Publicidade

Publicidade

18/09/2012 - 23:52

Ingrid Guimarães mostra quais as Razões Para Ser Bonita

Compartilhe: Twitter

Nanda Rovere, especial para o Aplauso Brasil (nanda@aplausobrasil.com)

"Razões Para Ser Bonita"

SÃO PAULO – Razões Para Ser Bonita é mais uma produção teatral patrocinada pelo Projeto Vivo Encena e conta com a direção de João Fonseca, responsável pela encenação de espetáculos que estão em cartaz na capital paulista: Maria do Caritó, com Lilia Cabral, e Dorotéia, com Alinne Moraes.

A peça de Neil Labute, que foi sucesso de público e crítica na Broadway e em Londres, fala da obsessão pela beleza e questiona os seus limites. Um tema atual que permeia o cotidiano não somente das mulheres, mas também de vários homens.

Razões Para Ser Bonita integra uma trilogia, da qual fazem parte também Gorda e As Formas das Coisas, em que Neil Labute aborda questões relacionadas ao mundo atual.

A atriz Débora Evelyn indicou o texto à Ingrid Guimarães que se encantou com a qualidade da obra e o assunto que o autor discute.

¨É um texto de amor que fala sobre a obsessão da beleza e sobre o que o outro pensa de nós.  As pessoas vão se identificar muito¨, declara Ingrid, que produz a montagem em parceria com a Chaim Produções.

Ingrid conhece e admira o diretor João Fonseca desde o período em que ele trabalhava como assistente de direção de Antonio Abujamra na Cia Os Fodidos Privilegiados, companhia na qual a atriz fez cursos de teatro assim que começou a morar no Rio de Janeiro. Desde que conseguiu os direitos do texto, o convidou para esse trabalho. Uma parceria que se estabeleceu há mais de um ano. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, DESTAQUE, Matérias Tags: , , , , , , , , , ,
23/08/2012 - 18:22

Um Verão Familiar: novo trabalho da Cia. dos Inquietos

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, editor do Favo do Mellone site parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Ed Moraes em "Um Verão Familiar"

Com texto de João Fábio Cabral e direção de Eric Lenate, o grupo esmiúça a estrutura de uma família por meio do olhar e da memória de Júlio, o filho, vivido por Ed Moraes

SÃO PAULO – Num cenário de poucos elementos,  apenas uma mesa de jantar com cadeiras e um grande tonel de água, Um Verão Familiar, trama de João Fábio Cabral em cartaz no SESC Belenzinho até o dia 9 de setembro, procura analisar em minúcias os bastidores de uma família, constituída de quatro membros: o pai ausente e ao mesmo tempo opressor, a mãe submissa e superprotetora dos rebentos, a filha ingênua, vítima do progenitor, e o primogênito: um garoto sensível, amante das artes e por ser o oposto do pai é sistematicamente oprimido no seio familiar.

No entanto, o público vai descobrindo, aos poucos, como funciona aquela família por meio do relato de Júlio, que retorna ao lar anos depois e relembra o que viveu na infância e adolescência ao lado da família. Como tudo é fruto da memória do rapaz, fica a dúvida do que realmente aconteceu naquele lar, o que é realidade e o que é fantasia dele.

Depois de um grande silêncio, Júlio — numa interpretação tocante de Ed Moraes —, até então submerso no tonel de água, vem à tona e começa seu relato. Inicia sua apresentação dizendo-se ser um jardineiro, amante das flores e das artes. Aos poucos diz que sua paixão pela música vem da infância e suas reminiscências afloram.

Paralelamente ao relato do personagem, Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores Tags: , , , , , , , , , , ,
19/08/2012 - 20:17

Na pele de Mahatma Gandhi, João Signorelli volta a SP

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, editor do Favo do Mellone site parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

João Signorelli vive o líder espiritual indiano Mahatma Gandhi

No monólogo Gandhi, um líder servidor, o ator vive o pacifista indiano e convoca a plateia a refletir sobre os princípios da não violência

São Paulo – Mais de 10 mil espectadores já conferiram ao monólogo Gandhi, um líder servidor em seus nove anos de temporada por todo o país, agora ele volta à capital paulista para uma temporada de três meses na sala Miriam Muniz do Teatro Ruth Escobar.

João Signorelli encarna com maestria o líder pacifista indiano: mesmo sendo muito mais alto do que Gandhi, o ator entra pelos fundos da sala de espetáculo com um cajado e graças a sua expressão corporal ninguém tem dúvida de que está diante da eminente personalidade histórica mundial. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores, DESTAQUE Tags: , , , , , , , , ,
09/08/2012 - 02:12

Lília Cabral celebra grande encontro em sua terra natal

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil/ iG (Michel@aplausobrasil.com)

Lília Cabral é "Maria do Caritó" - foto de Claudia Ribeiro

SÃO PAULO – Não é apenas a estreia de Maria do Caritó, escrita por Newton Moreno e dirigida por João Fonseca, que chega ao Teatro Faap na próxima sexta-feira (10), depois de quase dois anos de distancia de sua estreia e temporada carioca, que é motivo de festa para Lília Cabral, personagem título da peça. Nascida na Lapa, capital paulista, ela re-encontra no palco “dois grandes amigos”: os atores Fernando Neves e Sílvia Poggetti.

Lília Cabral é "Maria do Caritó" - foto de Claudia Ribeiro

Além dos dois atores, J.C. Serroni (quem assina os figurinos do espetáculo) também integra a trupe de Maria do Caritó. Eles se conheceram no final dos anos 1970, no campus da USP. Lília iniciava carreira cursando a Escola de Artes Dramáticas (EAD). Trabalharam juntos em um grupo e depois cada um deu diferente rumo a sua carreira, “apesar de manterem a amizade, sempre nos comunicando”, segundo Lília Cabral, não voltaram a trabalhar juntos, até que a atriz “encomendou” um texto a Newton Moreno:

“Encomendei uma peça ao Newton e o único pedido que fiz foi que ele criasse um personagem para a Sílvia e o Fernando. Ele me entregou o texto e assim que acabei de ler liguei para a Maria (Siman, produtora de Maria do Caritó) e disse que tínhamos um pequeno tesouro nas mãos”, conta a atriz.

Newton Moreno, pernambucano, um dos fundadores do grupo Os Fofos Encenam – do qual Neves, Poggetti e Eduardo Reyes fazem parte –, escreveu, com enorme sucesso, Agreste e As Centenárias, além de adaptar e dirigir Assombrações do Recife Velho e Memória da Cana que, também localizam seus personagens no sertão nordestino e o texto de Maria do Caritó, localizada  no interior do nordeste, traz a mesma poesia da simplicidade focada pelas talentosas lentes do autor.

À beira de completar seu 50ª aniversário, Maria deseja cair nos braços de um amor e se livrar do Caritó – segundo explicação de Newton, “Caritó é uma das prateleiras do mobiliário nordestino que fica escondida o suficiente para que as mães escondam remédios, tesoura, entre outros, de seus filhos. No interior do nordeste, Caritó é o apelido dado às solteironas” –, mas enfrenta a sina de cumprir a promessa de seu pai – a entregar virgem a São Djalminha pela graça de tê-la salvo da morte em seu parto, que custou a vida da mãe – e a “fama” de santa, concedida pelo povo de sua cidade. Até que chega à cidade um circo e seu picadeiro reserva múltiplas surpresas que revelam verdades guardadas em umCaritó que revira a vida de Maria. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): DESTAQUE, Matérias Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
07/08/2012 - 13:24

As Polacas – As Flores do Lodo estreia em São Paulo

Compartilhe: Twitter

Nanda Rovere, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"As Polacas - Flores do Lodo", texto e direção de João das Neves

SÃO PAULO – A montagem As Polacas – As Flores do Lodo cumpriu temporada carioca no CCBB do Rio de Janeiro e entra em cartaz no SESC Ipiranga, em São Paulo. A estreia é neste sábado (11), às 21 horas. João das Neves assina o texto e a direção.

No palco, 13 atores contam a história de prostitutas judias e negras do Leste Europeu (polacas) que chegam ao Brasil fugindo da fome e da perseguição religiosa.  Em sua maioria, são aliciadas pela rede Zwi Migdal, de tráfico de mulheres e são obrigadas a se prostituirem.

Aqui no Brasil enfrentam o preconceito da comunidade judaica e das prostitutas locais. Para lutar contra a discriminação e promover a cultura e a religião judaica em nosso país, as polacas fundam uma associação e constroem um cemitério. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, DESTAQUE, Matérias Tags: , , , , , , ,
23/05/2012 - 18:23

Monólogo retrata o universo de Jorge Luis Borges

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, editor do Favo do Mellone site parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"Eu vi o Sol brilhar em toda a sua glória"Em Eu vi o Sol brilhar em toda a sua glória, João Paulo Lorenzon criou e protagoniza o espetáculo baseado na obra e vida do escritor argentino

SÃO PAULO – João Paulo Lorenzon acaba de estrear no SESC Consolação, Espaço Beta, o monólogo Eu vi o Sol brilhar em toda a sua glória, seu segundo trabalho que tem como cerne o universo do escritor argentino Jorge Luis Borges. Em 2008 o ator encenou Memória do Mundo, que focava a solidão como fonte de prazer e criatividade. Desta vez, Lorenzon se dedicou durante dois anos à pesquisa sobre a vida e a obra de Borges e no monólogo, baseado em imagens de contos, poemas e dados biográficos do escritor argentino, ele propõe uma reflexão sobre a memória e o esquecimento, a luz e a cegueira, o sonho e a realidade, sobre as perdas e, principalmente, sobre a vida e a morte, temas bem comuns ao universo borgeano.

Ao entrar na sala de espetáculos, o espectador é conduzido a experimentar sensações; na penumbra, as pessoas precisam caminhar entre blocos de concreto até chegar às cadeiras. A pouca iluminação, em seguida, é apagada para que o ator inicie sua fala. O breu coloca o espectador na mesma condição da cegueira, que Borges vivenciou durante anos, até sua morte. Fiz questão de fechar os olhos para intensificar a experiência proposta pela montagem: a poesia e o clima de introspecção do autor calam fundo graças à voz potente e expressiva de Lorenzon. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores, DESTAQUE Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,
21/05/2012 - 17:37

Monólogo pretende dialogar com a obra de Jorge Luis Borges

Compartilhe: Twitter

Nanda Rovere, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"Eu vi o sol brilhar em toda sua Glória"

SÃO PAULO O monólogo Eu vi o Sol brilhar em toda a sua Glória estreia hoje no SESC Consolação, em que o ator João Paulo Lorenzon volta a dialogar com a obra do escritor argentino, Jorge Luis Borges. Lorenzon assina o texto que tem supervisão do crítico literário e tradutor Davi Arrigucci Jr.

O texto, baseado nas criações literárias e na trajetória pessoal de Borges, questiona as perdas a que os seres humanos podem sofrer no decorrer da vida.  O objetivo é provocar no espectador reflexões sobre memória e esquecimento, luz e cegueira, sonho e realidade, finitude e imortalidade. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, DESTAQUE, Matérias Tags: , , , , , , ,
15/03/2012 - 17:20

As múltiplas Nises de Mariana Terra

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil/ iG  (Michel@aplausbrasil.com)

"Nise da Silveira", com Mariana Terra. Foto - Jackeline Nigri

SÃO PAULO – Uma personagem monumental feito a Dra. Nise da Silveira, uma das primeiras brasileiras a se formar em medicina, cujo mergulho nas veredas do Inconsciente, inspiração do mestre C. G. Jung, levou-a a negar a terapia à base de eletro-choque e tratar seus “doentes” com pinturas que revelavam imagens de seus inconscientes, merecia a multiplicação de instrumentos interpretativos para dar conta dessa imensidão de Nises. Em Nise da Silveira – Senhora das Imagens, roteiro e direção de Daniel Lobo, cuja temporada acaba de ser prorrogada hoje, no Teatro Eva Herz, a atriz Mariana Terra alcança a estatura de sua personagem.

A entrada da plateia no pequeno e aconchegante teatro localizado dentro da livraria cultura já é um convite a esquecermos o tempo acelerado de nosso cotidiano em favor de um tempo sagrado, em que o acelerado ritmo diário dá pausa ao mergulho no profundo em nós. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Críticas, MICHEL FERNANDES RECOMENDA, Multimídia Tags: , , , , , , , , , , , , , ,
29/02/2012 - 15:21

Assista vídeo com cenas de Tim Maia, Vale Tudo – O Musical

Compartilhe: Twitter

Tiago Abravanel vive Tim Maia

SÃO PAULO – Depois de estrondoso sucesso na temporada carioca de 2011, Tim Maia, Vale Tudo – O Musical, de Nelson Motta, dirigido por João Fonseca, estreia no dia 09 de março de 2012, no Teatro Procópio Ferreira. Quem dá vida ao ídolo da MPB, o carioca de voz exuberante Tim Maia, é o paulistano de apenas 24 anos Tiago Abravanel.

<a href="“>


Ficha Técnica:

Texto: Nelson Motta

Direção: João Fonseca

Direção musical: Alexandre Elias

Elenco: Tiago Abravanel, Izabella Bicalho, Lilian Valeska, Pedro Lima, Andreh Viéri, Bernardo La Rocque, Reiner Tenente, Evelyn Castro, Pablo Ascoli, Aline Wirley e Leticia Pedroza.

Coreografias: Sueli Guerra

Iluminação: Paulo Cesar Medeiros

Cenário: Nello Marrese

Figurinos: Rui Cortez

Fotos: Caio Gallucci

TIM MAIA – VALE TUDO, O MUSICAL

Teatro Procópio Ferreira (671 lugares)

Rua Augusta, 2.823 – Cerqueira César

Informações: 3083-4475

Vendas: www.ingressorapido.com.br e tel.: 4003-1212.

Reservas e grupos: (11) 3064-7500

Bilheteria: de terça à domingo, das 14h até o início do espetáculo. Acesso a deficientes físicos, ar condicionado e entrega de ingressos a domicílio.

Estacionamento conveniado na Rua Augusta, 2.673 – R$ 10,00 (período de 4 horas. Retirada de selo do estacionamento na bilheteria).

Quinta e Sábado às 21h.

Sexta às 21h30.

Domingo às 18h

Quintas e sextas
Setor Premium: R$ 120,00
Setor I: R$ 100,00
Setor II: R$ 50,00

Sábados e Domingos
Setor Premium: R$ 150,00
Setor I: R$ 130,00

Setor II: R$ 70,00

Ingressos já estão à venda

Duração: 160 minutos

Classificação 14 anos

Estreia para convidados: dia 12 de março, segunda-feira, às 21h.

Estreia dia 09 de março.

Temporada: até 24 de junho

Autor: - Categoria(s): Multimídia Tags: , , , , , , , , , , , , ,
07/12/2011 - 21:17

Bruce Gomlevsky é Cyrano de Bergerac

Compartilhe: Twitter

Redação do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Bruce, Julia e Sérgio em "Cyrano de Bergerac"

SÃO PAULO – Destaque depois de viver Renato Russo em monólogo homônimo, o ator Bruce Gomlevsky vive o personagem-título de Cyrano de Bergerac, clássico do francês Edmond Rostand, em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) de São Paulo.

Sob direção de João Fonseca, a peça já foi encenada exitosamente por Flávio Rangel na direção e Antonio Fagundes como o protagonista, apaixonado por sua prima, Roxane (Julia Carrera).

Dono de belas palavras e soberbo nariz prefere ditar os versos do mais sincero amor ao pé do ouvido do jovem Christian (Sérgio Guizé), também apaixonado por Roxane.

A atual montagem traz em sua bagagem elogiosas críticas cariocas, onde estreou.

Ficha Técnica

Direção: João Fonseca / Tradução: Marcos Daud / Elenco: Bruce Gomlevsky, Julia Carrera, Sérgio Guizé, Gaspar Filho, Gláucio Gomes, Ricardo Tostes, Dida Camero, Ricardo Ventura, Gustavo Damasceno, Alexandre Contini, Arthur Brandão, Ivan Vellame, Daniel Zubrinsky, Yasmin Gomlevsky / Cenografia: Nello Marrese / Figurino: Inês Salgado / Maquiagem: Vavá Torres / Direção Musical: Marcelo Alonso Neves / Mestre de Armas e Esgrima: Gaspar Filho / Direção de Movimento: Johayne Hildefonso / Design: Maurício Grecco / Direção de Produção: Carlos Grun.

Cyrano de Bergerac – CCBB (Rua Álvares Penteado, 112). Tel. (011) 3113-3651, metrô Sé. 6ª e sáb., 19h30; dom., 18 h. R$ 6. Até 5/2.

Autor: - Categoria(s): Notas e Oportunidades Tags: , , , , , ,
Voltar ao topo