Publicidade

Publicidade
17/02/2012 - 15:48

12 Homens e Uma Sentença comemora 200 apresentações e faz sessão extra

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil/ iG (Michel@aplausobrasil.com)

Peça faz sessão segunda

SÃO PAULO – Não é qualquer espetáculo que completa 200 apresentações com um histórico de prêmios, elogios da crítica e bem-sucedidas temporadas como 12 Homens e Uma Sentença, sob a enxuta e inteligente direção de Eduardo Tolentino de Araújo, que se apresenta hoje, 21h, no Tucarena, comemorando sua ducentésima apresentação. Na segunda-feira (20) de carnaval terá sessão extra, às 21h.

Em 1957, pelas mãos de Sidney Lumet, 12 Homens e Uma Sentença, de Reginald Rose, chegava às telas para perpertuar-se como clássico cinematográfico. Mais de 50 anos se passaram e, espantosamente, a crise ética impulsionada pelo texto de Rose parece ecoar velhas crises em novos tempos.

“É possível”, essa singela frase disparada por um dos personagens da peça, dirigida por Eduardo Tolentino de Araújo (notório diretor do Grupo TAPA), detona a ambiguidade do veredicto.

Doze componentes do corpo de jurados de um parricídio estão numa sala para efetivar a sentença. Num primeiro momento, pelo menos onze deles estão convictos de que o filho que havia discutido com o pai minutos antes do assassinato era o culpado pelo crime.

Mas para a condenação à morte é preciso unanimidade dos votos e eis que um dos jurados coloca a culpabilidade do réu em cheque. Esse é o estopim para que a semente da dúvida germine e revele os pré-julgamentos embutidos nas decisões anteriores.

"12 Homens e Uma Sentença" - foto de João Caldas

O jogo hábil e de extrema sagacidade com que Rose instaura a dúvida mexe com o mais escuro da alma dos personagens que se modificam à medida que os argumentos que os solidificavam em suas certezas se desmancham feito casca de ovo.

Eduardo Tolentino de Araújo talvez seja o diretor mais capacitado para extrair nuanças da aridez prosaica, porém sublime, de 12 Homens e Uma Sentença e apresentar uma dinâmica rítmica minimalista, cuja base não esconde o viés do naturalismo com agudos acentos calcados numa visível elaboração dos tipos vividos.

12 Homens e Uma Sentença – no TUCARENA.

Texto – Reginald Rose. Direção – Eduardo Tolentino. Tradução – Ivo Barroso. Elenco –Adriano Bedin, Brian Penido, Ricardo Dantas, Zé Carlos Machado, Oswaldo Mendes, Augusto Cesar, Fernando Medeiros, Haroldo Ferrari, Henri Pagnoncelli, Oswaldo Ávila, Riba Carlovich, Gustavo Trestini e Ivo Muller.

Temporada – Sextas e Sábados às 21h e Domingos às 19h30. Duração – 100 minutos. Indicação de faixa etária – 12 anos. Sessão extra no dia 20 de fevereiro, segunda-feira, 21h.

TUCARENA – Teatro da PUC-SP – Rua Monte Alegre, 1024 – Perdizes – (Entrada pela Rua Bartira). Capacidade – 300 lugares. Acesso para pessoas com deficiência. Vendas Pela Internet – www.ingressorapido.com.br ou Central de Vendas: (11) 4003-1212 (aceita todos os cartões de crédito). Horários de funcionamento da bilheteria –De terça-feira a domingo das 14h às 20h. Estacionamento conveniado – Riti Estacionamentos – Rua Monte Alegre, 835 – R$10,00 – 11 3167-7111.

Autor: - Categoria(s): Críticas Tags: , , , , , , , , , ,

Ver todas as notas

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo