Publicidade

Publicidade
01/06/2012 - 22:43

O Belo Indiferente agora no Espaço dos Satyros Um

Compartilhe: Twitter

Nanda Rovere, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Djin Sganzerla em "O Belo Indiferente" - foto André Guerreiro Lopes

SÃO PAULO – O Belo Indiferente, do francês Jean Cocteau, sucesso de público e crítica, traz aos palcos a atriz Djin Sganzerla para contar a história da paixão entre uma cantora e seu amante, sob direção de André Guerreiro Lopes em parceria com Helena Ignez, mãe de Djin. A re-estreia será dia 2 de junho, sábado, às 21 horas, no Espaço dos Satyros Um.

O Belo Indiferente é um monólogo com dois personagens: Ela e Ele.  Apresenta a história de uma cantora que está à espera de seu amante, Emílio (Dirceu de Carvalho), num quarto de hotel. Como ele está demorando a chegar, ela fica aflita e tenta encontra-lo telefonando a amigos.

Quando finalmente Emílio chega, deita-se na cama, lê o jornal e está aparentemente alheio à mulher que está à sua frente e tenta, de todas as maneiras, chamar a sua atenção e não se abala mesmo quando o seu amor recebe um telefonema de outra mulher, provavelmente sua amante.

Um amor obsessivo de uma mulher que suporta a traição e indiferença, com um comportamento que mistura fragilidade e violência.

Helena Ignez destaca que a história não acontece num tempo definido: “Mantivemos uma atmosfera de passado, para que se crie o distanciamento necessário para o público vivenciar o espetáculo como uma tragicomédia humana atemporal, espelho da vida de todos nós. Trazemos a história e os personagens para o universo dos anos 1980, das boates do Baixo Augusta. Algo com muito neon”, afirma.

Djin Sganzerla em "O Belo Indiferente" - foto André Guerreiro Lopes

Cenário e figurinos, de Simone Mina, buscam ressaltar o estado psíquico da personagem.  O cenário combina os universos exteriores e interiores da personagem, como o quarto de hotel, o desequilíbrio, a solidão, a realidade e a embriaguez.  Uma janela e o telefone merecem destaque na cenografia, visto que são os elos de contato da cantora com o mundo exterior. O figurino feminino tem como fonte de inspiração as vestimentas das cantoras de cabaré e divas da música. O homem, por sua vez, veste uma roupa inspirada no universo de criação de Jean Cocteau, autor da peça, e desenhos de Picasso sobre o amigo francês.

Ficha técnica:

Autor – Jean Cocteau.

Direção – André Guerreiro Lopes e Helena Ignez.

Elenco – Djin Sganzerla e Dirceu de Carvalho.

Cenografia e Figurinos – Simone Mina.

Iluminação – Marcelo Lazzaratto.

Concepção Sonora – Gregory Slivar.

Criação da Vídeo-Instalação – André Guerreiro Lopes.

Serviço:

O Belo Indiferente

Re-estreia dia 2 de junho, sábado, às 21 horas, no Espaço dos Satyros Um. Duração – 60 minutos. Espetáculo recomendável para maiores de 12 anos. Temporada –Sábado, às 21 horas. Ingressos – R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia-entrada). Até 14 de julho.

ESPAÇO DOS SATYROS UM – Praça Roosevelt, 214 – Consolação. Fone: (11) 3258-6345. Bilheteria – Abre uma hora antes do espetáculo. Capacidade – 60 lugares.

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, DESTAQUE, Matérias Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,

Ver todas as notas

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo