Publicidade

Publicidade

11/02/2012 - 10:27

Um Molière redivivo

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, editor do Favo do Mellone site parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Peça mostra dilemas da vida de autor francês

Com direção de Sandra Corveloni e Guilherme Sant’Anna na pele do autor, a Companhia D’Alma faz um panorama da efervescente trajetória pessoal e artística de Molière, em L’Illustre Molière

SÃO PAULO – Ao entrar, o público já encontra os atores em cena, preparando-se para o início do espetáculo. Esta é a primeira surpresa da montagem L’Illustre Molière, que abre a temporada 2012 do Teatro do Sesi: à frente da Companhia D’Alma, a diretora Sandra Corveloni usa de metalinguagem ao apresentar os atores interpretando os componentes da companhia de Molière, no palco do Teatro Ilustre, que o dramaturgo francês apresentava suas comédias em pleno século XVII, em Paris. Aos poucos a plateia compreende a brincadeira: os atores entram e saem de cena, às vezes estão na pele dos personagens das peças de Jean-Baptiste Poquelin, o Molière, e em seguida voltam à dura realidade de manter uma companhia de teatro funcionando a plenos vapores. Neste vai e vem, o espetáculo faz um grande painel da obra de Molière, com trechos de várias de suas peças, além de contar a rica e efervescente trajetória artística e pessoal do dramaturgo francês.

Fotos de Ronaldo Gutierrez


Mesmo retratando uma realidade do século XVII, a obra de Molière é atual e muito próxima do homem dos nossos tempos. De acordo com a diretora, “o dramaturgo dialoga com a nossa época, pois seus personagens são cínicos, autoritários, frágeis, inseguros, além de ambiciosos por fama, dinheiro e status social a qualquer preço. Podemos reconhecer que isso não mudou muito”, argumenta Sandra. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas Tags: , , , , , , , ,
Voltar ao topo