Publicidade

Publicidade
09/09/2011 - 14:51

Ajuste de contas entre mãe e filho em Conversando com Mamãe

Compartilhe: Twitter

Mauricio Mellone* (aplauso@gmail.com)

Beatriz Segall e Herson Capri vivem mãe e filho em "Conversando Com Mamãe"

Beatriz Segall e Herson Capri vivem mãe e filho em peça do argentino Santiago Carlos Oves, com direção de Susana Garcia. O espetáculo fica em cartaz até dezembro no Teatro Folha

Sempre se fala que nós brasileiros olhamos pouco para nossos vizinhos da América do Sul. No entanto, cada vez mais produções culturais dos países vizinhos chegam até nós e, invariavelmente, fazem muito sucesso. Filmes da Argentina e do Uruguai já são bem conhecidos dos brasileiros. E agora o teatro desses países também começa a ser encenado por aqui. É o caso de Conversando com Mamãe, peça do argentino Santiago Carlos Oves, que a diretora Susana Garcia tomou conhecimento primeiramente na versão cinematográfica e resolveu montá-la no Brasil. Com a versão do dramaturgo espanhol Jordí Galcerán e tradução de Pedro Freire, a peça chega a São Paulo (em cartaz no Teatro Folha até dezembro) depois de temporada de êxito entre os cariocas, com atuação brilhante de Beatriz Segall e Herson Capri.

Como uma mãe reage ao pedido do filho que quer vender o apartamento onde ela vive para resolver suas dificuldades financeiras? Esse é o mote inicial de Conversando com Mamãe, mas a trama proposta pelo autor é mais profunda. Em função da crise emocional e profissional em que se encontra — acaba de perder o emprego e seu casamento não anda bem das pernas — Jaime vê como solução de seus problemas a venda do apartamento em que sua mãe vive.

No entanto, com a sabedoria que a vida lhe deu, a mãe nem ao menos cogita na possibilidade de deixar o apartamento; sabe que o problema do filho é a falta de amor em sua vida (sem subterfúgio, ela pergunta se o filho faz sexo com a mulher e ele não tem como negar: há muito tempo eles não se amam!).

Beatriz Segall e Herson Capri vivem mãe e filho em "Conversando Com Mamãe"

Aos poucos, um encontro que deveria ser formal e frio, se transforma: mesmo que seja no final da vida da mãe, eles conseguem romper a barreira que os separavam e passam a se conhecer de verdade. Jaime fica sabendo que o casamento dos pais não era um mar de rosas (a vizinha era amante do pai) e que a mãe, há dois anos tem um namorado.

Com sutileza, a mãe ensina ao filho que mais do que valores materiais, o afeto e o amor é que fazem a diferença nessa vida. Bem articulado, o texto traz surpresas e nuances que fazem com que o público se identifique de imediato com os personagens.

Desbocada desde o início, a mãe, em composição primorosa de Beatriz Segall, mostra como é possível a transformação íntima: “Essa mãe foi muito simplória e entregue ao marido, mas evoluiu e se tornou independente; embora não seja culta, é observadora. Na conversa entre eles, ambos têm personalidade forte, se amam, brigam, mas conseguem se entender”, explica a atriz.

Por sua vez, Jaime, a partir da conversa com a mãe, revê seus valores e dá uma guinada de 360º na vida. Emocionante a transformação do personagem!

Destaque ainda para o figurino de Kalma Murtinho (as roupas com que os personagens se apresentam de um ato para o outro contribuem para o desenlace da trama), o cenário de Marcos Flaksman e a iluminação de Paulo César Medeiros.

Roteiro:
Conversando com Mamãe
. Texto: Santiago Carlos Oves. Versão teatral: Jordi Galceran. Tradução: Pedro Freire. Direção: Susana Garcia. Elenco: Beatriz Segall e Herson Capri. Figurino: Kalma Murtinho. Cenário: Marcos Flaksman. Iluminação: Paulo César Medeiros. Trilha Sonora Original: Alexandre Elias. Fotos: Paula Kossatz. Realização: Chaim Produções e Capri Produções

Serviço:Teatro Folha (305 lugares), Shopping Pátio Higienópolis- Av.Higienópolis, 618.Informações: 3823.2323. Sextas às 21h30. Sábado às 20h e 22h. Domingo às 19h30. Ingressos: Sexta R$ 50 e R$ 60. Sábado e Domingo R$ 60 e R$ 70. Duração: 80 minutos. Recomendação: 12 anos. Bilheteria: de terça a quinta, das 15h às 21h; sexta das 13h às 24h; sábado, das 12h às 24h e domingo das 12h às 20h. Clube Folha 25% de desconto. Aceita cartões de débito e crédito: Visa, Máster e Amex. Não aceita cheque. Estacionamento R$ 8, por duas horas. Acesso para deficiente. Vendas: 3823.2737 e www.conteudoteatral.com.br/teatrofolha.
Temporada: até 18 de dezembro.

Maurício Mellone, para o site Favo do Mellone

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores Tags: , , , , , , ,

Ver todas as notas

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo