Luz, escrita por Sérgio Fonta e publicada pela Coleção Aplauso, no dia em que perdemos Nildo Parente.

Nildo foi personagem fundamental na trajetória de Rubens e do Teatro Ipanema. Participou da célebre encenação de Hoje é dia de Rock, de José Vicente, um dos grandes momentos do

O ator Nildo Parente em seu derradeiro trabalho no teatro: "Medida por Medida"

teatro brasileiro na década de 1970. Isso sem falar de outras montagens no grupo, onde Nildo estava ao lado daquela trindade mágica que tanto fez pelo teatro carioca: Rubens, Ivan de Albuquerque e Leyla Ribeiro.

Vi Nildo no palco apenas duas vezes. A Primeira foi em O Marido Ideal, onde ele fazia uma dupla magnífica com Jacqueline Laurence. Depois, já debilitado pela doença o assisti em Medida por Medida, sob a direção de Gilberto Gawronski. Nildo mesmo doente, fazia questão de participar do espetáculo, uma prova irrefutável de seu amor pelo palco. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores Tags: , , , ,
Voltar ao topo