Publicidade

Publicidade

27/03/2012 - 22:15

Confira os vencedores da Associação de Produtores Teatrais do Rio de Janeiro

Compartilhe: Twitter

Redação do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"Palácio do Fim", Melhor Espetáculo de 2011, segundo Prêmio APTR - foto de Guga Melgar

RIO DE JANEIRO – Dividido em 12 categorias, o Prêmio da Associação de Produtores Teatrais do Rio de Janeiro (APTR) contemplou os espetáculos que estrearam na Cidade Maravilhosa no ano passado.

CONFIRA LISTA DOS VENCEDORES DO PRÊMIO APTR 2011

Autor: Felipe Rocha (Ninguém Falou Que Seria Fácil)

Direção: Monique Gardenberg (Inverno da Luz Vermelha)

Cenografia: Daniela Thomas (Inverno da Luz Vermelha)

Figurino: Emília Duncan (A Escola do Escândalo)

Iluminação: Maneco Quinderé (Palácio do Fim)

Ator: Charles Fricks (O Filho Eterno)

Atriz: Dani Barros (Estamira)

Ator Coadjuvante: Jorge Caetano (Outside)

Atriz Coadjuvante: Analu Prestes (Um Dia Como os OutrosMulheres Sonharam Cavalos)

Especial: Projeto Galpão Gamboavista

EspetáculoPalácio do Fim

Música: Felipe Estorino (Outside).

Autor: - Categoria(s): Notas e Oportunidades Tags: , , , , , ,
21/03/2012 - 01:05

Confira a lista dos vencedores do Prêmio Shell de Teatro de São Paulo 2011

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"O Jardim", da Cia. Hiato, vencedora em duas categorias

SÃO PAULO – Na noite da última terça-feira, os espetáculos que estrearam na temporada de 2011 receberam seus devidos destaques, conforme a comissão julgadora – formada por Alexandre Mate (professor e pesquisador teatral), Valmir Santos (jornalista),    Marici Salomão (autora teatral e jornalista), Mario Bolognesi (professor e pesquisador de teatro) e Noemi Marinho (atriz, dramaturga e diretora) – do Prêmio Shell de Teatro que revelou os vencedores do mesmo.

Autor: Leonardo Moreira por O Jardim.

Diretor: Nelson Baskerville por Luis Antonio – Gabriela

Atriz: Roberta Estrela D’Alva por Orfeu Mestiço – Uma Hip-Hópera Brasileira Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Notas e Oportunidades Tags: , , , , , , , , , , ,
06/01/2012 - 21:05

Sai a lista dos indicados ao Prêmio Shell de Teatro pelo segundo semestre de 2011 em SP

Compartilhe: Twitter

Redação do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

A atriz Roberta Estrela D' Alva concorre por "Orfeu Mestiço"

SÃO PAULO – A Shell anunciou hoje a lista de indicados ao 24O Prêmio Shell de Teatro de São Paulo, referente às peças que estrearam entre julho e dezembro do ano passado. Os indicados nesta segunda etapa concorrem com os escolhidos no primeiro semestre, compondo a lista de finalistas da edição.

A homenagem desta edição do Prêmio Shell de Teatro será prestada à Mariangela Alves de Lima pelos seus 40 anos dedicados à crítica e à pesquisa do teatro brasileiro. Em 1978, Mariangela escreveu História das Ideias, uma documentação sobre a companhia Teatro de Arena de São Paulo. O Nacional e o Popular na Cultura Brasileira, escrito em 1983, faz uma reflexão sobre o cenário cênico nacional.

Nesta edição, fizeram parte do júri de São Paulo: Alexandre Mate (professor e pesquisador teatral), Marici Salomão (autora teatral e jornalista), Mario Bolognesi (professor e pesquisador de teatro), Noemi Marinho (atriz, dramaturga e diretora) e Valmir Santos (jornalista).

Premiação

Os vencedores de cada categoria recebem uma escultura em metal do artista plástico Domenico Calabroni, com a forma de uma concha dourada, inspirada na logomarca da Shell, e uma premiação individual de R$ 8 mil (oito mil reais). A premiação é oferecida aos maiores destaques da temporada teatral, no Rio de Janeiro e em São Paulo, separadamente, em nove categorias: Autor, Diretor, Ator, Atriz, Cenário, Iluminação, Música, Figurino e Especial.

Confira a lista completa de indicados ao 24º Prêmio Shell de Teatro de São Paulo: Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Notas e Oportunidades Tags: , , , , ,
29/12/2011 - 17:53

As marcas de 2011, só algumas

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (Michel@aplausobrasil.com)

"Luís Antonio - Gabriela", da Cia Mungunzá. Na foto o ator Marcos Felpe

SÃO PAULO – Inevitável ser injusto e esquecer algum espetáculo, dentre aqueles a que assisti neste 2011, e deixá-lo de fora no artigo que segue: minhas sinceras desculpas desde já. Destacarei abaixo alguns espetáculos e artistas que marcaram a cena desse ano.

Ainda no primeiro semestre, Luís Antônio – Gabriela, da jovem Cia. Mungunzá, deixou marcas indeléveis e angariou sucessivas – e merecidas – temporadas de sucesso, louros da crítica, indicações a prêmios (só ao Shell foram cinco), culminando na vitória do Prêmio da Associação Paulista de  Críticos de Arte (APCA) como o melhor espetáculo teatral de 2011. Escrita e dirigida por Nelson Baskerville, que utilizou elementos biográficos como depoimentos de familiares, documentos, lembranças, entre outros elementos, para conceber um espetáculo-homenagem a seu irmão Luís Antonio que, no final dos anos 1980, embarcou para Bilbao (Espanha) como Gabriela e conquistou o auge na noite espanhola e o declínio depois de viciar-se e contrair o HIV.

A forma documental e, ao mesmo tempo, artesanal como o espetáculo é construído/ executado aos olhos do público – mesmo que a alguns minutos antes do fim, se torne um tanto prolixo  -, afasta o tom melodramático que, em geral, é tratado o tema e atinge o apogeu da cumplicidade personagem/ plateia: choramos as chagas míticas da diferença recusada de Luís Antonio Gabriela.

Só faltou um prêmio especial ao ator Marcos Felipe que dá o vigor e a exuberância à/ ao protagonista e tornou  a viagem, aos estertores dessa ficção X verdade, inesquecível.

Jarbas Homem de Mello e Claudia Raia em "Cabaret"

Divide a bonança da temporada 2011 na categoria espetáculo, segundo o que assisti, o musical (peço perdão à inteligentsia, mas gosto é gosto e o meu tem critérios artísticos) Cabaret, de Joe Masteroff, músicas de John Kander e  letras de Fred Ebb, sob magistral direção de José Possi Neto, cujo portentoso conjunto artístico deixará sua marca na antologia do teatro musical realizado no Brasil.

Protagonizado pela Diva Claudia Raia, que dá maturidade e peso dramático à Sally Bowles, e por Jarbas Homem de Mello, que imprime uma especial androginia à Dzi Croquettes em seu sarcástico MC, o Cabaret conta ainda com a tímida, porém, eficaz presença de Guilherme Magon na pele de Cliff, as primorosas presenças de Marcos Tumura (Herr Schultz) e Liane  Maya (Fraulein Schneider), cenografia deslumbrante de Chris Aizner, iluminação impecável de Paulo César Medeiros, excelente direção mmusical de Marconi Araújo, deslumbrantes figurinos de Fábio Namatame, impecável e poética ver são brasileira de Miguel Fallabela, notáveis bailarinos e elenco de apoio, enfim, um conjunto de indiscutível qualidade.

Ainda no primeiro semestre, as presenças de Pterodátilos – com interpretações marcantes de Mariana Lima, Marco Nanini e Álamo Facó, além da sintética direção de Felipe Hirsh e do engenhoso cenário de Daniela Thomas –, Deus da Carnificina – instigante obra da dramaturga francesa Yasmina Reza em direção simples, porém notável, de Emílio de Mello  e brilhante composição da atriz Júlia Lemmertz – e o monólogo O Estrangeiro­ – adaptação do romance de Alberto Camus dirigida por Vera Holtz e excelente interpretação de Guilherme Leme – garantiram aos paulistanos a boa safra do teatro produzido no Rio de Janeiro. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas Tags: , ,
20/12/2011 - 18:53

Sai a lista final de indicados ao Prêmio Shell de Teatro do RJ

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (Michel@aplausobrasil.com)

Rafael Primot concorre na categoria Melhor Ator

RIO DE JANEIRO – É curioso que a lista de indicados ao Prêmio Shell de Teatro da cidade maravilhosa saia sempre primeiro que a de São Paulo e, também, me parece que o júri carioca é mais aberto a indicar espetáculos musicais, já os paulistanos indicaram um ator que brilhou em cena na pele de personagens cômicos, Marcelo Médici em O Mistério de Irma Vap. Mais uma vez adiantado o júri carioca do Prêmio Shell anunciou hoje a lista dos indicados pelo segundo  semestre de 2011 – de julho a dezembro. Os indicados nesta segunda etapa concorrerão com os escolhidos no primeiro semestre, compondo a lista de finalistas da edição.

A Homenagem Especial desta edição é dedicada à atriz Barbara Heliodora pelo exercício da crítica teatral ao longo dos últimos 54 anos.

Nesta edição, o júri do Rio de Janeiro foi formado por Fabiana Valor (atriz e bailarina), Helena Varvaki (atriz e professora), João Madeira (diretor do grupo AfroReggae), Macksen Luiz (crítico teatral) e Sérgio Fonta (dramaturgo, diretor e ator).

Confira a lista completa de indicados ao 24º Prêmio Shell de Teatro do Rio de Janeiro:

Autor: Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , ,
05/12/2011 - 16:09

Panorama SESI de Dança 2011 apresenta oito espetáculos de sete companhias

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

Ballet Stagium comemora 40 anos no "Panorama SESI de Dança" 2011

SÃO PAULO – De quarta-feira (7) até o dia 18 de dezembro, O Teatro Popular do SESI, em São Paulo terá apresentações gratuitas de Antônio Nóbrega, Ballet Stagium, Cristian Duarte, Cia. Siameses, Cia. Mario Nascimento, Jean Abreu e Jorge Garcia.

Além de apresentar grupos e artistas marcantes da dança contemporânea brasileira, a décima primeira edição do Panorama SESI de Dança ganha dimensão internacional com a participação do grupo suíço Alias, que trará duas produções para o palco do Teatro Popular do SESI São Paulo (Av. Paulista, 1.313). Será a estreia no Brasil desta prestigiada companhia, que é dirigida pelo paulista Guilherme Botelho. Sob curadoria da jornalista e crítica Ana Francisca Ponzio, o Panorama 2011 terá espetáculos que confirmam o vigor da dança produzida por brasileiros, seja no próprio país ou no exterior. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Dança, Música e Cinema Tags: , , ,
07/07/2011 - 19:42

Sua Incelença, Ricardo III abre 11ª edição do FIT

Compartilhe: Twitter

Franklin Catan, especial para o Aplauso Brasil (Franklin@aplausobrasil.com)

"Sua Incelença, Ricardo III", direção de Gabriel Vilella para peça de Shakespeare

O grupo Clowns de Shakespeare, de Natal (RN), abre a programação do 11º Festival Internacional de Teatro (FIT) de São José do Rio Preto logo mais (às 20h) no Anfiteatro Nelson Castro, na Represa Municipal, com Sua Incelença, Ricardo III, uma releitura de Ricardo III, de William Shakespeare, com a expectativa de aproximadamente 4 mil pessoas na platéia.

Sua Incelença, Ricardo III faz parte da Mostra Petrobras, que destaca cinco espetáculos de grupos patrocinados pela estatal – também estão na lista O Grande Circo dos Irmãos Saúde, do Circo Teatro Artetude, de Brasília (DF), Ópera dos Vivos, da Companhia do Latão, de São Paulo, Oxigênio, da Companhia Brasileira de Teatro, de Curitiba (PR), e Till, A Saga de um Herói Torto, do Grupo Galpão, de Belo Horizonte (MG) (que encerra o FIT).

O título do espetáculo de abertura permite uma dupla leitura. Ao mesmo tempo em que “sua incelença” é uma expressão regional, que representa o pronome de tratamento sua excelência, é também o nome dado à cantigas típicas do Nordeste, geralmente atreladas a rituais fúnebres. Tais músicas, com ciclos de repetições de melodia e letra, mesclam-se a clássicos do pop inglês, incluindo Bohemian Rhapsody, da banda Queen.

Mas não é só a trilha sonora que cria pontes entre a cultura popular brasileira e o universo elisabetano. De um lado, cenografia, figurino e sotaque caracterizam o sertão. De outro, há a base da fábula britânica de William Shakespeare, Ricardo III. A trama se passa no final da Guerra das Rosas, conflito sucessório pelo trono da Inglaterra, que ocorreu entre 1455 e 1485. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags: , , ,
29/06/2011 - 23:39

O palco democrático de Londrina

Compartilhe: Twitter

Renato Forin Jr / Assessoria de Imprensa FILO

"As Três Velhas" (Produção brasileira)

FILO 2011 reuniu em Londrina as mais variadas vertentes cênicas em programação que destacou manifestações de vanguarda

A edição de 43 anos do Festival Internacional de Londrina fez do norte do Paraná, durante 17 dias, o principal palco das artes cênicas no País, com representantes do Brasil e mais 12 países. Por aqui, passaram grupos que trabalham com variadas linguagens, como o teatro, a dança, o circo, a música, as manifestações plásticas e as performances multimídias. Um mosaico de cores, palavras e sons que atualizam conhecimentos e proporcionam reflexões para um público cativo, oriundo não só de Londrina, mas de várias partes do Brasil e do mundo.

"Trois Vielles" (Produção belga)

A diversidade de estilos e a qualidade dos espetáculos guiaram a seleção da programação artística, que já se tornou referência para outros eventos do mesmo gênero em território nacional. A estreia de espetáculos durante o Festival, este ano, teve um caráter especial e inédito. Pela primeira vez, desde quando se tornou internacional, o FILO elegeu uma companhia da cidade para abrir a sua agenda de espetáculos. Coube ao Ballet de Londrina a missão de fazer a primeira apresentação de A Sagração da Primavera, releitura do coreógrafo Leonardo Ramos para obra homônima (1913) de Stravinsky e Nijinsky.

A aguardada estreia nacional desta que é uma das principais companhias do sul do Brasil foi um presente que o Festival reservou para o público: os ingressos para a apresentação no Ouro Verde foram distribuídos gratuitamente – disputa por entradas e galerias lotadas para uma noite de sucesso que prenunciou o êxito das 100 apresentações do evento. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores Tags: ,
14/06/2011 - 20:51

Eles fazem tudo por dinheiro

Compartilhe: Twitter

Guto Rocha/Assessoria de Imprensa FILO

"Chef" - Cia Viaje Inmóvil - Chile © CLAUDIO PéREZ

Espetáculo chileno narra história de um chef de cozinha que participa de reality show para escapar da crise econômica

Até que ponto uma pessoa pode chegar por causa da falta de dinheiro?  A Cia. Teatro Inmóvil, do Chile, busca uma resposta para esta pergunta com o espetáculo Chef, que será apresentado dentro da programação do FILO 2011 nesta terça e quarta-feira, às 21 horas, no Teatro Vila Rica.

Na montagem, um cozinheiro, dono de um restaurante ‘quebrado’ por causa de uma grave crise financeira, resolve participar de um reality show na tentativa de salvar seu negócio. No dia da estreia do programa, o cinegrafista que já estava trabalhando com o cozinheiro não aparece e manda uma moça para substituí-lo.

A novidade deixa o Chef perturbado e situações inesperadas acontecem, instalando-se o caos no set de filmagens. Quando o programa vai ao ar, outra confusão acontece, desta vez nas ruas, onde a população protesta por causa da crise.

A peça foi baseada no ensaio Uma Proposta Modesta, de 1729, do escritor irlandês Jonathan Swift. No texto, o ensaísta propõe, de forma irônica, uma solução para a miséria que assolava a Irlanda na época: os pobres venderiam seus filhos para que os ricos os comessem.

A atriz Daniela Montt, que contracena com o diretor e ator do espetáculo Jaime Lorca, conta que o texto de Swift foi um pretexto para tratar de um assunto atual: a crise.

“Inicialmente, esse ensaio serviu de base para uma outra peça que o dramaturgo Guillermo Calderón escreveu em 2009, chamada Degustación. Mas os planos mudaram e, então, surgiu Chef, com uma proposta diferente, mas abordando o mesmo tema”, comenta a atriz Daniela Montt.

A intenção do texto do espetáculo, segundo Daniela, foi fazer uma relação entre a proposta feita por Swift em seu ensaio e o fato de as pessoas, hoje em dia, se sujeitarem a tudo para conseguir dinheiro.

“Da mesma forma que o chef se inscreveu no concurso da TV para salvar seu restaurante, a cinegrafista também encarou o desafio de trabalhar para um homem mal-humorado, a quem teve de conquistar. Tudo por causa do dinheiro”, observa.

Daniela conta que quando a crise econômica mundial estourou, em 2008, o autor da peça já estava trabalhando em seu texto.

“Foi uma coincidência, mas o espetáculo acabou ganhando mais importância”, diz. A atriz lembra que a crise afetou a todos no mundo e, no Chile, aconteceu em um momento de transição de governos. “O que percebo agora é que, apesar de o país apresentar um crescimento econômico de 8% ao ano, a crise só passou para os mais ricos. O povo continua com salários baixos e sofrendo com o desemprego”, opina.

O espetáculo estreou em 2010 no Brasil, durante a participação da Cia. Viaje Inmóvil no Festival Latino-Americano de Teatro da Bahia. A reação do público, tanto no Brasil como no Chile, foi muito boa, segundo conta Daniela. “Quando o espetáculo termina, as pessoas ficam paradas, parecem estar pensando no que acabaram de ver, só então aplaudem”, diz.

Antes de Londrina, o grupo levou Chef para Belo Horizonte (MG) e, em julho, segue para Portugal e Espanha.

Data: 14 e 15 de junho

Horário: 21 horas

Local: Teatro Vila Rica (Rua Piauí, 211)

Direção: Jaime Lorca

Classificação: Teatro adulto

Faixa etária: 14 anos

Duração: 75 minutos

LEGENDADO

Web: www.viajeinmovil.cl

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags: , ,
14/06/2011 - 19:59

FILO 2011: Argentina traz amores iluminados

Compartilhe: Twitter

Guto Rocha/Assessoria de Imprensa FILO

"Amar" - Alejandro Catalán & Cia - Argentina © MARIA SABATO

Espetáculo argentino utiliza a luz e som com códigos do cinema para criar espaços e narrativas cênicos do teatro

Gestos e expressões iluminados por lanternas ganham força narrativa para falar sobre relações amorosas. Em Amar, o aclamado diretor argentino Alejandro Catalán lança um olhar teatral muito particular sobre casais, que em algum momento da vida em comum se perguntam sobre se devem ou não seguir juntos.  O espetáculo será apresentado nesta terça (14) e quarta-feira (15), às 20 horas, na Funcart.

Na montagem, três casais saem para uma noitada regada a bebidas e música, e decidem ir até o litoral. Nesta aventura, seus vínculos começam a ser revelados.

“O espetáculo não é uma tese, nem um tratado sobre o amor. O queremos é que esses casais sejam representativos de uniões singulares e em situações também singulares, mas que tenham coisas comuns a qualquer outro casal”, comenta Alejandro Catalán. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags: , , , , ,
Voltar ao topo