Publicidade

Publicidade
20/08/2012 - 00:31

Lilia Cabral traz a São Paulo o sucesso Maria do Caritó

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, editor do Favo do Mellone site parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Lília Cabral é "Maria do Caritó"

De Newton Moreno e direção de João Fonseca, a comédia mostra a atriz como uma solteirona virgem que quer se casar. Com Lilia no elenco estão Eduardo Reyes, Dani Barros, Fernando Neves e Silvia Poggetti

SÃO PAULO – Diversos prêmios, indicações a outros e uma temporada de nove meses de sucesso no Rio de Janeiro, a comédia de Newton Moreno Maria do Caritó acaba de estrear no Teatro FAAP. Lilia Cabral não só vive a protagonista como solicitou a peça ao autor e é uma das produtoras. Envolvimento e entrega totais a um projeto, marca registgrada da atriz, assim como já fez com Divã, sucesso teatral que saltou para as telonas e depois virou série de TV.

Depois de interpretar mulheres densas e sofridas nas telenovelas, desta vez Lilia volta para a comédia, mas com uma personagem que vive um drama. Maria nasceu de um parto difícil, em que a mãe não sobreviveu e seu pai a prometeu a São Djalminha se ela vingasse. Moral da história: a moça permanece virgem até os 50 anos, tem fama de fazer milagres, porém sonha em se casar e faz de tudo para encontrar seu príncipe.

“É cômico para quem vê e trágico para quem vive! A Maria do Caritó sente uma frustração imensa por não ter se realizado como mulher. O que mais me encantou neste texto é que ele fala sobre fé. A personagem não deixa de acreditar”, explica a atriz.
A peça do pernambucano Newton Moreno Maria do Caritó é repleta de crendices e costumes do imaginário popular.  A começar pelo cenário, assinado por Nello Merrese, que traz ícones do interior do país, especificamente do Nordeste brasileiro: dois grandes paus-de-sebo com imagem de Santo Antônio e Santa Maria do Caritó ficam em primeiro plano; completam a cenografia baús de circo, oratórios e alguns caritós, que são prateleiras colocadas bem alto, onde se deixam objetos longe do alcance e das vistas das pessoas. Por isso o termo maria do caritó refere-se àquela que ficou para titia, na prateleira, não se casou

Lília Cabral é "Maria do Caritó" - foto de Claudia Ribeiro

.

Atores em vários papéis

Na cena inicial Maria está ao lado de Fininha (Silvia Poggetti), que a ajuda com as simpatias ao santo casamenteiro, para desespero de seu pai (interpretado por Fernando Neves), que a prometeu ao santo e propaga que a filha faz milagres e por isto também é santa. Para completar a confusão, o circo da cidade convence Maria a fazer parte do elenco da companhia e ela se apresenta como cantora — os números musicais são hilários! Outra passagem engraçadíssima da peça: uma beata, também vivida por Silvia Poggetti, diz que Maria, por milagre, fez com que sua galinha voltasse a botar ovos. Detalhe, Dani Barros encarna fielmente uma galinha, que cacareja e põe ovos: a plateia vem abaixo de tanto rir! Assim como Silvia e Dani, Eduardo Reyes se divide em vários papéis, é o charlatão do circo, um coronel pilantra e finalmente José, a versão masculina de Maria do Caritó.

“A personagem central da peça é uma heroína que se equilibra entre sacra e profana, virgem e mundana, santa e palhaça, arquétipo-brincalhão de um feminino desdobrado”, explica Newton Moreno.
Além da precisa direção de João Fonseca, que propicia a espontaneidade na interpretação — Lilia, Silvia e Fernando são velhos amigos e Fernando e Dani encaixaram-se fácil à sintonia dos outros—, os figurinos de J.C Serroni e a iluminação de Paulo Cesar Medeiros completam a impecável montagem de Maria do Caritó, que certamente vai cair no gosto popular dos paulistas, assim como aconteceu no Rio de Janeiro.

Roteiro:

Maria do Caritó. Texto: Newton Moreno. Direção: João Fonseca. Direção de produção: Maria Siman. Elenco: Lilia Cabral, Eduardo Reyes, Fernando Neves, Silvia Poggetti e Dani Barros. Cenários: Nello Merrese. Figurinos: J.C Serroni. Iluminação: Paulo César Medeiros. Direção de movimentos: Kika Freire. Musica original: Alexandre Elias. Fotos: Claudia Ribeiro.Produção executiva: Gabriela Mendonça. Realização: Primeira Página Produções Culturais e Lilia Cabral

Serviço:
Teatro FAAP (500 lugares), Rua Alagoas, 903. Informações e Vendas: 3662.7233 e 3662.7234. Horários: sexta às 21h30, sábado às 21h e domingo às 18h. Ingressos: Sexta, populares R$ 30, sábado R$ 80 e domingo R$ 70. Bilheteria: de quarta à sábado, das 14h às 20h; domingo das 14h às 17h.

Aceita cartão de débito e crédito; não aceita cheque. Estacionamento gratuito, com vagas limitadas. Acesso para deficiente. Ar-condicionado. Duração: 100 minutos. Recomendação: 12 anos. Temporada: até 16 de dezembro

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores, DESTAQUE Tags: , , , , , , , , , ,

Ver todas as notas

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo