Publicidade

Publicidade
28/04/2011 - 20:31

Continuando um curioso passeio pelo grotesco

Compartilhe: Twitter

Afonso Gentil, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Elenco do 2º Festival do Teatro Grotesco

Dentro do objetivo de sondar o grotesco em suas diferentes formas de manifestação, dependendo do olhar de cada dramaturgo sobre o tema, Antonio Rocco acertou na escolha dos autores (todos da cena paulistana),  no diretor que o acompanha, no elenco de muito bom nível , que se desdobra camaleonicamente  a cada noite e  também na equipe de apoio técnico-artístico. Despertando, pois,  em todos que estão  freqüentando  esse  Festival do Grotesco, no N.Ex.T.,  a vontade que  ele prossiga,  ampliando-se  ainda mais, a cada ano.

Comentados, anteriormente, os textos de Otávio Frias Filho (A Emancipação da Mulher…) e de Chico de Assis (O Ovo e a Galinha), vamos às seguintes, na ordem que as vimos, Boi da Cara Preta, de Sérgio Roveri, e Atirei no Dramaturgo, de Mário Viana.

TAMBÉM TEMOS ESTRANHOS BEBÊS

Perfeitamente sintonizado com os princípios característicos do que seja grotesco segundo o Dicionário Aurélio (ridículo, que se presta ao escárnio; individuo grotesco, moda grotesca), o autor de Boi da Cara Preta, o premiado Sérgio Roveri capitaneia esse singular festival idealizado por Antonio Rocco em seu descolado espaço cênico-recreativo (teatro e bar).

Flagrando um momento de aconchego familiar de um jovem casal , em torno do carrinho (colocado de perfil) do filhinho querido, Nenezinho,motivo de alegria para os pais “corujas”, eis que sinais de fome e ansiedade  se sucedem, amedrontadoramente, vindos do bebê , criando discordâncias nos pais, cada qual com sua visão de apaziguá-lo. A situação está se tornando insuportável. A avó da criança chega para por mais lenha na fogueira!

Marco Loureiro conduz com bem dosado humor negro essa pequena (35 rápidos minutos) obra-prima do  horror causado pelo grotesco inserido no cotidiano familiar. O autor caminha na contra-corrente dos seus parceiros deste Festival, mais voltados à crítica dos costumes  e ao absurdo que brota avassalador, das pessoas e das situações aparentemente mais corriqueiras.

Sérgio Roveri mantém com maestria o suspense do inusitado do momento cênico, no que é bem acompanhado pelo elenco (Jacqueline Obrigon, Luciana Caruso e Marcos Gomes) e até pelos efeitos sonoros.

Roman Polanski já não é o único: também temos um bebê maroto!

"Atirei no Dramaturgo", de Mário Viana

CRIATURAS GROTESCAS ATACAM NA MADRUGADA

O prolífero comediógrafo Mário Viana, sempre em cartaz na cena paulistana, incursiona pelo submundo da cidade grande, onde a droga, aliada à ignorância, à miséria moral e uma violência latente , cria o temor generalizado ao adolescente-pária das ruas.

Inspirado no episódio sangrento que envolveu nosso mais inquieto  autor da Praça Roosevelt, Mário Bortoloto, numa madrugada na própria praça, Mário Viana  capta o processo alucinatório que  acomete os  dois meliantes juvenis, num retrato cru, ridículo mesmo, pelo instantâneo  surreal  da procura da solução entre ambos para burlar a polícia, que todos sabem demora, mas chega!

Celso Melez e Mário Mathias  dominam o palco em crispantes  atuações, sacramentadas pelo pragmatismo da 3ª. personagem ( Fania  Espinosa). A direção de Marco Loureiro consegue manter a urgência da ação em todos os 35 minutos da narrativa.

A realidade colocou um final feliz nessa semi-ficção: Mário Bortoloto, tão querido (quando não temido pela língua afiada)  por todos nós está  por aí (leia-se pelos palcos), bem vivo e bem atento !

ET:  proximamente, as 2 últimas peças do Festival: “A Feia, a Bonitinha e a Inteligente” e “Telefone Público”, da dupla  Alexandre Machado  Fernanda Young  e  Antonio Rocco, respectivamente.

O CRÍTICO AFONSO GENTIL INVERTEU SEUS ARTIGOS AO ENVIAR AO SITE E O ÚLTIMO SAIU ANTES QUE ESTE, O SEGUNDO DA SÉRIE.

LEIA TAMBÉM:

Terminando o passeio pelo grotesco do N.Ex.T

Um curioso passeio pelo grotesco no Teatro N.Ex.T.

SERVIÇO: Teatro N.Ex.T. / Rua Rego Freita s, 454, Metrô República / fone 3259-9636 – 5as, 6as. e sábados, 21h30, 2 peças por noite, 70 minutos sem intervalo/Ingressos R$ 30,00 /Censura 18 anos /Estacionamento convencionado / Acesso Universal

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , ,

Ver todas as notas

2 comentários para “Continuando um curioso passeio pelo grotesco”

  1. Mario Viana disse:

    Reconheço o meu protesto precipitado e cumprimento o Afonso Gentil.
    Valeu.

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo