Publicidade

Publicidade

19/07/2012 - 07:05

Comédia romântica revela o talento da jovem atriz Julia Gomes

Compartilhe: Twitter

Nanda Rovere, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"A Garota do Adeus"

SÃO PAULO   – A Garota do Adeus apresenta o dia-a-dia de uma bailarina que é obrigada a dividir o seu apartamento com  Hélio, um desconhecido, depois que é abandonada pelo namorado.

Paula (Gabriela Duarte) vive com a filha Luci (Julia Gomes), de dez anos, e não tem sorte nos seus relacionamentos. Como o título da peça sugere, ela é sempre deixada pelas pessoas que ama.

Num primeiro momento, Hélio e Paula não conseguem se entender devido às diferenças de personalidade, mas aos poucos os dois personagens vão se aproximando e o amor é inevitável. São duas pessoas sozinhas, em busca do sucesso profissional e que apesar das diferenças começam se encantar um pelo outro. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas, DESTAQUE Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,
24/05/2012 - 13:05

Delicada, divertida e instigante, assim é A Garota do Adeus

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias*, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"A Garota do Adeus"

SÃO PAULO – Reunir essas qualidades num mesmo texto teatral não é pra qualquer um, mas é simples para Neil Simon, o campeão dos sucessos na Broadway. Nascido em 1927 escreveu peças como Estranho Casal e Hairspray, seus sucessos mais recentemente montados por aqui. Agora chega A Garota do Adeus. Peça que merece, como quase todas as obras (Descalços no Parque e Jesus Cristo Superstar, entre outras da enorme coleção do autor, o título que escolhemos para esse artigo.

O enredo trata de uma senhora Paula, abandonada pelo marido, o qual simplesmente subloca a própria casa, onde ela e a filha moram. Fazer o que? Era ele quem tinha assinado o contrato!

O responsável pela ótima adaptação é Edson Fieschi quem, também, interpreta o novo locatário com brilho e tem que se acertar com a protagonista Paula, a cargo da maravilhosa Gabriela Duarte, cuja filha Júlia Gomes de tenra idade, promete ser uma futura Fernanda Montenegro. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas, DESTAQUE Tags: , , , , , , , , , , , , ,
10/05/2012 - 23:33

Gabriela Duarte é A Garota do Adeus

Compartilhe: Twitter

Nanda Rovere, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Edson Fiesch e Gabriela Duarte dividem o palco em peça de Niel Simon

SÃO PAULO – A Garota do Adeus, do dramaturgo norte-americano Neil Simon, é mais uma produção do ator Edson Fiesch, que fez sucesso na capital paulista com o espetáculo Um Estranho Casal, do mesmo autor, em 2009. Neste novo trabalho, o artista está no palco ao lado das atrizes Gabriela Duarte, Julia Gomes, Clara Garcia e do ator Nilton Bicudo. A direção é de Elias Andreato. A estreia é nesta sexta-feira (11) Teatro Renaissance.

A comédia romântica A Garota do Adeus é a primeira adaptação para o teatro do filme Goodbye Girl, de 1977, de Simon, e apresenta a história da dançarina e atriz Paula Menezes (Gabriela Duarte), que  é abandonada pelo namorado. Ele vai para a Espanha fazer um teste para um longa de Almodóvar e, sem o consentimento de Paula, subloca o apartamento em que ela e a filha Luci (Julia Gomes) vivem para o ator Hélio Garcia (Edson Fieschi). Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, DESTAQUE, Matérias Tags: , , , , , , , , , , ,
27/10/2011 - 16:47

Cia. Teatro Rock aposta em musical alternativo

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (Michel@aplausobrasil.com)

"Se essa rua fosse minha"

SÃO PAULO – Para aqueles que imaginavam ser os musicais uma febre passageira, a primeira década desse novo século comprovou que o que parecia ser momentâneo não apenas se firmou como exigiu aprimoramento de artistas e técnicos. Dentre as dezenas de superproduções que estrearam neste ano, Se Essa Rua Fosse Minha – O Amor nos Anos de Chumbo, de Marcos Ferraz, com a Cia. Teatro Rock, aposta numa linha diferente, seja em relação aos temas tratados, a pesquisa na forma dramatúrgica, bem como no modesto orçamento das produções.

“Somos  o ‘primo pobre’ do teatro musical (referência aos 55 mil que custou a produção de Se Essa Rua Fosse Minha em comparação aos 5 milhões que custou Cabaret), mas fazemos o que acreditamos. Gosto de algumas superproduções musicais, mas a preocupação da Cia. Teatro Rock é pesquisar uma linguagem dramatúrgica de musicais com produções mais baratas”,  diz Marcos Ferraz, também roteirista do programa Descolados,  da MTV.

Sob direção de Fezu Duarte e Marcos Okura, Se Essa Rua Fosse Minha inspira-se  na história  de amor impossível entre Romeu e Julieta, protagonistas da peça homônima do bardo inglês William Shakespeare, mas aqui, ao invés da inimizade das famílias Capuleto e Montechio, Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , , , , ,
19/04/2011 - 22:29

Evita é um musical imperdível

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Paula Cappovila dá vida à Eva Duarte Perón no musical "Evita"

Diferente dos musicais que têm sido encenados por aqui, Evita é totalmente cantado. É uma espécie de ópera popular de muito bom gosto. Conta história da mulher de Juan Perón em detalhes peculiares. Dirigida pelo consagrado Jorge Takla (My Fair Lady; O Rei e Eu, West Side Story), Evita inova seu estilo, apresentando filmes e slides ao fundo, com extrema competência. Dá saudade de Buenos Aires, mesmo sendo da década de 1950. Mas o grande acerto do musical assinado por Tim Rice e Andrew Webber, em sua versão brasileira (de Cláudio Botelho), são os atores maravilhosos que o protagonizam.

O carisma de Paula Capovilla é assombroso. Impossível deixar de admirá-la e de embarcar em suas ações (ainda que cantando o tempo todo). Ela consegue uma empatia total com a plateia.  

Fred Silveira, quem interpreta Che Guevara, também impressiona muito. Todo mundo sabe que Che nasceu na Argentina, mas teria ele participado da política do país na época? Não se sabe. De todo modo, colocá-lo como narrador e, por vezes, comentando as situações se mostrou um ideia brilhante na medida em que a peça se exime de criticar ou de elogiar a atuação dos caudilhos do período (também tivemos Vargas). Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo