Publicidade

Publicidade
08/09/2012 - 16:31

O desespero da incerteza do porvir é o centro de O Salão de Baile Elétrico

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil/ iG (Michel@aplausobrasil.com)

Peça do irland^s Enda Ealsh

SÃO PAULO – Chega a causar certa vertigem os longos solilóquios, repletos de detalhes, que são disparados num ritmo que só preserva espaços para a respiração necessária para que os atores de Salão de Baile Elétrico, em cartaz apenas às sextas e sábados no Auditório SESC Pinheiros, consigam   transmitir claramente as palavras criadas por Enda Walsh. Ao dirigir com a simplicidade desejável para dar à luz a poesia do texto interpretada com talento indiscutível, Cristina Cavalcanti desnuda o desespero ansioso do porvir incerto.

São três irmãs que dividem o mesmo teto, sendo que as duas mais velhas – Breda (Angela Barros) e Clara (Lilian Blanc), ambas em interpretações viscerais, a sobrevoar entre o drama, o patético, a volúpia, entre outras paixões, com vigor e talento –  compartilham o trauma da frustração de um relacionamento amoroso não efetivado. O medo ou covardia faz com que ambas permaneçam confinadas na casa revivendo os fatos ocorridos no baile elétrico que motivou suas exclusões do convívio com o tempo real que são compartilhados com Ada (Andréa Tedesco, em excelente interpretação).

Essa prisão ao plano da memória que, fica evidente, é o jogo cotidiano das duas – contar e recontar os últimos instantes que a levaram ao trauma de não consumarem suas iniciações sexuais e amorosas -, a forma de evocarem suas recordações, do gozo ao convencimento de que banir-se da possibilidade de se colocar à mercê da possível rejeição justifica suas exclusões do convívio social, é quebrada pelas frequentes visitas de Patsy (o impecável Edu Guimarães), um peixeiro falastrão e, também, ansioso.

O que era tarefa da irmã 20 anos mais jovem, Ada, o relato informativo do mundo exterior, ganha contornos menos formais com a interferência de Patsy e quebra o clima onírico da representação evocativa de Brenda e Clara à princípio incomodam as irmãs, mas, depois, acaba  sendo a esperança de redenção, com a aproximação romântica entre Ada e o peixeiro. Se o final será feliz? Deixo ao leitor desse texto que confira esse instigante O Salão de Baile Elétrico. Só adianto que há mais que a nostalgia de uma época: a peça parece um instantâneo de nossos dias, onde a realidade fria e onírica das relações virtuais que, aparentemente. nos priva de decepções futuras, nos torna auto-exilados dos reais desejos. Não é à toa que Bate-Papp, texto de Enda montado pela Cia. Arthur Alvim fez bastante sucesso. Angela Barros (frente) e Lilian Blanc em "O Salão de Baile Elétrico"

Ficha técnica:

Direção e tradução: CRISTINA CAVALCANTI

Elenco: ANGELA BARROS, LILIAN BLANC, ANDRÉA TEDESCO e EDU GUIMARÃES

Iluminação: MIRELLA BRANDI

Cenografia e figurinos: CHRIS AIZNER

Trilha sonora: EDUARDO AGNI

Cantor: EDU GUIMARÃES

Cenotécnico: FÁBIO

Costureira: MAICLAIR

Produção executiva: ADRIANA FLORENCE

Produção: LEO DE LEO Produções artísticas

Realização: LNW PRODUÇÕES e Visceral Companhia

Serviço:

Peça: O Salão de Baile Elétrico

Até 22/09 – sextas e sábados

Horário: 20h30

Duração: 80 minutos

Local: SESC Pinheiros (Auditório – 3 º andar)

Capacidade: 101 lugares

Não recomendável para menores de 14 anos

Ingressos: R$ 20 (inteira), R$ 10 (usuário inscrito no SESC e dependentes, +60 anos, professores da rede pública de ensino e estudantes com comprovante), R$ 5 (trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo matriculado no SESC e dependentes)

Ingressos à venda pela Rede INGRESSOSESC

SESC Pinheiros

Endereço: Rua Paes Leme, 195

Horário de funcionamento da Unidade: Terças a sextas, das 13 às 22h. Sábados, domingos e feriados, das 10h às 19h horas

Horário de funcionamento da Bilheteria: Terça a sexta das 10h às 21h30. Sábados das 10h às 21h30, domingos e feriados das 10h às 18h30

Tel.: 11 3095.9400

ESTACIONAMENTO COM MANOBRISTA (VAGAS LIMITADAS): Veículos, motos e bicicletas

Terça a sexta, das 7h às 22h; Sábado, domingo, feriado, das 10h às 19h

(Horários especiais para a programação do teatro)

Taxas: Matriculados no SESC: R$ 6,00 nas três primeiras horas e R$ 1,00 a cada hora adicional

Não matriculados no SESC: R$ 8,00 nas três primeiras horas e R$ 2,00 a cada hora adicional

Para atividades no Teatro, preço único: R$ 6,00
Para informações sobre outras programações www.sescsp.org.br

Autor: - Categoria(s): Críticas, DESTAQUE, MICHEL FERNANDES RECOMENDA Tags: , , , , , , , ,

Ver todas as notas

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo