Publicidade

Publicidade

Arquivo de março 30th, 2012

30/03/2012 - 23:41

Um belo retrato de uma grande atriz brasileira

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (Michel@aplausobrasil.com)

Beth Goffman vive Zezé Macedo em "A Vingança do Espelho"

SÃO PAULO – A Vingança do Espelho- A História de Zezé Macedo bem poderia receber um outro subtítulo, o de a vingança do ator cômico brasileiro. Esta mais do que justa e necessária recuperação da história de Zezé Macedo é também uma forma do teatro brasileiro atual fazer um “acerto de contas” com os grandes intérpretes que sempre estiveram à margem por serem artistas populares.

O espetáculo em cartaz no Teatro Vivo é daquelas joias que, de vez em quando, o teatro nos oferece. O inteligente texto de Flavio Marinho escapa do biografismo tradicional no teatro. A opção sagaz do autor foi a de colocar em cena uma companhia teatral que tem a incumbência de recontar a vida de Zezé Macedo. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags:
30/03/2012 - 00:45

Rodrigo Lombardi vive o sedutor Dom Juan

Compartilhe: Twitter

Nanda Rovere, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"Dom Juan", de Molière - foto de Lenise Pinheiro

SÃO PAULO – O diretor William Pereira apresenta a sua versão do clássico Dom Juan, de Molière. O espetáculo que tem o ator Rodrigo Lombardi como protagonista, estreia hoje no Teatro Raul Cortez. Completam o elenco os atores Eduardo Estrela, Clarissa Kiste, Davi Taiu, Eduardo Leão, Mariana Melgaço, Mario Luiz e Roberto Arduim. O professor Jorge Coli assina a tradução do texto, escrito no século XVII, e respeita a métrica poética da obra original.

Dom Juan é um sedutor e o seu objetivo é viver intensamente para tudo aquilo que lhe dá prazer, independente dos riscos e das formas com que o conquista.

A peça apresenta uma crítica voraz às máscaras que a sociedade utiliza para esconder suas condutas amorais. Segundo o ator Rodrigo Lombardi, nesta peça, Molière fala sobre a hipocrisia e retrata três tipos de solidão: a amorosa, social e existencial.

O ator cita uma frase que exemplifica a crítica social presente na obra: “A hipocrisia é um vício que está na moda e todos os vícios que estão na moda se transformam em virtudes”. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags:
Voltar ao topo