Publicidade

Publicidade

Arquivo de dezembro 20th, 2011

20/12/2011 - 23:15

Chris Aizner e Fábio Namatame firmam marca de qualidade

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (Michel@aplausobrasil.com)

Claudia Raia canta "Mein Herr" em "Cabaret"

SÃO PAULO – Talvez soe estranho o título deste artigo. Chris Aizner, jovem e proeminente cenógrafo, surgiu há pouco na cena paulistana, mas Fábio Namatame é um dos figurinistas mais respeitados, premiados e requisitados de todo o Brasil. Entretanto, o feliz acaso fez com que  o nome de ambos se cruzassem em O Libertino, de Erich-Emmanuel Schmitt, sob direção de Jô Soares, e Cabaret, de Joe Masteroff, sob direção de José Possi Neto.

Em O Libertino, Aizner e Namatame criaram cenário e figurinos tão simples quanto a concepção dada por Jô no espetáculo. Mais preocupado com a encenação que evidenciasse o texto, do que alçar vôos em busca de uma dramaturgia da cena, o diretor foi seguido com inteligência pelo cenógrafo e pelo figurinista, sem que o requinte visual do espetáculo passasse despercebido.

Já em Cabaret, a possibilidade simbólica embrenha cenários e figurinos, dando o toque que torna inesquecível a montagem.

Partindo da ideia intimista de um cabaré em Berlim, na virada de 1931 para 1932, e de como o terror – o nazismo estava em ascensão –, estava mais próximo do que se podia imaginar, colocar o público em cena – as pessoas podem sentar-se nas mesas dispostas nas laterais do teatro que são as mesas do KitKat Club, cabaré em que Sally Bowles (Claudia Raia) trabalha -, determina o risco à espreita, ou seja, a sedução de algo que viria a preencher a lacuna de uma nação que  amargava a humilhação sofrida ao final da Primeira Guerra.

Luiza Lemmertz, Cassio Scapin e Luciana Carnielle em "O Libertino"

As plataformas que entram e saem de cena representado o camarim, o quarto e um anexo da pensão de Fraulein Schneider, bem como os espelhos, as persianas roxas em forma de franja, as escadas moldadas pela luz de Paulo César Medeiros dão à Cabaret o glamour e a magia que se espera encontrar em um musical.

Os corpos quase despidos dos bailarinos do KitKat Club ressaltam a sensualidade desse cabaré decadente de Berlim. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Críticas Tags: , , , , , , , , ,
20/12/2011 - 18:53

Sai a lista final de indicados ao Prêmio Shell de Teatro do RJ

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (Michel@aplausobrasil.com)

Rafael Primot concorre na categoria Melhor Ator

RIO DE JANEIRO – É curioso que a lista de indicados ao Prêmio Shell de Teatro da cidade maravilhosa saia sempre primeiro que a de São Paulo e, também, me parece que o júri carioca é mais aberto a indicar espetáculos musicais, já os paulistanos indicaram um ator que brilhou em cena na pele de personagens cômicos, Marcelo Médici em O Mistério de Irma Vap. Mais uma vez adiantado o júri carioca do Prêmio Shell anunciou hoje a lista dos indicados pelo segundo  semestre de 2011 – de julho a dezembro. Os indicados nesta segunda etapa concorrerão com os escolhidos no primeiro semestre, compondo a lista de finalistas da edição.

A Homenagem Especial desta edição é dedicada à atriz Barbara Heliodora pelo exercício da crítica teatral ao longo dos últimos 54 anos.

Nesta edição, o júri do Rio de Janeiro foi formado por Fabiana Valor (atriz e bailarina), Helena Varvaki (atriz e professora), João Madeira (diretor do grupo AfroReggae), Macksen Luiz (crítico teatral) e Sérgio Fonta (dramaturgo, diretor e ator).

Confira a lista completa de indicados ao 24º Prêmio Shell de Teatro do Rio de Janeiro:

Autor: Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , ,
Voltar ao topo