Publicidade

Publicidade
28/06/2012 - 19:45

O Bom Canário expõe a fragilidade humana

Compartilhe: Twitter

Nanda Rovere, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"O Bom Canário"

SÃO PAULO – Tentar compreender as pessoas é imprescindível, mas tem hora que é preciso dizer não. Como preservar a qualidade artística e os princípios éticos diante da possibilidade do sucesso profissional? Essas são questões que o espetáculo O Bom Canário, do dramaturgo e roteirista Zacharias Helmpropõe, em cartaz no Teatro Eva Herz, mas, obviamente, podem existir interpretações diferentes, de acordo com a experiência de vida de cada espectador.

O ponto central da trama é o relacionamento conturbado, intenso e cheio de amor entre um escritor, Jack (Joelson Medeiros) e sua mulher(Flávia Zillo), Anne é viciada em anfetamina. Ele, um escritor promissor, é conivente com o vício da mulher, que protagoniza situações constrangedoras, as quais podem comprometer o futuro do marido na literatura.

Anne não consegue guardar para si os seus descontentamentos com o mundo que a cerca e perde o controle com pessoas de opiniões contrárias às suas. Não admite que o marido, por exemplo, para conseguir um contrato milionário com um editor, aceite as exigências do mercado e não questione a superficialidade da crítica literária.

A dependência química atinge um grau extremo e uma revelação coloca em xeque a respeitabilidade de Jackie como artista e a capacidade de Anne de enfrentar os seus medos, visto que ela só consegue enfrentar o cotidiano usando drogas.

"O Bom Canário"

A diretora, e também atriz Camilla Amado, é nome respeitado no Rio de  Janeiro e a concepção do espetáculo prima em apresentar um trabalho delicado, visível especialmente na atuação dos atores, na escolha da trilha e no desenho de luz.

O Bom Canário é um texto forte, impactante e tocante, mas tem momentos leves, o que contribui para que a encenação não fique pesada. Charlie (Érico Ribas) é o agende de Jacke é ele quem dá um toque de humor à peça.

Um elenco que, sem dúvida, tem grande responsabilidade na qualidade da montagem. A direção possibilita que o elenco apresente um rendimento primoroso.

Joelson Medeiros vive um personagem aparentemente conformado, mas que, aos poucos, fica desesperado em ver a sua mulher caminhando ¨para o fundo do poço¨.

Flávia Zillo consegue transmitir toda a loucura e medo diante da vida. A sua fragilidade está à flor da pele e o seu amor pelo marido é nítido, não somente através dos diálogos, mas da sua tocante interpretação. A expressão corporal é primorosa e demonstra o quanto Anne está mergulhada no mundo das drogas.

Os demais atores têm participações menores e que merecem menção: Leandro Castilho, Marcos Ácher, Roberto Lobo e Sara Freitas.

O cenário ambienta a história na casa dos protagonistas e outros lugares. As várias alterações dos objetos do cenário, sofá, módulos, cortinas, etc, servem para mostrar as mudanças do local em que a peça acontece e, em algumas cenas específicas, retratam o temperamento impaciente de Anne. Essas trocam quebram um pouco o dinamismo das cenas. De qualquer maneira, elas não prejudicam a qualidade da encenação.

Um detalhe: Zacharias Helm escreveu o texto com 22 anos de idade e conseguiu um excelente resultado. Fala de assuntos que refletem a complexidade humana e com uma profundidade impressionante.

São Paulo tem recebido produções cariocas interessantes e de qualidade, demonstrando que no Rio de Janeiro a cena teatral contém trabalhos com a preocupação de contribuir para o aprimoramento do conhecimento e do senso crítico dos espectadores.

O Bom Canário permanece em cartaz até o dia 29 de julho, no Teatro Eva Herz. Vale a pena conferir.
Ficha Técnica:

Autor – Zacharias Helm

Tradução / Adaptação: Mauro Lima

Direção: Rafaela Amado e Leonardo Netto

Concepção: Leonardo Netto

Direção Geral: Camilla Amado

ELENCO

Annie FLÁVIA ZILLO

Jack JOELSON MEDEIROS

Charlie ÉRICO BRÁS

Jeff LEANDRO CASTILHO

Mulholland MARCOS ÁCHER

Stuart ROBERTO LOBO

Sylvia SARA FREITAS

Iluminação: Luiz Paulo Nenen

Figurinos: Espetacular Produções e Artes! Ney Madeira, Dani Vidal e PatiFaedo

Cenário: Marcelo Lipiani e Lídia Kosovski

Trilha sonora: Leonardo Netto

Produção Executiva: Marines Chaim

Assistente de Produção: Leandro Mariz

Administração: Valéria Keller

Produção Geral: Sandro Chaim

Serviço:

O BOM CANÁRIO

Teatro Eva Herz(166 lugares)

Avenida Paulista, 2.073 – Livraria Cultura / Conjunto Nacional

Informações: (11) 3170-4059 – www.teatroevaherz.com.br

Bilheteria: Terça a sábado, das 14h às 21h. Domingo, das 12h às 19h. Aceita todos os cartões de crédito. Não aceita cheque.

Vendas: www.ingresso.com e 4003-2330

Sábado às 21h. Domingo às 19h.

Ingressos: R$ 60
Duração: 110 minutos

Classificação Etária: 16 anos

Estreou dia 02 de junho

Temporada: até 29 de julhoa

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas, DESTAQUE Tags: , , , , ,

Ver todas as notas

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo