Publicidade

Publicidade
01/03/2012 - 15:26

João Candido Portinari: “É a melhor peça de teatro que já vi em toda a minha vida”

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil/ iG (Michel@aplausobrasil.com)

"Nise da Silveira". Com Mariana Terra. Foto de Rafael Viana

SÃO PAULO – Certa vez, em alguma entrevista coletiva perdida na memória, um ator afirmou que o público de teatro paulistano é mais exigente que de outras praças brasileiras. Sendo assim, o espetáculo Nise da Silveira – Senhora das Imagens, de Daniel Lobo, tem motivos de sobra pra celebrar a temporada no Teatro Eva Herz cujas apresentações, sempre lotadas, recebem acalorados aplausos de uma emocionada plateia.

Com exata performance de Mariana Terra, senhora dos mais preciosos instrumentos dos artesão do palco: corpo, voz, inteligência e carisma, o solo ganha projeção multiplicada com visíveis recursos de plena consciência corporal e uma sinfonia vocal que dá tons e nuances diferentes a cada um dos personagens que contam a sublime trajetória da Dra. Nise da Silveira, uma das primeiras mulheres a se formar em medicina e que enveredou para o serviço psiquiátrico. Discípula de Jung , libelo da Liberdade, ela disse não ao eletro-choque, prática adotada nos hospitais psiquiátricos públicos, e introduziu a arte, especificamente a pintura, como terapia aos doentes mentais, fundando o Museu de Imagens do Inconsciente, entre tantos outros feitos.

Urdido com devoção sagrada, poesia, conjunção de música, coreografia e projeções, Nise da Silveira – Senhora das Imagens teve a sessão de ontem dedicada à João Candido Portinari, filho do artista plástico Candido Portinari e responsável pelas obras do pai, que, emocionado deixou seu depoimento:

João Candido Portinari

“É a melhor peça de teatro que já vi em toda a minha vida. Levarei pra sempre essa imagem comigo”.

Ficha Técnica

Dramaturgia, concepção multimidia e direção: Daniel Lobo. Interpretação e co-dramaturgia: Mariana Terra. Coreografia: Ana Botafogo Trilha original: João Carlos Assis Brasil Participações de Carlos Vereza (como a voz de Carl Jung) e Ferreira Gullar, José Celso Martinez Corrêa, Ednaldo Lucena e Gilray Coutinho (em vídeo) Preparação vocal: Angela Herz Cenografia e figurino: Ronald Teixeira Desenho de luz: Djalma Amaral Percussão: Marco Lobo Ensaiadora: Inês Pedroza Edição: Personal Filme (Daniel Trindade) Realização: Essencial Companhia de Teatro.

Serviço

Nise da Silveira – Senhora das Imagens

Local: Teatro Eva Herz – Livraria Cultura | Conjunto Nacional – Avenida Paulista, 2.073 – Bela Vista – São Paulo/SP

Temporada: Até 29 de março de 2012, Quartas e Quintas, às 21h

Fone bilheteria: 11 3170-4059 Site: www.teatroevaherz.com.brwww.ingresso.com

Capacidade: 168 lugares (Quatro espaços para cadeirantes) Duração: 1h30 min

Classificação: a partir de 16 anos

Ingresso: R$50,00. Meia-entrada para estudantes, idosos, professores da rede pública de ensino e portadores de necessidades especiais

Horário de atendimento da bilheteria: de Terça a sábado: das 14h às 21h e domingos: das 12h às 19h

Acesso para deficientes/Banheiro para deficientes/Ar condicionado/Aceita todos os cartões/Não aceita pagamento em cheque

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Dança, Música e Cinema, Matérias Tags: , , , , , , , , , , ,

Ver todas as notas

2 comentários para “João Candido Portinari: “É a melhor peça de teatro que já vi em toda a minha vida””

  1. Caro Michel,
    Obrigado por ter reproduzido o meu emocionado depoimento, logo após assistir a peça. Com sua permissão, gostaria de acrescentar o que eu disse à Mariana naquela noite. Que ela será, se já não o é, a maior atriz deste País. Não gosto muito deste tipo de superlativo “o maior isso”, “a maior aquilo”, mas fiquei sem palavras para expressar a verdadeira comoção que estava sentindo, e na hora não encontrei formulação mais elaborada…Com o grato abraço do João Candido

    • michelfernandes disse:

      olá joão, concordo absolutamente, muito obrigado pelo comentário!
      grande abraço, michel

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo