Publicidade

Publicidade

26/10/2011 - 02:32

Claudia Raia realiza sonho e protagoniza Cabaret

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (aplauso@gmail.com)

Jarbas Homem de Mello e Claudia Raia em "Cabaret"

SÃO PAULO – Vinte e dois anos depois da montagem de Cabaret, dirigida por Jorge Takla, cuja estreia ocorreu no Teatro Procópio Ferreira, a atriz Claudia Raia consegue realizar um sonho antigo e subir ao palco do mesmo teatro na pele da prostituta Sally Bowles, protagonista do musical inspirado em romance de Christopher Isherwood, com música de John Kander e letras de Fred Ebb, nesta sexta-feira (28), sob direção de José Possi Neto.

Convidada para protagonizar a montagem de 1989, Claudia Raia teve que declinar do convite por causa de compromissos  com a televisão, mas o desejo de interpretar a personagem não adormeceu.

“Foii uma corrida pelos direitos autorais esse tempo todo. Um dia eu cheguei para o (Sandro) Chaim e disse: – Você tem que me ajudar a conseguir os direitos de Cabaret. Preciso fazer Cabaret antes de estar andando de bengala. Ele topou, foi atrás e conseguiu. É uma produção cara de mais ou menos cinco milhões”, conta Claudia. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Dança, Música e Cinema, Matérias Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
21/04/2010 - 23:40

Um musical para celebrar as diferenças

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

Elenco principal do musical HAIRSPRAY, dirigido por Miguel FallabelaHá muitos anos li uma entrevista de Miguel Falabella para a extinta revista Interview em que ele assumia gostar do universo que circunda “as gordas americanas”. Talvez esse seja um dos motivos pelo qual ele traduziu, adaptou e dirigiu Hairspray, o delicioso musical que agora se encontra em cartaz em São Paulo.

A matriz de Hairspray está no filme que o cultuado cineasta John Waters dirigiu em 1988 com a célebre travesti Divine. A história gira em torno de Tracy Turnblad, uma jovem baixinha e gordinha que sonha em ser a Miss Hairspray. A ação do espetáculo tem como pano de fundo a segregação racial norte-americana da época, no caso, o começo dos anos 60.

Falabella mais uma vez foi feliz na transposição deste universo para os palcos, fez uma bela tradução das letras de Scott Wittman e Marc Shaiman, que junto com Marc O’Donnell e Thomas Meehan levaram a história de Warters para o palco. E Falabella soube escolher uma equipe excelente para cercá-lo na montagem. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo