Publicidade

Publicidade
11/01/2012 - 13:19

Xanadu estreia no Rio de Janeiro

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

"Xanadu" é o novo musical dirigido por Miguel Falabella

RIO DE JANEIRO – Com direção de Miguel Falabella e versão de Artur Xexéo, a superprodução Xanadu aposta na tecnologia e terá mais de 15 cenários, uma centena de figurinos, pássaros robotizados, telões de fibra óptica e até um voo de Danielle Winitis e Thiago Fragoso sobre a plateia. A Estreia sexta-feira (13), no Oi Casa Grande (RJ).

A trajetória de Xanadu já o transformou num clássico. Começou com o filme, um dos símbolos mais representativos da iconoclastia de excessos da década de 1980. Recebido com expectativa e capitaneado por uma estrela à época, Olivia Newton-John, o longa eternizou canções que povoam o imaginário coletivo até hoje.

Thiago Fragoso, Danielle Winits e Sidney Magal protagonizam "Xanadu"

Além disso, tornou-se cult com o passar do tempo e serviu como base para o musical homônimo que estreou na Broadway em 2007.

Com libreto de Douglas Carter e música de Jeff Lyne e John Farrar, esta encenação obteve um imenso sucesso, tendo sido indicada inclusive a quatro prêmios Tony e ganho o importante Prêmio Drama Destak.

Desta montagem vem a inspiração para a superprodução (em todos os sentidos) dirigida por Miguel Falabella – e co-dirigida por Cininha de Paula – com versão de Artur Xexéo (em sua segunda incursão teatral), que traz Danielle Winits, Thiago Fragoso e Sidney Magal à frente do elenco. Enquanto a matriz americana usa e abusa dos cânones máximos da cafonice oitentista, a releitura brasileira também o faz, só que com ‘‘uma pimenta, um molho todo nosso”, segundo Falabella.

E o diretor segue à risca a premissa do escritor Umberto Eco de que ‘’o kitsch é a comunicação que tende à provocação do efeito’’ e conduz um espetáculo que ri de si mesmo:

"Xanadu" é um musical que ri de si mesmo

Xanadu é um musical esquizofrênico. Esta miscelânea de Grécia Antiga com anos 1980 não pode ser logicamente conceituada. Xanadu não se explica, não se teoriza sobre ele. Apenas se vive! Afinal, são sensações e experiências bem fortes as que ele proporciona” – define com bom humor Falabella.

O tempero à brasileira de Xanadu vem de uma tradição que remonta da antropofagia oswaldiana, se desdobra no cafonismo tropicalista, devorando as referências que vêm de fora e gerando um resultado muito particular, todo mergulhado no escracho e com uma quintessência carnavalesca. Não obstante, a ação foi toda vertida para o Brasil:

Miguel, que foi um dos papas do Teatro Besteirol na década de 1980, usa desta estética em sua leitura de Xanadu. No original, Clio/Kira, feita pela Danielle, desce à Terra acreditando que está em Veneza. Na verdade, ela está em Venice Beach, na Califórnia.

Thiago Freagoso e Danielle Winits formam par romântico de "Xanadu"

“O texto já estava pronto, os ensaios já tinham começado, quando o Miguel teve a ideia de que Kira, acreditando que chegara a Paris, em 1880, na verdade estava na Praça Paris, no Rio de Janeiro, em 1980” – explica Xexéo, responsável pela delicada transposição não só geográfica como idiomática: “É bem difícil verter as canções. Pra começar, não se pode fazer uma tradução literal. Se fosse assim, iria sobrar letra ou música. E, por mais que você não faça tradução literal, é importante manter a ideia do autor e o máximo de referências possíveis a versos da letra original. E a métrica? Meu Deus, a métrica! É preciso respeitar a métrica. Eu sonhava com métrica”, conclui.

Em Xanadu, os deuses da mitologia grega descem à terra para ajudar os humanos. Entre eles, Clio – uma semideusa que adota o nome de Kira quando se disfarça como terrena -, que vem ajudar Sonny Malone (Thiago Fragoso), um artista incompreendido que pretende abrir uma casa noturna diferente de tudo que havia sido feito até então. Para isso, ela conta com a ajuda de Danny Mc Guire (Sidney Magal, que também interpreta Zeus). Duas atrizes com belas trajetórias em musicais também encabeçam a escalação: Sabrina Korgut (Calíope/Afrodite) e Gottsha (Melpômene/Medusa). Completam o elenco Maurício Xavier, Brenda Nadler, Karin Hils, Fabrício Negri, Lucas Drumond, Giovanna Cursino, Carla Vazques e Danilo Tim.

A direção musical e vocal fica a cargo de Carlos Bauzyz, que comanda um sexteto musical.

No plano cênico, Nello Marrese procurou não só materializar esteticamente os caminhos traçados e delineados por Falabella e Xexéo, como também reproduzir toda a grandiosidade que um musical destas proporções exige. “Criei um cenário lúdico, divertido, mas totalmente de acordo com o novo subtexto criado por Artur e Miguel. E, ao mesmo tempo, suntuoso, tecnológico e surpreendente.

Nesta montagem, Xanadu pode ser em qualquer lugar do planeta, inclusive no Brasil. Um Brasil escrachado e com elementos do teatro de revista”, conceitua. O cenário base é inspirado numa pista de skate de Los Angeles, com referência estética dos grandes grafiteiros, que tiveram seu último estouro justamente nos anos 1980.

A partir disso, há uma sucessão de transformações na área cênica ao longo do espetáculo. Segundo Nello, “a ação se passa a maior parte na rua, há uma profusão de ambientes externos. Tudo nesta cenografia é grandioso: trabalhamos com inúmeras trocas de cenário, elevadores hidráulicos, telões de fibra óptica com a tecnologia mais moderna atualmente, robótica (em 12 urubus mecanizados), painéis de quase duas toneladas, muita luz e neon, além de um cavalo pégaso voador e até um impressionante voo de Danielle e Thiago sobre a plateia”.

Tudo isso para reproduzir não só os vários ambientes realistas, como também as diversas esferas fantásticas como o Olimpo, o labirinto do minotauro, o portal de passagem das musas para a terra, entre outros.

Coube à experiente Fernanda Chamma o desafio de recriar as coreografias originais, a exemplo das antológicas acrobacias com patins. Assim como os demais segmentos, Fernanda seguiu a linha bem humorada proposta pelo diretor: “Reviver os anos 1980 foi divertido e inspirador. Vivi essa febre sobre patins e os tempos áureos do jazz dance que marcaram essa época. Este fato, junto à liberdade de criação com que o Miguel me presenteou, tornaram este trabalho especial. Desenvolvi uma estrutura coreográfica americana (que adoro e faz parte do meu estilo de trabalho), com desenho de movimentos e situações, acompanhando a proposta irreverente da obra e a característica de cada personagem”, dá a pista.

Completam a equipe os renomados Paulo César Medeiros (iluminação) e Marcelo Pies (figurinos), responsável por recriar o estilo inconfundível da moda oitentista através de mais de cem figurinos e dezenas de trocas de roupas.

Enfim, Xanadu é kitsch, intencionalmente cafona, excessivo e confronta o dito bom gosto estabelecido com uma vasta gama de cores berrantes e ícones máximos do exagero dos anos 1980. É também um exemplo de legítimo e até ingênuo entretenimento pop, um delírio dadaísta. E que pelas habilidosas mãos de Miguel Falabella e Artur Xexéo desloca o subtexto e ri, com ironia, das próprias idiossincrasias. Kira e Sony são interpretados por Danielle Winits (outrora por Olivia Newton-John) e Thiago Fragoso, mas neste Xanadu todo carnavalizado poderiam tranquilamente ganhar vida através de nomes como Carmem Miranda, Dercy Gonçaves, Sônia Mamede, Oscarito…

Serviço

Xanadu

Estreia: 13 de janeiro de 2012, sexta-feira.

Teatro Oi Casa Grande

Rua Afrânio de Melo Franco, 290

Horários:

Quinta e sexta: 21h

Sábado: 19h e 21h30min

Domingo: 19h

Ingressos

Quinta e Sexta:

Para o setor do Camarote, o valor do ingresso será de R$ 120,00 (Cento e Vinte Reais);

Para a Platéia Setor VIP, o valor do ingresso será de R$ 120,00 (Cento e Vinte Reais);

Para a Platéia Setor 1, o valor do ingresso será de R$ 100,00 (Cem Reais);

Para o Balcão Setor 2, o valor do ingresso será de R$ 80,00 (Oitenta Reais);

Para o Balcão Setor 3, o valor do ingresso será de R$ 40,00 (Quarenta Reais);

Sábado e Domingo:

Para o setor do Camarote, o valor do ingresso será de R$ 150,00 (Cento e Cinquenta Reais);

Para a Platéia Setor VIP, o valor do ingresso será de R$ 150,00 (Cento e Cinquenta Reais);

Para a Platéia Setor 1, o valor do ingresso será de R$ 120,00 (Cento e Vinte Reais);

Para o Balcão Setor 2, o valor do ingresso será de R$ 100,00 (Cem Reais);

Para o Balcão Setor 3, o valor do ingresso será de R$ 60,00 (Sessenta Reais);

BILHETERIA:

Telefone: (21) 2511.0800

Terças e quartas – 15h às 20h.Quintas e sextas – 15h às 21h.Sábados – 12h às 21:30h.Domingos – 12h às 19h

Classificação etária: 12 anos

Estacionamento Shopping Leblon: com entrada pela rua ao lado (Rua Professor Antonio Maria Teixeira). O estacionamento funciona de 7 às 24h.

Tabela de preços:

R$ 4,00 (até 2h) R$ 2,00 (a cada hora adicional até a 5ª hora); após a 6ª hora: R$ 3,00/hora.

Estacionamento VIP: R$ 8,00 (até 2h) R$ 4,00 a hora adicional.

FICHA TÉCNICA

XANADU – Um musical da Broadway

Texto: Douglas Carter Beane

Músicas: Jeff Lynne e John Farrar

Letras: Jeff Lynne e John Farrar

Versão Brasileira: Artur Xexéo

Direção Geral e Artística: Miguel Falabella

Baseado no filme da Universal Pictures

Roteiro de Richard Danus e Marc Rubel

Originalmente produzido pela Broadway por: Robert Ahrens, Dan Vickery,

Tara Smith/B. Swibel, Sara Murchison/Dale Smith e Cari Smulyan

Elenco

Clio; Kira – Danielle Winits

Sonny Malone – Thiago Fragoso

Danny Maguire; Zeus – Sidney Magal

Calíope; Afrodite; Cover Danielle Winits – Sabrina Korgut

Melpômene; Medusa – Gottsha

Terpsícore; Sereia; The Tubes; Eros; Hermes; Centauro – Maurício Xavier

Euterpe; Sereia; The Andrew Sisters; Tétis – Brenda Nadler

Érato; Sereia; The Andrew Sisters; Hera – Karin Hils

Tália; Sereia; The Tubes; Danny Jovem (Sapateador); Ciclope – Fabrício Negri

Urânia; Sereia; The Tubes; Ninfa – Lucas Drumond

Polínia; Sereia; Ninfa; Andrew Sister – Giovanna Cursino

Pedestre; Sereia; Ninfa; Swing, Dance Captain – Carla Vazquez

Direção Musical e Vocal: Carlos Bauzys

Coreografias: Fernanda Chamma

Co-Direção: Cininha de Paula

Figurinista: Marcelo Pies

Cenógrafo: Nello Marrese

Iluminação: Paulo Cesar Medeiros

Design de Som: Gabriel D’Angelo

Visagismo: Anderson Bueno

Fotos: Robert Schwenck

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags: , , , , , , , , , , , ,

Ver todas as notas

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo