Publicidade

Publicidade
04/06/2012 - 22:33

Maria Miss é conto de Guimarães Rosa adaptado para o teatro

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, editor do Favo do Mellone site parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Tania Castello dá vida à Maria Miss

Evil Rebouças transpôs para os palcos o conto Esses Lopes, que narra a trajetória de uma sertaneja que sofre nas mãos de homens machistas de uma mesma família. Sob direção de Yara de Novaes, estão no elenco Tania Casttello, Daniel Alvim e Cacá Amaral

SÃO PAULO – O universo de João Guimarães Rosa, com sua linguagem peculiar e a realidade do sertanejo das Minas Gerais, está retratado no espetáculo Maria Miss, que acaba de estrear no Teatro Eva Herz, e é uma adaptação do conto Esses Lopes, que está no livro Tutameia, do revolucionário escritor mineiro.

A trama é focada nas aventuras e desventuras de Flausina, que, ainda menor de idade, foi praticamente raptada por dois primos, os Lopes, e obrigada a viver ao lado deles. Homens rudes, machistas e violentos mantêm a garota sob o cabresto, mas Flausina — que sempre quis se chamar Maria Miss — consegue “domar” as feras e vira o jogo a seu favor.

Com cenário simples e funcional, assinado por Márcio Medina (responsável também pelos figurinos), a peça começa com Flausina/Maria Miss, interpretada por Tania Castello, narrando a história do que aconteceu com ela e, num ritmo de vai e vem entre o passado e o presente, o espectador é enlaçado à trama.

Peça é baseada em "Esses Lopes", do escritor mineiro

O estilo e a experiência linguística de Guimarães Rosa são marcantes em sua obra e a adaptação do conto não se esquivou de retratar com fidelidade o narrar do romancista; por isto no início há um pequeno estranhamento com o linguajar peculiar dos personagens de Rosa, mas graças ao talento dos atores a plateia logo embarca na proposta da montagem.

Se no início a garota, mesmo contrariada, se submete aos caprichos e desmandos daqueles quatro homens valentões — vividos por Daniel Alvim e Cacá Amaral que dobram os papéis para viver os irmãos e um primo da família Lopes —, aos poucos Maria Miss descobre seu poder de sedução e com malícia e seu jeito brejeiro consegue se livrar da opressão.

“O belo no conto de Guimarães Rosa é o modo como ele mostra o silêncio de uma mulher subjugada. Maria Miss sofre as piores atrocidades físicas e morais, mas no seu silêncio ela traça a liberdade”, explica Evill Rebouças.

O espetáculo, idealizado pela atriz, faz um tributo a Guimarães Rosa, que morreu há exatamente 45 anos; o conto é um dos poucos do autor sob a ótica feminina e “fala de uma mulher que transformou seu destino, como tantas brasileiras, o que me encanta. Guimarães Rosa é um gênio da palavra”, diz Tania Castello.

Tanto o responsável pela adaptação como a direção do espetáculo merecem todos os elogios: a história de Maria Miss é bem contada e prende a atenção do espectador durante os 75 minutos de duração da peça. Além da iluminação de Wagner Freire, a interpretação afinada dos três atores é o grande destaque da montagem.

Roteiro:
Maria Miss
. Conto: Guimarães Rosa. Adaptação: Evill Rebouças. Direção: Yara de Novaes. Elenco: Tania Casttello, Daniel Alvim e Cacá Amaral. Cenografia e figurinos: Márcio Medina. Direção musical: Rodrigo Mercadante. Iluminação: Wagner Freire. Fotos: João Caldas. Direção de produção: Mesa2 Produções Artísticas.

Serrviço:
Teatro Eva Herz (166 lugares), Livraria Cultura, Conjunto Nacional, Av. Paulista, 2073,Tel.: (11) 3170-4059. Horários: terças e quartas, às 21h. Ingressos: R$30,00. Bilheteria: de segunda a sábado, das 14 às 21 horas e aos domingos e feriados, das 12 às 20 horas. Ingressos à venda pela Internet:www.teatroevaherz.com.br ou www.ingresso.com.br. Formas de pagamento: dinheiro e todos os cartões de débito e crédito, não aceitam cheques. Duração: 75 minutos. Classificação indicativa: 14 anos. Temporada: até 25 de julho.

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores, DESTAQUE Tags: , , , , , , , , , , , , , ,

Ver todas as notas

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo