Publicidade

Publicidade

Arquivo de novembro, 2011

30/11/2011 - 20:28

O Grande Inquisidor agora no SESC Pompeia

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

"O Grande Inquisidor" - crédito Águeda Amaral

SÃO PAULO – Sucesso de público e crítica, o espetáculo O Grande Inquisidor tem adaptação e direção de Rubens Rusche, cenografia e figurinos de Sylvia Moreira e traz à cena o ator Celso Frateschi. A montagem está de volta, dessa vez no SESC Pompeia.

“Recentemente, encenadores, como Patrice Chéreau e Peter Brook, entre outros, realizaram versões teatrais da obra com grande sucesso. O que nos inspira montar esse texto nos dias de hoje é sua pertinência poética e a contundência das questões que ele concretiza para o homem e para a sociedade do início do século 21. Talvez esta seja a sua contribuição para o teatro”, diz Celso Frateschi.

Sobre a construção de seu personagem, Frateschi detalha: “Busco a complexidade de suas relações e suas múltiplas possibilidades, para depois sintetizar, em ações essenciais, signos poéticos que possam estimular o prazer e a reflexão da plateia. O nosso Grande Inquisidor, feliz e infelizmente, é aquilo que está em cada um de nós e que, se ainda nos resta alguma esperança, repudiamos. É mais fácil vê-lo nos outros do que em nós mesmos, mas ele está em cada um de nós, passiva ou ativamente. Essa é a grande provocação de Dostoievski”. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags: , , , , , ,
30/11/2011 - 18:34

Rua Augusta inspira espetáculo de dança

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

"Na Infinita Solidão..." - Foto Henk Nieman

SÃO PAULO – Bares, casas noturnas, comerciantes, lojistas e transeuntes. Gays, punks, emos, cross dresser, drag king, drag queen, lésbicas, piriguetes, garotas de programas, travestis, indies, roqueiros, jovens, velhos, ricos e pobres. Cada um sua linguagem corporal própria, seu movimento, seu estilo. E todos se encontram na Rua Augusta, emblema máximo da diversidade em São Paulo. E tal diversidade é a inspiração de Na Infinita Solidão Dessa Hora e Desse Lugar é o novo espetáculo da Cia. Corpos Nômades, cuja estreia será nesta sexta-feira (2), no Espaço Cênico O LUGAR, situado na Rua Augusta, 325. O espetáculo, que conta com a 10ª Edição do Programa Municipal de Fomento à Dança para a Cidade de São Paulo, fica em cartaz até o dia 18 de dezembro de 2011.

Com direção geral de João Andreazzi, o espetáculo se inspira no ambiente da Rua Augusta, situada na parte central da cidade de São Paulo, e nos personagens típicos dessa região, para criar movimentos que compõem as coreografias. Acompanham nessa empreitada cênica os textos de Bernard-Marie Koltès e a assessoria vocal de Madalena Bernardes. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Dança, Música e Cinema Tags:
30/11/2011 - 17:17

Chegou a vez de Porto Alegre recepcionar o Théâtre Du Soleil

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial  para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

Na foto: Andreas Simma, Pauline Poignand, Astrid Grant, Vincent Mangado, Ana Amélia Dosse, Serge Nicolaï, Armand Saribekyan, Sylvain Jailloux, Vijayan Panikaveettil - foto de Michèle Laurent

PORTO ALEGRE – Há exatos quatro anos o Théâtre du Soleil encantou o público gaúcho com as apresentações do espetáculo Os Efêmeros (Les Éphémères), durante o 14º Porto Alegre em Cena. Na ocasião, foi construída uma réplica da Cartoucherie, sede oficial do grupo em Paris, no bairro Humaitá, em Porto Alegre. Agora, Ariane Mnouchkine volta ao sul do Brasil para apresentar Os Náufragos da Louca Esperança (Les naufragés du Fol Espoir), de 6 a 11 de dezembro, na Cidade de Canoas, no Rio Grande do Sul.

Os Náufragos da Louca Esperança (Les naufragés du Fol Espoir) é uma criação coletiva do Théâtre du Soleil, escrita em parceria com Hélène Cixous a partir de ideia e encenação de Ariane Mnouchkine. A história é livremente inspirada num romance póstumo de Júlio Verne. Rio de Janeiro e São Paulo assistiram ao espetáculo, nos meses de outubro e novembro.

No Rio Grande do Sul, a peça cumpre temporada de 6 a 11 de dezembro no Parque Eduardo Gomes, em Canoas. Os ingressos para estas apresentações começaram a ser vendidos no dia 28 de novembro, às 9h, pelo site www.ingressorapido.com.br e pontos de venda desta empresa (serviço abaixo). Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags: , , , ,
30/11/2011 - 11:49

As Mulheres Pessegueiro de Patsy Cecato

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

Elenco de "Mulheres Pessegueiro" - foto de Marcelo Nunes

PORTO ALEGRE – Você tem até o próximo domingo (4) para assistir Mulheres Pessegueiro, no Teatro Bruno Kiefer da Casa de Cultura Mario Quintana, o mais recente texto dramático de Patsy Cecato, uma tragicomédia que aborda o universo feminino, traço característico da autora.

Patsy é autora de Hotel Rosa Flor e foi uma das autoras de Se Meu Ponto G Falasse, um dos maiores sucessos da história do teatro gaúcho.

Desta vez, a escritora decidiu focar sua peça em um núcleo familiar composto apenas por mulheres. Ela retrata a vida de quatro mulheres da família Pessegueiro. Todas vivem da pensão do exército deixada pelos seus provedores masculinos. As diferenças de personalidade das quatro e a forma como se relacionam é o mote da peça.

No elenco estão Catharina Conte (Manuela Pessegueiro), Áurea Baptista (Betina Pessegueiro), Laura Medina (Maria Lúcia Pessegueiro) e Lourdes Kauffmann (Ione Pessegueiro). A direção é da autora.

Serviço: Mulheres Pessegueiro – Até domingo (4). Sextas e sábados às 21h e domingos às 20h. ONDE: Teatro Bruno Kiefer – Casa de Cultura Mário Quintana (Rua dos Andradas, nº 736 – 6º andar 51-3221.7147) INGRESSO:R$ 25,00.R$ 12,50 para idosos e estudantes

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Notas e Oportunidades Tags: , , , , ,
30/11/2011 - 09:58

Aline Muniz lança Onde Tudo Faz Sentido

Compartilhe: Twitter

Redação do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

A cantora Aline Muniz lança segundo CD

SÃO PAULO – Onde Tudo Faz Sentido, segundo trabalho em estúdio da jovem e talentosa Aline Muniz (filha da atriz Angelina Muniz), será lançado nesta quinta-feira (1º), 21h, no palco do Teatro do Shopping Frei Caneca.

Romântica, Aline sofisticou o repertório com a participação de músicos como Benny Rietveld (baixista do Santana), Robert de Pietro (baterista de Norah Jones) e Etienne Stadwijk (tecladista de Richard Bonna).

Neste trabalho Aline transita entre regravações – como Bloco do Prazer, Deixa Chover e Mensagem de Amor -. arrisca composições e dá vida a sonoridade de Marco Vita, principal compositor do álbum.

Onde Tudo Faz Sentido

Quinta-feira (1º), 201h. Teatro do Shopping Frei Caneca às 21h. Rua: Frei Caneca, 569, 6º andar – Consolação. Tel. (11) 3472-2229. 600 lugares. Ingresso: R$ 15.

Estacionamento. (7R$ para 3h mais adicional).

Autor: - Categoria(s): Dança, Música e Cinema, Notas e Oportunidades Tags: ,
28/11/2011 - 23:35

Cabaré Stravaganza é instigante experiência sensorial

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (Michel@aplausobrasil.com)

Elenco de "Cabaré Stravaganza"

SÃO PAULO – No que diz respeito às experimentações cênicas de grupos consolidados em sua carreira, mas de inquieta investigação de novas formas de se comunicar com seu velho e conhecido público, o Cabaré Stravaganza, d’ Os Satyros, é um dos mais instigantes espetáculos em cartaz por apresentar uma linguagem híbrida – utilizando interpretação performática, dança, artes plásticas-visuais, tecnologia e palavras, cuja verve poético-musical cinde-se com a música – o que dá ao espectador papel de co-criador dessa instigante experiência sensorial.

Sem um enredo calcado na fábula tradicional, o espetáculo não pode ser descrito em sua história, mas, também, não podemos considerá-lo como fruto de dramaturgia fragmentária da qual se vangloriam os pós-qualquer-coisa.

Cabaré Stravaganza funciona como uma sinfonia multidisciplinar com variações sobre um mesmo tema, sendo o tema o universo tecnológico, a cada segundo mais avançado, e as “variações”, as formas como o ser humano se relaciona com ele.

O espetáculo provoca um auto-questionamento que nos segue dias depois, já fora da realidade fictícia do qual o espaço teatral é cúmplice.

O ator Robson Catalunha

Aliás, o limite entre ficção e verdade é um dos vetores da interpretação do elenco, em que a história biográfica de atores como Robson Catalunha é tratada com tal naturalidade que nos deixa  na eterna dúvida a respeito do sobrenome dele, motivo sobre o qual gira boa parte do seu discurso.  O ator cria uma intimidade surpreendente com o público e nos faz refletir sobre as diversas realidades presentes em uma só pessoa. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Críticas Tags: , , , , ,
28/11/2011 - 17:50

Companhia de danças da Bielorrússia se apresenta em São Paulo

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

Cia. apresenta danças folclóricas da Bielorússia

SÃO PAULO – Com mais de 50 anos de trajetória artística, a Companhia de Danças da Bielorússia se apresenta na capital paulistana (dias 3 e 4 no Memorial da América Latina) e em Jaguariúna, na próxima segunda-feira (5).

O espetáculo é dedicado ao folclore russo e eslavo, e é dividido em dois atos. Apresentam-se com trajes típicos onze casais de dançarinos e um conjunto musical, formado por instrumentos musicais como o acordeon e o tsimbal, com suas impressionantes 78 cordas.

Dirigida por Valentin Dudkevich, mestre em balé, hoje a Companhia de Danças da Bielorrússia conta com mais de 120 artistas, entre bailarinos e músicos, o que a permite manter dois grupos em turnês simultâneas.

O repertório também é vasto: são mais de 50 obras, combinadas em diversos programas, que vão desde o mais tradicional folclore bielorrusso à danças típicas de povos que imigraram para aquele país. Já a cenografia faz referência à vida nos povoados e aos trabalhos no campo, evocados por festas dedicadas ao plantio e à colheita. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags: , , , , , ,
28/11/2011 - 16:20

Oportunidades para atores em São Paulo

Compartilhe: Twitter

Redação do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"Gasparzinho, o Fantasminha Atrapalhado"

SÃO PAULO – Atenção atores e atrizes que desejarem estar no elenco das futuras produções da Troupe Teatral Paulistana, Milton Merlucci e Cristina Machado,

coordenadores responsáveis pelo grupo, pedem que os interessados entrem em contato via e-mail (troupeteatralpaulistana@ig.com.br , troupeteatralpaulistana@hotmail.com, m.cristinamachado27@hotmail.com, mariacristinamachaado450@gmail.com) ou telefone (11 – 2819-9130 – 11 6364-0554 – 11 8459-3020).

Para conhecer melhor o grupo CLIQUE AQUI.

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags:
25/11/2011 - 23:14

Em seu quarto Nelson Rodrigues, Grupo Gattu provoca amor à primeira visita

Compartilhe: Twitter

Afonso Gentil, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Grupo Gattu encena "A Serpente" sob direção de Eloísa Vitz

SÃO PAULO – Com 10 anos de intensas atividades, desde sempre sob a direção da culta e talentosa Eloisa Vitz,  mestra na arte paradoxal de mesclar cartesianismo  e os devaneios da paixão, o Grupo Gattu (sobrinho involuntário do tiozão  TAPA) comemora sua 11ª encenação (a quarta de textos rodriguianos com A Serpente).

Com bom conceito por parte de um setor da crítica (o mais antenado) e de um público fiel (ainda reduzido, como nos tempos heróicos do TAPA ), a jovem diretora e sua numerosa e  empenhada equipe não conseguem esconder a perplexidade. Motivo: a “classe teatral” teima em se manter alheia aos belos frutos da rotina de 30 horas semanais de preparo das técnicas teatrais a que o conjunto se impôs nesse tempo todo de caminhada.

Para enfrentar os desafios da modernidade de encenação de um texto, o Grupo continua dedicando-se  às técnicas corporais, da dança, da voz, do canto, da música, das artes plásticas e agora, para A Serpente,  também da yôga e da circense corda bamba .

Fica, então, a critério de cada um do meio teatral aliviar essa constrangedora situação, alimentada, talvez, pela serpente do ciúme para com os  eleitos das musas.

A Serpente causa taquicardia e vertigens Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , ,
25/11/2011 - 22:31

Com direção de Jonas Bloch, Três Homens Baixos volta a ser encenada agora com Francisco Cuoco

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone* (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"Três Homens Baixos" - foto de Paula Kossatz

Peça de Rodrigo Murat volta a ser encenada agora com Francisco Cuoco, Anselmo Vasconcellos e Orlando Vieira e com cenário de Renato Scripilliti

SÃO PAULO – Em 2001 o espetáculo de Rodrigo Murat era estrelado por Rogério Cardoso, Flávio Galvão e Jonas Bloch, que desta vez assina a direção. Francisco Cuoco, Anselmo Vasconcelos e Orlando Vieira vivem nessa nova montagem os três amigos de infância que se encontram periodicamente na mesa de um bar. A comédia Três Homens Baixos foi criada para brincar com outra peça,Três Mulheres Altas, do dramaturgo norte-americano Edward Albee, encenada no Brasil em 1995 por Beatriz Segall, Nathalia Timberg e Marisa Orth. Ao contrário de Albee, Murat fez uma comédia rasgada, localizada no bar, local ideal para se jogar conversa fora e também para confissões íntimas; ele brinca com temas tabus para o universo masculino, como a impotência, a infidelidade e a homossexualidade. O espetáculo estreou no Teatro Jaraguá e fica em cartaz até 18 de dezembro.

Os três amigos, o professor Ciro (Cuoco), o banqueiro de jogo do bicho Samuca (Anselmo) e o publicitário Titi (Orlando que também é o responsável pela produção da peça), sempre se encontram no mesmo bar e da mesma forma, cantando marchinhas picantes que entoavam na infância.

Logo se vê que esses encontros acontecem de tempos em tempos e a cada vez eles fazem uma recapitulação de suas últimas experiências. Como acontece na vida real, depois do segundo copo há mais descontração e as intimidades se afloram. Samuca é rato de academia, esconde como pode a idade e se vangloria de suas conquistas com as mulheres, principalmente as mais novinhas. Titi, um publicitário bem-sucedido, conta que se divorciou e assume-se gay, para espanto do bicheiro.

Já o professor, tímido e um tanto mão de vaca, não resiste e confessa ter problemas de ereção. Pronto, com ironia, tabus do universo masculino são postos à mesa e os três amigos são obrigados a lidar com temas bem delicados, como impotência, homossexualidade e infidelidade no casamento (o garanhão sabe ao ficar viúvo que a mulher tinha amantes). Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags:
Voltar ao topo