Publicidade

Publicidade

Arquivo de novembro 23rd, 2011

23/11/2011 - 23:37

Gabriel Villela: Mais de vinte anos de carreira, mais de vinte prêmios!!!

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias*, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Walderez de Barros protagoniza "Hécuba"

SÃO PAULO – É o caso de Gabriel Villela. A maioria das premiações referentes as suas, em geral, brilhantes encenações, como essa atual Hécuba, de Eurípedes, em cartaz no Teatro Vivo, além dos incontáveis prêmios como figurinista e, também, cenógrafo. Essa amplitude de conhecimento talvez explique os fantásticos acertos dessa extraordinária tragédia grega, do século V a.c., que sob seu comando enche os olhos, ouvidos e o coração.

Pessoas mais tocadas por essa experiência, como eu, provavelmente terão momentos em que julgam estar diante de um coro grego original.  Vários motivos: coro extremamente afinado. Canções desconhecidas e bonitas, em língua diferente, mérito também de Babaya e Ernani Maletta. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , ,
23/11/2011 - 21:09

Anunciadas vendas de ingressos para o Théâtre du Soleil no RS

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

Na foto: Juliana Carneiro da Cunha, Maurice Durozier – foto de Michèle Laurent

PORTO ALEGRE – O Théâtre du Soleil vem ao Rio Grande do Sul (RS) em dezembro e tem as suas apresentações  marcadas na cidade de Canoas, no Parque Eduardo Gomes.  O início da venda de ingressos já tem data: dia 28 de novembro (domingo próximo), às 13h.

A trupe francesa depois do êxito de suas apresentações em São Paulo e Rio de Janeiro, chega ao Rio Grande Do Sul para as apresentações do espetáculo Os Náufragos da Louca Esperança (Les Naufragés du Fol Espoir), última produção do Théâtre du Soleil, um dos maiores grupos de teatro da atualidade, dirigido por Ariane Mnouchkine.

As apresentações acontecerão no Parque Eduardo Gomes, na cidade de Canoas, de 6 a 11 de dezembro, às 19h. Os ingressos custam R$ 100 e serão oferecidos todos os descontos oferecidos pela organização do 18º Porto Alegre em Cena. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias, Multimídia Tags: , , , , , , , ,
23/11/2011 - 16:31

Maria Bethânia homenageia Chico Buarque de Holanda no Circuito Cultural Banco do Brasil

Compartilhe: Twitter

Edson Júnior,  especial para o Aplauso Brasil (Edson@aplausobrasil.com)

SÃO PAULO – Maria Bethânia homenageou na noite de ontem um de seus letristas prediletos: Chico Buarque de Holanda em um projeto especial , o Circuito Cultural Banco do Brasil, na casa de espetáculos Via Funchal.

A cantora que nos anos 1980 se intitulou como a melhor interprete de Buarque –  e teve sua afirmação corroborada pelo compositor -, trouxe à cena um recorte da obra  entre os anos 1960 e 1980 que povoou  e ampliou o universo  das artes em nosso país.

Sim, pois a criação de Chico vai além da música e ocupa o cinema, ballet e teatro , como bem lembrado  através de um fragmento da peça Gota D’Água , em que Bethânia vive Joana, a vingativa Medeia tropical, e emenda, ferida, a canção que dá título à peça de 1974.

De Calabar- o elogio da traição (1973), escrito em parceria com Ruy Guerra, Bethânia interpretou Não existe pecado ao sul do equador, Tire as mãos de mim, Cala a Boca Bárbara, Tatuagem. Do símbolo de resistência contra a ditadura escrito em 1967, Roda Viva, estiveram no repertório Sem Fantasia e a canção que dá título ao espetáculo.

Em 1974, intérprete e compositor estiveram juntos no palco do Canecão, no espetáculo Chico Buarque e Maria Bethânia (registrado pela gravadora Philips no ano seguinte). Deste show, Olê, Olá, Quem te viu, quem te vê, Noite dos Mascarados, foram inclusos e renderam os melhores momentos da apresentação marcada por saudosismo e pelo resgate histórico de clássicos do cancioneiro popular.

Bethânia compôs um repertório para além da criação individual, destacando os principais parceiros, como Ruy Guerra em Sonho impossível (versão de Impossible Dream) e Vinicius de Moraes em Gente Humilde, que pareceu tão triste e solitária, numa interpretação- lamento, de uma realidade social ainda desigual e pouco diferente desde sempre. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Dança, Música e Cinema Tags: , , , , , ,
Voltar ao topo