Publicidade

Publicidade

07/06/2012 - 23:59

Os patéticos seres marginalizados de Senhora no Jardim

Compartilhe: Twitter

Afonso Gentil, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Grupo Botija apresenta "Senhora no Jardim" só até domingo

SÃO PAULO – Um jovem presidiário em liberdade condicional tromba com uma prostituta sexagenária (como gosta de ser chamada, “puta nunca!”) numa imaginária noite mal iluminada do Jardim da Luz. Na cena do Teatro Augusta vê-se um banco ao centro do palco. No proscênio, à direita, um carrinho voltado para o fundo, com um presumível bebê que dorme ou está desmaiado de fraqueza. Desde o início o diálogo é de assumida rudeza, tamanha a sinceridade que brota das palavras de ambos os lados, assim é o ambiente de Senhora no Jardim que encerra temporada no próximo domingo (10).

Ninguém mais se ruboriza na platéia ante uma cachoeira de palavrões, desde quando surgiu um Plínio Marcos sem pudores em Navalha na Carne e Dois Perdidos Numa Noite Suja fazendo uma  deputada, feroz defensora  dos bons costumes exigir que se colocasse na bilheteria tratar-se de “espetáculo pornográfico”. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas, DESTAQUE Tags: , , , , , , , , , ,
26/03/2012 - 20:32

Paulo Goulart Filho protagoniza ótima montagem

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"Quarto 77" - em cena - Paulo G.Filho e Maria Laura - foto de Demian Golovat

SÃO PAULO – Quarto 77, de Leonardo Alkmim, é um texto interessante, na linha expressionista, enfocando um personagem recém separado da esposa e, talvez, em surto, cuja temporada, de sexta-feira à domingo, segue em cartaz no Teatro Augusta até o próximo dia 8.

Roberto Lage, quem assina a direção, cria um espetáculo extremamente convincente, com pouquíssimos recursos cênicos e acerta também no elenco.

Paulo Goulart Filho está arrasando, envolvendo a plateia o tempo todo. Um sério candidato a melhores do ano. Contracena com ele, Maria Laura Nogueira que também convence o público. Em papel menos extenso há Gisa Guttervil. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , , , , ,
23/03/2012 - 00:03

Teatro Augusta abriga dois bons autores bissextos

Compartilhe: Twitter

Afonso Gentil, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Elenco de "Esconderijo" - foto de Fábi Ghrun

SÃO PAULO – Com tantas estréias acontecendo neste primeiro trimestre, duas presenças interessantes, as dos autores Leonardo Alkmin (Quarto 77) e Leo Chacra (Esconderijo), correm o risco de passar despercebidas. O que seria no mínimo injusto, face às boas qualidades  dos seus trabalhos.

Vivemos tempos de babel estética e formalística, com muitos dos atuais diretores de grupo querendo “marcar território” nessa onda supostamente novidadeira, com releituras, desconstruções ou narrativas fragmentadas de preguiçosa criatividade. Realmente, é muito mais cômodo demolir, que recriar com os instrumentos da  modernidade. Colocam, então, esses encenadores,  autores consagrados de todas as épocas e todos os quadrantes na condição ultrajante de “mera paisagem” em suas discutíveis carnavalizações sem eira nem beira, onde impera o grotesco da graça(?) de mico de circo, entre outras enganações.

Daí o alívio ao nos depararmos com esses dois involuntários arautos do bom uso do palco como plataforma dos questionamentos existenciais, sociais e transcendentais que justificam a  permanência do teatro como  bússola civilizatória.

O PULSANTE REALISMO FANTÁSTICO  DE QUARTO 77

Pouco conhecíamos de Leonardo Alkmin, autor deste instigante exercício de realismo fantástico, cartaz do Augusta 1. Em seu currículo desponta um premiado Cárcere Privado, nas antigas Jornadas SESC de Teatro. Antes Alkmin cursou Artes Cênicas na ECA/USP, mas não há informação em qual delas se formou.

Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
20/03/2012 - 12:47

Com ótima direção de Ewerton de Castro, vale ver

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"Eu sei que vou te amar"

SÃO PAULO – Eu sei que vou te amar, de Arnaldo Jabor já foi filme, já foi livro, peça de sucesso com Alexandre Borges e Júlia Lemmertz, e, agora, ganha nova adaptação – um tanto quanto estranha – para o teatro assinada por Francisca Braga, em cartaz quartas e quintas no Teatro Augusta.

Realmente a peça dá certo graças à direção de Ewerton que também assina a cenografia e trilha. Apesar de bom elenco formado pela bela Lígia Paula Machado e o eficiente Daniel Morozetti, pelo menos as mulheres assistem muito distanciadas a um texto que parece ignorar as características femininas. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , , , , ,
19/03/2012 - 15:23

Paulo Goulart Filho surpreende em Quarto 77

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, editor do Favo do Mellone site parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"Quarto 77" - em cena - Paulo G.Filho e Maria Laura - foto de Demian Golovat

Com direção de Roberto Lage, a peça de Leonardo Alkmim retrata o universo de um homem que se refugia num quarto de hotel e recebe a inesperada visita de uma mulher. Mistério, alucinação, realidade se entrelaçam com um final impactante

SÃO PAULO – Hotel abandonado do centro da cidade. O personagem central de Quarto 77 — peça de Leonardo Alkimm que acaba de estrear no Teatro Augusta — escolhe este local para se refugiar. Sem nome, este Homem, vivido por Paulo Goulart Filho, chega à noite ao hotel fugindo sabe-se lá do quê e, com receio, instala-se para descansar.

“O sono da razão gera monstros”
Para sua surpresa, o Homem acorda e, assustado, vê uma Mulher (interpretada por Maria Laura Nogueira) dormindo na cama ao lado da sua. Aparentemente a cena retrata uma realidade — ela diz que não tinha mais vaga no hotel e como o quarto 77 possui duas camas foi encaminhada para lá. No entanto, o público a partir da repetição da mesma cena (chegada ao quarto, descanso, surpresa ao acordar e diálogo entre os personagens) é levado ao universo misterioso, surreal e angustiante daquele casal. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores Tags: , , , , , , , , , ,
07/03/2012 - 15:35

Paulo Goulart Filho e Roberto Lage se encontram no Quarto 77

Compartilhe: Twitter

Redação do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)


Paulo Goulart Filho em texto de Leonardo Alkmim


SÃO PAULO – Quarto 77,  texto escrito pelo brasileiro Leonardo Alkmim – que, na primeira década do século 21, esteve na Mostra de Dramaturgia Contemporânea do SESI-SP com Remoto Controle -, marca o encontro entre o ator Paulo Goulart Filho e o diretor Roberto Lage, a partir desta sexta-feira (9), no Teatro Augusta.

Maria Laura Nogueira e Gisa Gutervil completam o elenco de Quarto 77 que conta a história de um Homem que se isola em um quarto, sendo surpreendido por uma Mulher que aparece para dividir com ele o aposento. Flertando com o surreal, esta situação se desenrola de maneira surpreendente e tem um desfecho totalmente inesperado.

Nesta história tudo pode ou não ser real. As personagens podem ou não existir. E será que elas realmente estão ali, naquele Quarto 77? O diretor Roberto Lage optou por montar o texto exatamente como ele é, sem dar explicações, sem se colocar de nenhum lado, nem mesmo defender alguma possibilidade.

Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Notas e Oportunidades Tags: , , , , , , , , , , , ,
03/02/2012 - 20:37

Espetáculo Esconderijo estreia no Teatro Augusta

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial  para o Aplauso Brasil (lfw@gmail.com)

"Esconderijo" -Aline,Renato,Livia -foto de Fábio Ghrun

SÃO PAULO – Com texto e direção do jovem dramaturgo Leo Chacra, o espetáculo Esconderijo estreia dia 10 de fevereiro, sexta-feira, na Sala Experimental do Teatro Augusta, em São Paulo, às 21 horas.

O enredo desta montagem transita pelas paixões em suas diversas manifestações e pelas relações amorosas: Três histórias de amor são marcadas por desencontros e afetos perdidos. O elenco é formado por Aline Abovsky, Renato Bisoni e Lívia Prestes.

A história se passa na São Paulo de 1969, época do regime militar no Brasil. Esse momento político é somente o pano de fundo para contar a história de Juliana, uma jovem ativista política que, após uma traição, busca refúgio na casa de Marina, ex-mulher de seu namorado Pedro (personagem que não aparece fisicamente em cena). Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags: , , , ,
16/09/2011 - 18:15

Plateia é coadjuvante da atriz Mariana Ximenes

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (aplauso@gmail.com)

"Os Altruístas", de Nicky Silver, ganha montagem dirigida por Guilherme Weber

Apesar de sua carreira de atestado valor na TV e no cinema, além de sua formação como atriz no Teatro-escola Célia Helena e de integrar o elenco de A Rosa Tatuada em montagem carioca (2000), a atriz Mariana Ximenes debuta, profissionalmente, no teatro paulistano sob direção do consagrado ator Guilherme Weber. Os Altruístas, de Nick Silver, ganha o palco do Teatro Augusta, às 21h30, de hoje. Segundo o diretor, “a platéia é o sexto personagem da peça”.

A trama do, nada politicamente correto, autor novaiorquino gira em torno da famosa atriz de televisão, Sidney (Mariana Ximenes), segundo a intérprete, “carente, bulímica e que acredita que fazer novelas é sua forma de prestar serviço social”, Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , ,
08/02/2011 - 22:20

Peça traz amigos em crise

Compartilhe: Twitter

Crítica de Michel Fernandes publicada na edição de 03 de fevereiro de 2011 no jornal Diário de São Paulo (michel@aplausobrasil.com)

Peça de Alan Ayckbourn fica até 11 de fevereiro em cartaz

Há uma sensação da ausência da real amizade, e, no entanto, não me refiro somente aos dias em que os relacionamentos virtuais proliferam. Cadê os diálogos mais francos, sem medo de mergulhar em assuntos aparentemente intocáveis? A falta de afeto, de trocas mais profundas são moléstias atemporais. O mote de Amigos Ausentes (Absent Friends), do inglês Alan Ayckbourn – em cartaz até sexta-feira (11) na sala principal do Teatro Augusta – é justamente a crise das relações e a patética repetição de puídos clichês daqueles que se imaginam capazes de confortar os que consideram mais frágil, que mascara a arrogância de quem se pensa superior aos que “estão por baixo”.

Em Amigos Ausentes a trama gira em torno da organização de um chá para receber Colin (Daniel Warren em interpretação tocante) por seus velhos amigos – que acreditam estar Colin arrasado devido a morte recente de sua noiva. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Críticas Tags: , , , , , ,
30/01/2011 - 23:16

Diversão inteligente é a proposta da encenação de “Cândida”

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, para o site Favo do Mellone, parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Comédia de Bernard Shaw, com Bia Seidl no papel título,

Sérgio Mastropasqua e Bia Seidl em "Cândida"

permanece em cartaz até final de março, no Teatro Augusta

Montagem do Núcleo Experimental, Cândida, comédia clássica do irlandês Bernard Shaw, está de volta ao Teatro Augusta depois de quatro temporadas na capital e de turnê pelo país. A peça já viajou por 19 cidades, com mais de 200 sessões e um público estimado de 50 mil espectadores; permanece em cartaz até o dia 27 de março.

Sob direção de Zé Henrique de Paula, que também assina figurino e cenografia, Cândida foi escrita em 1895 e discute o casamento, insinuando inclusive um triângulo amoroso. Tudo acontece num único dia, quando o reverendo Morell, interpretado por Sergio Mastropasqua, está à espera de sua esposa Cândida (Bia Seidl) que estava de viagem. Ela chega, mas traz consigo Eugenio Marchbanks (Thiago Carreira), um poeta sensível, de apenas 18 anos.

O marido é apaixonado pela esposa e o garoto também se revela um admirador da bela senhora, que por sua vez sente-se atraída por ambos. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores Tags: , , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo