Publicidade

Publicidade

15/09/2012 - 12:12

Amizade masculina dissecada em Arte

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, editor do Favo do Mellone site parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

''Arte" - crédito André Wanderley

A compra de um quadro de arte contemporânea provoca uma reviravolta na relação entre Ivan, Marcos e Sérgio, vividos por Vladimir Brichta, Marcelo Flores e Claudio Gabriel. Direção de Emílio de Mello

SÃO PAULO – Partir de um fato corriqueiro para discutir temas profundos da relação humana. Mais uma vez a dramaturga francesa Yasmina Reza tem esta intenção com a peça ARTE, em cartaz na cidade, no Teatro Renaissance, depois de grande sucesso carioca.

Assim como fez em Deus da Carnificina — que a briga entre dois garotos na escola provoca um turbilhão na vida de seus pais —, desta vez é um quadro de arte contemporânea (supostamente em branco) adquirido por Sérgio, interpretado por Claudio Gabriel, causa uma revolução na relação de amizade entre ele e Marcos e Ivan, vividos por Marcelo Flores e Vladimir Brichta. Mais do que discutir conceitos estéticos das artes plásticas, os três rapazes entram numa briga visceral, trazem à tona rugas antigas, pontos de vista diversos sobre a vida, colocando, inclusive, em cheque a amizade entre eles. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores, DESTAQUE Tags: , , , , , , , , ,
02/12/2011 - 19:13

Espectador ganha o centro do palco em Cartas de Amor – Electropoprockoperamusical

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone* (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Depois de se apresentar em Brasília e Rio de Janeiro no ano passado, o espetáculo chega à cidade para duas temporadas no CCBB, a primeira até o dia 15 de dezembro e no ano que vem, de 11 de janeiro a 2 de fevereiro

"Cartas de Amor - Electropoprockoperamusical" - foto Guga Melgar

SÃO PAULO – Uma experiência inusitada: o espectador entra no teatro do CCBB-SP e é encaminhado para o centro do palco, com pequenos módulos dispostos aleatoriamente no espaço, com folhas secas jogadas no chão. Ao redor, quatro telões de vídeo e dois quartos, cada um com cama e uma pequena estante com monitor de vídeo. Os atores recebem as pessoas e indicam onde devem se sentar. Percebe-se então que o público fica onde seria a sala daquela casa semi-abandonada. Aos poucos, os atores se dirigem aos espectadores e recitam pequenos versos de amor ao pé do ouvido. Pronto, o clima está estabelecido para que Cartas de Amor – Electropoprockoperamusical tenha início.

As 14 instalações musicais — rock, pop, MPB— tratam de relações amorosas e conduzem a peça. O roteiro e as letras das músicas, de Flavio Graff, foram criados a partir de histórias encontradas em cartas de amigos dos componentes do grupo, em feiras de antiguidades, além de poemas e referências pessoais de Graff, que também assina a direção ao lado de Emílio de Mello. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores Tags: , , , , , , , , , , , , ,
25/09/2011 - 15:52

Marcelo Médici e Ricardo Rathsam levam público ao delírio cômico

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias*, especial para o Aplauso Brasil (aplauso@gmail.com)

Marcelo Médici e Ricardo Rathsam em peça de Emílio Boechat

Nunca ri tanto como em Eu Era Tudo Pra Ela e Ela Me deixou. Se eu ri, não me lembro, pelo menos no teatro. Marcelo Médici está arrebentando a boca do balão no ótimo e divertido texto de Emílio Boechat, em cartaz no Teatro FAAP. A plateia ri sem parar. E não só por causa de Marcelo, mas também de Ricardo Rathsam (que dirigiu Médici em Cada Um Com Seus Pobrema) que contracena com ele o tempo todo, sem se distanciar de seu personagem, ingênuo e triste, nem por um segundo, como se não entendesse as barbaridades que seu companheiro de cena faz na pele de vários tipos de homens e mulheres. É o máximo!

Conduzir bem esses dois atores no palco não deve ser fácil e é o que se vê na direção de Mira Haar (assistida por Patrícia Gasppar e Paula Weinfeld) que ainda assina os excelentes figurinos. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , , , , , ,
08/06/2011 - 22:17

Deus da Carnificina coloca a ideia do “politicamente correto” em cheque

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Elenco de "Deus da Carnificina" - foto Guga Melgar

Segundo o filósofo alemão Max Webber, somos éticos quando criamos uma expectativa e agimos de acordo com a mesma. Logo, podemos chamar os dois casais que compõem o quadro das personagens de Deus da Carnificina, em cartaz no Teatro Vivo, de seres desprovidos de quaisquer resquícios de ética, já que estão submersos num comportamento que vai da máscara da polidez social ao rasgo agressivo e primitivo.

Yasmina Reza, autora francesa de Arte, Um Homem Inesperado e Três Versões da Vida, entre outras, re-afirma sua extraordinária habilidade em urdir palavras que preenchem um enredo, aparentemente, singelo: dois casais se encontram para resolver um problema ocorrido na escola de ambos os filhos – uma agressão física que custou dois dentes de um dos garotos. Os pais da vítima recebem os pais do agressor para que juntos decidam a atitude que devem tomar.

Num primeiro momento, as tintas pasteis adequadas ao estilo “politicamente correto”, esperada pelos “cidadãos civilizados”, preenchem os pinceis desses pais. O documento que deverá registrar o ocorrido é lido e, feita apenas a alteração em uma palavra, é aprovada por todos. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Críticas Tags: , , , , , , , , ,
11/07/2010 - 05:40

In On It desvela o processo de criação teatral

Compartilhe: Twitter

Kiko Rieser, especial para o Aplauso Brasil (kikorieser@aplausobrasil.com)

IN ON IT no Teatro Eva Herz até 1º de agosto

In on it não é um espetáculo assinado pela Cia. dos Atores, mas poderia muito bem sê-lo. É dirigido por Enrique Diaz, diretor e fundador da Cia., e tem atores e iluminador que já participaram de diversos espetáculos do grupo carioca. Mas, mais importante, In on it se encaixaria perfeitamente (ainda que trazendo novidades) no percurso que a Cia. desenvolve há mais de vinte anos.

Basta ver as obras de seu repertório para notar que se tratam de trabalhos com enorme coerência estética entre si, pertencentes a um programa artístico dos mais bem definidos entre os grupos brasileiros. O nome da Cia. já evidencia um pouco da práxis a que ela se propõe: refletir sobre o ator, sua condição dentro do processo de criação de um espetáculo, seu trabalho sobre um texto teatral pré-existente e sua ação sobre o mundo. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , ,
07/05/2010 - 13:30

In On It volta a São Paulo

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, para o Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Emílio de Mello e Fernando Eiras em In on It

Depois de temporadas de sucesso – ano passado no Rio de Janeiro e de janeiro a abril deste ano no Teatro FAAP, em São Paulo –, o espetáculo In On It, de Daniel MacIvor, direção de Enrique Diaz.

Vencedor do Prêmio Shell de Teatro do Rio de Janeiro nas categorias de Melhor Ator (Fernando Eiras) e Direção (Enrique Diaz), In On It faz jus a todos os louros recebidos, seja pela crítica, público e em relação aos prêmios recebidos, vez que a simplicidade escora-se num espelho infinito em que o talento é o principal reflexo.

A trama de MacIvor casa perfeitamente bem com a forma estética, da metalinguagem, desenvolvida ao longo de quase 20 anos na Companhia dos Atores, do qual Diaz é um dos alicerces. Dois personagens, simplesmente Esse Aqui e Aquele Ali, participam de uma trama em que evidencia três camadas: a sala de ensaio em que um deles escreve uma peça com as interferências do outro, a peça em si que encenam numa espécie de criação vertical do texto e a memória da relação afetiva desses dois personagens. E a preocupação de Enrique Diaz em não segmentar a peça no nicho de “peça gay” tem todo sentido, pois a peça vai além da sexualidade, focando na relação afetiva que, no caso, é entre homens. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Críticas Tags: , , , , , , , , , , , , , ,
01/03/2010 - 19:08

Espetáculo marca o retorno de Norma Bengell

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

diasfelizesEla é uma das mais importantes atrizes do cinema brasileiro. Norma Bengell marcou a nossa cinematografia em filmes como O Homem do Sputnik, de Carlos Manga e Os Cafajestes, de Ruy Guerra. Sua beleza e seu estilo de interpretação foram tão marcantes que ela foi considerada primeiro a nossa Brigitte Bardot e depois, nossa Jeanne Moureau. Já no teatro a carreira de Norma foi intervalada. No entanto, ela estrelou um grande acontecimento das nossas artes cênicas que foi a primeira encenação de Cordélia Brasil, texto de Antonio Bivar, que em 1968, foi protagonizado pela atriz, sob a direção de Emilio Di Biasi.

E é, justamente, Emilio o responsável pela volta da atriz ao teatro com a montagem de Dias Felizes, de Samuel Beckett, que traz de volta, também, aos palcos brasileiros o instigante texto escrito em 1960 pelo grande escritor irlandês. Na concepção de Emilio Di Biasi a peça será um tributo ao trabalho de Norma Bengell, pois a história de Winnie, a personagem que interpreta, se fundirá à obra cinematográfica da atriz através de cenas que serão projetadas no espaço cênico do Teatro do SESC Ipiranga, onde a peça estreia sexta-feira (5), 21h.

Dias Felizes tem ainda no elenco a participação especial de Ariel Moshe, como Willie. A tradução do texto é de Barbara Heliodora, direção musical de Demian Pinto, cenografia de Cesar Rezende, desenho de luz de Erike Busoni, figurino e visagismo de Kleber Montanheiro, trilha sonora e música original de Rodolfo Valente. A direção geral é de Emílio Di Biasi e a direção geral de produção de Alexandre Brazil, ambos responsáveis pela idealização do projeto. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags: , , , , , , , , ,
14/01/2010 - 18:30

Um genial autor canadense na mão de três mestres do teatro brasileiro

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, especial para o Último Segundo (michelfernandes@superig.com.br)

Emílio de Melo e Fernando Eiras em <i>In On It</i>

Emílio de Melo e Fernando Eiras em In On It

O título dessa matéria pode soar como exagero aos que desconhecem o trabalho desses três artistas ímpares do teatro nacional – o diretor Enrique Diaz e os atores Emílio de Melo e Fernando Eiras –, entretanto a parceria com o dramaturgo canadense Daniel MacIvor, em In On It, há de deixar evidente a excelência dessas quatro figuras e que o título nada mais faz do que jus ao trabalho. A peça, produção de Diaz, chega com pé direito à temporada paulistana, a partir desta quinta-feira (14), para convidados, e sexta-feira (15), para o público em geral, ambos os dias às 21h30, no Teatro Faap.

Autor e roteirista de extrema importância na cena dramática canadense, In On It é o primeiro texto de Daniel MacIvor encenado no Brasil e nos revela um domínio impressionante da carpintaria dramatúrgica. Digo isso com a convicção de quem assistiu ao espetáculo no Festival Internacional de Teatro de São José do Rio Preto (FIT SJRP), em julho de 2009.

“O autor tem muito precisão na matemática estrutural do espetáculo”, aponta o diretor Enrique Diaz que atuou no papel de Fernando Eiras – que se recuperava duma cirurgia no apêndice –, no FIT SJRP. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , ,
Voltar ao topo