Publicidade

Publicidade

17/06/2012 - 18:37

Projeto da Secretaria de Estado do Rio de Janeiro oferecerá dezenas de peças a preços populares

Compartilhe: Twitter

Da Secretaria de Estado da Cultura do Rio de Janeiro

Emílio de Mello e Marcos Caruso "Em Nome do Jogo"

A partir de setembro, 60 municipios cariocas terão a apresentação de 60 espetáculos teatrais de carreiras consagradas

RIO DE JANEIRO – Espetáculos de sucesso como Em nome do jogo, com Marcos Caruso  e Emílio de Mello; O filho eterno, da Cia Atores de Laura, e Toda nudez será castigada, da Armazém Companhia de Teatro, estão na lista das 50 obras selecionadas pelo edital do Circuito Estadual das Artes 2012, da Secretaria de Estado de Cultura (SEC). Treze peças de teatro adulto, sete de teatro infantil, seis de teatro de rua, 12 shows de música, dois de música erudita, sete de dança e três de circo vão circular por 60 municípios do Estado do Rio de Janeiro a partir de setembro.

Além disso, o projeto levará ao interior e a municípios da Região Metropolitana residências de companhias de artes cênicas ou de produções e artistas independentes em 11 municípios, oferecendo oficinas de capacitação para a população e proporcionando um intercâmbio com companhias ou grupos de profissionais locais. Participam desta etapa do projeto, 11 companhias para formação, capacitação técnica e intercâmbio. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): DESTAQUE, Matérias Tags: , , , , , , , , , ,
08/04/2011 - 02:31

Peça-instalação apresenta poéticos retratos do cotidiano

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes*, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

 
 
 

Elenco de "Estilhaços"

Um singelo retrato do cotidiano é a proposta do espetáculo-instalação, Estilhaços, escrito e dirigido por Eduardo Wotzik, que um núcleo de investigação teatral carioca – formado por Analu Prestes, Clarice Derziê, Marcos França e Ricardo Kosovski – trouxe ao 20º Festival de Curitiba. Fragmentos de histórias que são comuns a qualquer um dos 90 espectadores que se acomodam sobre cubos brancos iluminados internamente, dispostos na imensa estrutura retangular, também branca e iluminada, com um fio de luz azul a envolver, tornam tais sementes reflexivas apontadas pelos textos gotas a exalar poesia.

O efeito prazeroso obtido segue o jogo teatral básico mais simples e desejável na relação entre o público e o espetáculo, ou seja, ao estar ciente do que se diz e de como dizer – destaquemos a excelente preparação vocal assinada por Jackie Hecker – , os atores alcançam a valorização das palavras de forma que todos possam pactuar do mesmo sentido.

Seguindo a escolha da valorização do essencial, Estilhaços acerta na opção pela neutralidade dos figurinos (Tatiana Brescia) e iluminação (Paulo César Medeiros), sendo a cenografia (a instalação de José Dias) parte determinante do texto cênico.

Certamente, o público paulistano – maior leitor do Aplauso Brasil – vai se deliciar com o enxuto espetáculo. Vamos torcer pra breve concretização disso!

*Michel Fernandes viajou a convite do Festival de Curitiba

Autor: - Categoria(s): Críticas Tags: , , , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo