Publicidade

Publicidade

13/02/2012 - 18:00

Renato Borghi está à frente da nova montagem de Os Sete Gatinhos

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, editor do Favo do Mellone site parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Com direção de Nelson Baskerville, clássico de Nelson Rodrigues faz parte da mostra do Teatro de Arena que comemora o centenário do dramaturgo carioca

SÃO PAULO – O lendário Teatro de Arena Eugênio Kusnet abriga a mostraQuem Ainda tem Medo de Nelson Rodrigues?”, com montagens das principais peças do dramaturgo que completaria 100 anos se estivesse entre nós. No último final de semana, o diretor Nelson Baskerville estreou nova montagem de Os Sete Gatinhos, peça de 1958, que traz no elenco Renato Borghi, Élcio Nogueira, Roberto Arduin, Roberto Borenstein, Willians Mezzacapa, Michel Waisman, Gabriela Fontana, Caroline Carreiro, Greta Antoine, Debora Veneziane e Adriana Guerra.

O polêmico e revolucionário teatro de Nelson Rodrigues é conhecido por sua crítica voraz aos costumes da classe média carioca, mais precisamente do subúrbio do Rio de Janeiro dos anos 1940 e 50. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores Tags: , , , , , , , , ,
02/05/2011 - 13:56

Teatro dá adeus a José Renato

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

O Teatro murcho: morreu Zé Renato

Uma das figuras mais importantes da História do Teatro Brasileiro, o ator e diretor José Renato, um dos fundadores do Teatro de Arena, morreu na madrugada de domingo (1º) para segunda-feira (2), quando ia embarcar para o Rio de Janeiro, como faz sempre após o espetáculo em que estava em cartaz, Doze Homens e Uma Sentença.

Ele deixa um importante legado teatral como a primeira montagem, em 1958, de Eles Não Usam Black-tie, e a criação/ manutenção do Centro Popular de Cultura (CPC) da UNE.

Abaixo segue o texto que o jornalista, ator e companheiro de cena em Doze Homens…, Oswaldo Mendes, escreveu sobre Zé Renato. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Notas e Oportunidades Tags: , , , , , , ,
05/02/2011 - 09:34

Evento faz homenagem para Lélia Abramo

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, colunista e crítico teatral do Aplauso Brasil

Luís Francisco Wasilewski, colunista e crítico teatral do Aplauso Brasil

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

Na próxima terça-feira (8), a partir das 19h, o Teatro de Arena Eugênio Kusnet (SP) receberá o evento comemorativo do Centenário da atriz Lélia Abramo.

Tadeu di Pietro, ator e amigo de Lélia, mobilizou a formação de uma comissão organizadora para o evento. O grupo conta com a colaboração da Funarte, Fundação Perseu Abramo, Secretaria de Cultura do PT Estadual Paulista, do Teatro Studio 184, Associação Raso da Catarina, representantes do Ministério da Cultura de São Paulo, a ministra da cultura do Governo Federal Ana de Hollanda, artistas, amigos e familiares da grande atriz.

Trata-se de um acontecimento digno de nota e aplausos. Lélia foi uma das mais importantes personalidades do teatro brasileiro do século 20. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags: , , , , , , , ,
02/06/2010 - 20:00

José Renato dirige Brecht no CPC – UMES

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Produção do CPC - UMES, "Santa Joana dos Matadouros" estreia no Teatro Denoy de Oliveira

O fundador do antológico Teatro de Arena, José Renato, volta a dirigir um espetáculo produzido pelo Centro Popular de Cultura da União Municipal dos Estudantes Secundaristas (CPC-UMES). Desta vez trata-se de Santa Joana dos Matadouros, do alemão Bertolt Brecht, cuja estreia será nesta quinta-feira (4), 21h, no Teatro Denoy Oliveira.

Com 15 jovens atores e três músicos em cena, Santa Joana dos Matadouros se passa em Chicago, no início do século 20, no auge da “grande depressão” – um caos econômico no universo capitalista – e, por meio da ficção criada por Brecht – um dono de uma rede frigorífica que, para livrar-se da crise, desfaz-se da empresa e,assim, prolonga as aflições do desemprego e falta de dinheiro à classe proletária – para discutir as fricções criadas num plano que favorece os donos do capital, enquanto extingue quaisquer direitos dos trabalhadores. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo