Publicidade

Publicidade

17/11/2010 - 13:12

Guilherme Leme esbanja segurança e talento em “O Estrangeiro”

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Monólogo é dirigido pela excelente atriz Vera Holtz

O que realmente me encanta numa peça teatral é quando a proposta parece estar de acordo com as ambições dos artistas envolvidos na representação. Tudo é uma questão de comunicação. Dois pólos: um que emite, outro que recebe. Esse é o caminho seguido em “O Estrangeiro”, romance de Alberto Camus, cartaz do Teatro Eva Herz (só até domingo!), em que o ator Guilherme Leme esbanja segurança e talento alicerçado pela sólida direção da atriz Vera Holtz.

Tudo é simples e direto: Meursault, personagem interpretado por Leme, narra sua trajetória enquanto veste um sóbrio terno preto sobre camisa e regata branca, uma cueca samba-canção branca e meias, também, brancas. O claro e o escuro permeiam toda a trajetória da personagem.

A simplicidade do cenário – uma cadeira de madeira giratória, o teto e um linóleo brancos, que delimitam o claustrofóbico espaço cênico onde Meursault está confinado -, a iluminação formada por luzes sem outra cor senão o branco, além da sombra que sua diminuição provoca, contribui para a edificação da simplicidade e para que o público seja enlaçado pela narrativa, sem, no entanto, provocar uma catarse de comiseração por Meursault. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Críticas Tags: , , , , , , , , , ,
03/11/2010 - 18:49

“Dos Escombros de Pagu” celebra centenário de Patrícia Galvão

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, para o site Favo do Mellone parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Renata Zanetha é Pagu

Para comemorar os 100 anos de Patrícia Galvão, peça de Tereza Freire faz um passeio pela carreira da jornalista, escritora e ativista política

Teatro é mesmo uma arte coletiva. Mesmo que seja um monólogo, como “Dos Escombros de Pagu”, em cartaz no Teatro Eva Herz, a montagem atual é o resultado do sonho inicial de três pessoas, Tereza Freire, Roberto Lage e Renata Zhaneta, autora, diretor e atriz do espetáculo.

No entanto, esse sonho inicial, o de fazer uma homenagem aos 100 anos de nascimento de Patrícia Rehder Galvão, a Pagu, escritora, jornalista e principalmente a humanista, que lutou durante toda a vida contra a opressão e a desigualdade, se transformou nesse espetáculo delicado e emocionante, que reúne uma equipe brilhante como Wagner Freire (iluminação), Heron Medeiros (cenário), Gilda Bandeira de Mello (figurino) e Aline Meyer, que une a poesia de Caetano Veloso e a emoção de Edith Piaf na trilha sonora!
Mais do que o mito ou a musa do movimento antropofágico de Oswald de Andrade, a Pagu que se vê no palco pela tocante composição de Renata Zhaneta é uma mulher de 52 anos (a idade em que a homenageada morreu, em 1962) que revisita sua existência e escancara suas fragilidades, fraquezas, opções e escolhas diante da vida. Da garotinha que já se sentia diferente e alheia às brincadeiras infantis, à adolescente transgressora e ao mesmo tempo inocente; da militante comunista à presa política. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas, Matérias Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,
20/10/2010 - 17:50

Pagu sai dos escombros

Compartilhe: Twitter

Pagu: uma mulher bem à frente de seu tempo

Crítica da peça “Dos Escombros de Pagu”, de Michel Fernandes, escrita especialmente para o jornal Diário de São Paulo

Publicada na edição impressa de domingo (18)

Cem anos de Pagu. Sim, mas quem é Pagu? Não, não participou da Semana de Arte Moderna de 1922. Eterna vanguardista, quebrou tabus sociais e sexistas, crítica teatral e literária participou do Movimento Antropofágico, do qual foi musa, militou no Partido Comunista etc. Contudo, demorou cem anos para que seu nome, efetivamente, saísse do limbo dos achismos e exalasse o perfume da liberdade que seguiu com veemencia, mesmo que para isso pagasse alto preço do desprezo sócio-político. Pagu ressurge no solo “Dos Escombros de Pagu” que está em cartas às quartas e quintas no Teatro Eva Herz.

Tereza Freire adaptou a própria dissertação de mestrado sobre Patrícia Galvão, a Pagu, mas não há rastro de academicismo. A linguagem narrativa coloca Pagu (em excelente composição de Renata Zanetha) a recordar fatos marcantes de sua vida – sua adolescência incomum (fumava, relacionou-se, inclusive sexualmente, com um homem mais velho e casado.); sua ligação com o Movimento Antropofágico criado por Oswald de Andrade, com quem se casou e foi mãe de Rudá, seu primeiro filho; sua militância que a levou a distanciar-se do crescimento de Rudá; sua decepção com a militância política; o retorno à vida doméstica participando, mais ativamente, da criação de Geraldo Galvão Ferraz, seu filho com Geraldo Ferraz (seu segundo marido), e à Santos onde é destacável sua ajuda aos grupos teatrais amadores.

Roberto Lage, quem assina a direção e a produção do espetáculo, valorizou a contenção em lugar de invencionices de encenação. Acerta, inclusive, na escolha do Teatro Eva Herz, com seus 166 lugares, dando o desejável toque intimista ao espetáculo. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Críticas Tags: , , , , , , ,
13/09/2010 - 13:58

Três anos de Teatro Eva Herz comemorados com programação especial e abertura de filiais

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Guilherme Leme apresenta adaptação de "O Estrangeiro", de Camus

Na última quarta-feira (8), o Teatro Eva Herz, com a estreia do monólogo Dos Escombros de Pagu, deu início às comemorações de seus três anos de atividade exemplar. Logo mais, com a leitura dramática de Ciranda, de Célia Forte, dirigida por José Possi Neto, começa uma semana de intensas atividades na unidade paulistana, culminando na inauguração de filiais do teatro em Brasília e Salvador.

Desde sua inauguração, dia 15 de setembro de 2007, que o Teatro Eva Herz, sob direção artística de Dan Stulbach, prima pela qualidade de sua programação, conforme declaração emocionada antes do início da estreia de Dos Escombros de Pagu, mais um espetáculo de inúmeras qualidades como a inspirada interpretação de Renata Zanetha e o belo texto de Tereza Silveira. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , , ,
08/09/2010 - 14:26

Renata Zanetha é Pagu

Compartilhe: Twitter

Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrail.com)

O monólogo "Dos Escombros de Pagu" celebra o centenário de Patrícia Galvão

Patrícia Rehder Galvão, a Pagu, um dos ícones femininos mais importantes da história brasileira, completaria 100 anos de idade, caso estivesse viva, e para celebrar a data, o diretor teatral Roberto Lage, a atriz Renata Zhaneta e a escritora e historiadora Tereza Freire uniram-se com o objetivo de realizarem um sonho antigo. Essa soma resultou na concretização da peça Dos Escombros de Pagu, que estreia hoje no Teatro Eva Herz.

“Há muito tempo, a Tereza me entregou um ótimo texto que falava sobre essa mulher maravilhosa, incrível e que, infelizmente, foi execrada por um grande período. Depois disso, reacendeu uma vontade antiga (desde 1972) de realizar uma peça sobre essa mulher, por quem tenho uma grande admiração”, conta Lage. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , , , , , , ,
07/05/2010 - 13:30

In On It volta a São Paulo

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, para o Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Emílio de Mello e Fernando Eiras em In on It

Depois de temporadas de sucesso – ano passado no Rio de Janeiro e de janeiro a abril deste ano no Teatro FAAP, em São Paulo –, o espetáculo In On It, de Daniel MacIvor, direção de Enrique Diaz.

Vencedor do Prêmio Shell de Teatro do Rio de Janeiro nas categorias de Melhor Ator (Fernando Eiras) e Direção (Enrique Diaz), In On It faz jus a todos os louros recebidos, seja pela crítica, público e em relação aos prêmios recebidos, vez que a simplicidade escora-se num espelho infinito em que o talento é o principal reflexo.

A trama de MacIvor casa perfeitamente bem com a forma estética, da metalinguagem, desenvolvida ao longo de quase 20 anos na Companhia dos Atores, do qual Diaz é um dos alicerces. Dois personagens, simplesmente Esse Aqui e Aquele Ali, participam de uma trama em que evidencia três camadas: a sala de ensaio em que um deles escreve uma peça com as interferências do outro, a peça em si que encenam numa espécie de criação vertical do texto e a memória da relação afetiva desses dois personagens. E a preocupação de Enrique Diaz em não segmentar a peça no nicho de “peça gay” tem todo sentido, pois a peça vai além da sexualidade, focando na relação afetiva que, no caso, é entre homens. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Críticas Tags: , , , , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo