Publicidade

Publicidade

15/10/2011 - 00:52

O feminino em Chico Buarque

Compartilhe: Twitter

Edson Júnior, especial para o Aplauso Brasil (Edson@aplausobrasil.com)

Lucinha Lins, Virgínia Rosa e Tania Alves em "Palavra de Mulher"

SÃO PAULO – As vozes femininas de Chico Buarque ganham a cena em Palavra de Mulher, um recorte preciso do universo feminino na obra do principal compositor da música popular brasileira, em cartaz no teatro Cleyde Yáconis até 23 de outubro.

Inicialmente concebido para Virgínia Rosa, o espetáculo conta agora com a participação de Tânia Alves e Lucinha Lins que, em atuações teatrais, interpretam canções compostas para personagens femininas no teatro, cinema e balé.

Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , , ,
26/01/2011 - 11:55

Estreia de Mika Lins na direção fica até o final de fevereiro no Tucarena

Compartilhe: Twitter

Bel Kowarick em "Dueto Para Um", direçã‹o de Mika Lins. (foto: Caio Guatelli)

Maurício Mellone, para o site Favo do Melloneparceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Peça de Tom Kempinski, que levou o prêmio APCA/2010 de Melhor Atriz para Bel Kowarick,também indicada ao 23º Prêmio Shell de Teatro,  fica no Tucarena  até o dia 27 de fevereiro

Primeira direção da atriz Mika Lins, a peça Dueto Para Um, do inglês Tom Kempinski, voltou ao Tucarena e permanece em cartaz até o dia 27 de fevereiro. E o sucesso é mais do que merecido: Bel Kowarick, graças a sua interpretação da violinista que é obrigada a abandonar a carreira por ser portadora de esclerose múltipla, recebeu o prêmio APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte)/ 2010 de melhor atriz, além de estar entre as atrizes indicadas ao Prêmio Shell de Teatro de São Paulo pelo segundo semestre  (VEJA AQUI A LISTA COMPLETA DOS INDICADOS).

A peça inicia com a primeira sessão de análise de Stephanie

Bel Kowarick em "Dueto Para Um", direçã‹o de Mika Lins. (foto: Caio Guatelli)

Abrahams com o renomado psiquiatra Dr. Feldman, vivido por Marcos Suchara. Serão seis encontros entre eles, em que o público vai se inteirando da doença da musicista, do processo terapêutico e, principalmente, do embate que se estabelece entre médico e paciente. Stephanie passa por diversos processos internos, desde a euforia com planos novos como professora, a negação de sua depressão, a tomada de consciência do real estágio da doença, a fuga total com sua ausência das terapias até o reconhecimento de que o psiquiatra só deseja auxiliá-la a vislumbrar nova perspectiva de vida. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores Tags: , , , , , , , ,
Voltar ao topo