Publicidade

Publicidade

Arquivo de maio 3rd, 2011

03/05/2011 - 17:06

Artesão das palavras faladas

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Elias Andreato em seu premiado solo, "Doido"

Em seu último espetáculo solo, Doido, Elias Andreato também deu o foco às palavras, interpretando de manifestos de Antonin Artaud (artista francês, pensador e realizador de teatro) a poemas de Fernando Pessoa (poeta lusitano) e materializou o sonho de todo ator: comunicar-se com sua plateia, não de maneira qualquer, mas estabelecendo uma intimidade somente possível  nesse modelo artístico.

Artesão das palavras faladas, o ator Elias Andreato segue firme o curso da lapidação do verbo que deságua da boca com naturalidade peculiar. Recupera, uma parcela, da tradição oral que anda meio esmagada pela ditadura das imagens.

LEIA TAMBÉM

Um Édipo enxuto chega hoje ao Teatro Eva Herz

ÉDIPO

Teatro Eva Herz (166 lugares)

Avenida Paulista, 2.073 – Livraria Cultura / Conjunto Nacional

Informações:             (11) 3170-4059       – www.teatroevaherz.com.br

Bilheteria: Terça a sábado, das 14h às 21h. Domingo, das 12h às 19h. Em feriado, sujeito à alteração. Aceita todos os cartões de crédito. Não aceita cheque.

Vendas pela internet: www.ingresso.com

Vendas por telefone: 4003-2330

Terças, às 21h

Ingressos: R$ 40

Duração: 70 minutos

Classificação Etária: 14 anos

Estreia dia 03 de maio

Temporada: até 21 de junho

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Matérias Tags: , ,
03/05/2011 - 16:53

Um Édipo enxuto chega hoje ao Teatro Eva Herz

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (Michel@aplausobrasil.com)

Eucir de Souza é Édipo (na foto Tânia Bodenzan e Claudio Fontana

Primogênito dos suspenses policiais, Édipo Rei, tragédia grega de Sófocles, escrita há quase dois mil e quinhentos anos exerce fascínio desde tempos imemoriais. Freud, valeu-se do mito grego – o filho que mata o pai e desposa a mãe – para conceber o “Complexo de Édipo”, um dos alicerces da teoria da psicanálise, revolução que marca a virada do século 19 para o 20.

“A diferença entre um suspense policial e a tragédia de Sófocles (‘Édipo Rei’) é que nesta você sabe o final e você fica tentando imaginar como os personagens vão reagir. Essa descoberta que acho fabulosa”, afirma Elias Andreato quem assina a adaptação, Édipo, e direção da montagem que estréia na terça-feira (3), 21h, no simpático Teatro Eva Herz, na Livraria Cultura.

Bastante enxuta -7 atores apenas (Eucir de Souza, Tânia Bondezan, Elias Andreato, Romis Ferreira, Daniel Maia e Clóvis Tôrres), sendo um deles, o ator Nilton Bicudo, representante do coro de cidadãos tebanos – e direta – sem cenários grandiosos e a opção por figurinos básicos e neutros –, Édipo fez sua estreia nacional no início de abril, durante o vigésimo Festival de Curitiba.

A concepção de Andreato, intérprete de Tirésias e que conta com a assistência de direção de André Acioli, deixa clara a equação em que o entendimento do que se fala e o cuidado em emitir claramente as palavras resulta na vocação popular da tradição oral. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags:
Voltar ao topo