Publicidade

Publicidade

14/06/2012 - 22:12

FIT – BH: Quiet representa Israel

Compartilhe: Twitter

Nanda Rovere, do www.mondobhz.com.br/fit-bh-2012, parceiro do Aplauso Brasil na cobertura do FIT- BH

De Israel para Belo Horizonte

BELO HORIZONTE – Israel está presente nos noticiários devido aos conflitos já existentes, mas temos poucas oportunidades para conhecer a produção artística do país. Quiet reflete o clima de instabilidade vivido pelos cidadãos e prega a paz entre os povos. Segundo a sinopse do espetáculo, a encenação é inspirada na realidade dos atores da montagem, que são árabes e judeus: um cotidiano em que o choque não permite que haja tranquilidade; o clima é tenso, apesar de muitas pessoas sonharem com uma vida pautada pela calma e pelo fim do medo.

Através do corpo, os atores expressam a instabilidade gerada pela guerra entre Israel e a Palestina. Textos e gritos de desespero são ouvidos durante a apresentação. Dança e teatro se unem. Os movimentos são incessantes, vigorosos e precisos.

Apesar do tema ser interessante, o entendimento do significado dos gestos e dos movimentos é complicado, o que torna a encenação cansativa. São 4 atores em cena, que ora interagem, ora dançam solitários. O tempo passa devagar e as cenas são demoradas.

Durante uma hora de apresentação, o público acompanha coreografias que sugerem um ciclo incessante entre guerra e paz. Brigas dão lugar a encontros harmônicos, mas logo em seguida há outro momento de tensão. Há tentativas de uma relação mais próxima, de toque físico, mas há muita dificuldade de integração, visto que os indivíduos parecem perdidos e enfurecidos, com receio de se entregarem a um relacionamento mais íntimo.

Um contínuo barulho de mar, no início da apresentação, dá lugar a uma trilha intensa e repetitiva, que perturba e irrita, sensações que remeteM o espectador ao espírito conturbado de uma guerra. Quiet nasceu do desejo dos integrantes do Grupo Arkadi Zaides de propor uma reflexão sobre a situação do Oriente Médio e clama por mudanças, que garantam à população uma vida sem violência. É um espetáculo que merece respeito devido ao seu caráter pacificador.

DETALHES

Grupo: Arkadi Zaides (Israel) Gênero: drama Direção e coreografia: Arkadi Zaides Elenco: Muhammed Mugrabi, Yuval Goldstein, Ofir Yudilevitch, ArkadiZaides Música: Tom Tlalim Duração: 1 hora / classificação indicativa: livre

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores, DESTAQUE, festivais Tags: , ,
16/11/2009 - 14:52

Bethânia celebra o amor e a devoção em BH

Compartilhe: Twitter

<i>Amor, Festa e Devoção</i> em Belo Horizonte

Amor, Festa e Devoção em Belo Horizonte

Antes de chegar a São Paulo – no início de dezembro, no palco do Teatro Abril, de 10 a 12 de dezembro -,  Amor, Festa e Devoção, novo show de Maria Bethânia, passa por diversas capitais brasileiras, caso de Belo Horizonte que recebe a “abelha rainha”, no Grande Teatro do Palácio das Artes, apenas nesta quarta (18) e quinta-feira (19), para celebrar o lançamento de seus dois novos trabalhos: Tua, uma elegia ao amor, e Encanteria, CD que festeja a devoção do povo brasileiro.

Dirigido por Bia Lessa – que assinou a direção de Brasileirinho, Tempo Tempo Tempo Tempo e Dentro do Mar Tem Rio, últimos shows da artista -, com roteiro de Bethânia e Fauzi Arap (diretor de shows antológicos da intérprete como Rosa dos Ventos  e Imitação da Vida), Amor, Festa e Devoção traz, em seu repertório, canções dos novos álbuns, além de clássicos como Não Identificado e Queixa.

CLIQUE AQUI para saber mais sobre Amor, Festa e Devoção no Grande Teatro do Palácio das Artes de Belo Horizonte.

<a href="“>

Autor: - Categoria(s): Dança, Música e Cinema, Multimídia Tags: , , , , , , , , , , , ,
24/10/2009 - 02:08

Grupo Galpão volta às origens: o teatro de rua

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, especial para o Último Segundo (michel@aplausobrasil.com

<i><b>Grupo Galpão</i></b> apresenta <i><b>Till, A Saga de Um Herói Torto</i></b>

Grupo Galpão apresenta Till, A Saga de Um Herói Torto

 

Depois de algumas experiências com o palco à italiana em montagens de clássicos como O Inspetor Geral, de Gogol, Um Homem é Um Homem, de Brecht, ambos dirigidos por Paulo José, entre outros, o Grupo Galpão

volta ao espaço que consagrou seu trabalho: a rua. E é ao ar-livre que esses talentosos mineiros de Belo Horizonte fazem meia-dúzia de apresentações de Till, A Saga de um Herói Torto, no Deck do SESC Pompéia até domingo (25), sábado (31) e domingo (1º), no Parque da Independência no Museu do Ipiranga.

O texto Till Eulenspiegel, do dramaturgo Luis Alberto de Abreu – mineiro radicado em São Paulo de quem a trupe, recentemente, encenou Um Trem Chamado Desejo -, escrito para e encenado pela Fraternal Cia. de Artes e Malas Artes há alguns anos, traz a história de Till, herói criado pela cultura popular da Idade Média na Alemanha que é gerado sem algumas peculiaridades inerentes à espécie humana, para cumprir uma aposta entre Deus e o Diabo.

 No coração de uma Alemanha miserável, cercada por personagens grotescos e espertalhões de toda espécie, Deus traz ao mundo a alma de Till que, de quebra, é abandonado meio ao frio e à fome num local em que descobre que, para sobreviver, precisa tornar-se mais e esperto e enganador que os outros. Será que o Demônio vence a aposta?

Seis únicas apresentações:

22 a 25 de outubro – SESC Pompéia, Deck da Unidade

31 de outubro e 1º. de novembro – Parque da Independência do Museu do Ipiranga

Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo