Publicidade

Publicidade

04/06/2012 - 22:33

Maria Miss é conto de Guimarães Rosa adaptado para o teatro

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, editor do Favo do Mellone site parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Tania Castello dá vida à Maria Miss

Evil Rebouças transpôs para os palcos o conto Esses Lopes, que narra a trajetória de uma sertaneja que sofre nas mãos de homens machistas de uma mesma família. Sob direção de Yara de Novaes, estão no elenco Tania Casttello, Daniel Alvim e Cacá Amaral

SÃO PAULO – O universo de João Guimarães Rosa, com sua linguagem peculiar e a realidade do sertanejo das Minas Gerais, está retratado no espetáculo Maria Miss, que acaba de estrear no Teatro Eva Herz, e é uma adaptação do conto Esses Lopes, que está no livro Tutameia, do revolucionário escritor mineiro.

A trama é focada nas aventuras e desventuras de Flausina, que, ainda menor de idade, foi praticamente raptada por dois primos, os Lopes, e obrigada a viver ao lado deles. Homens rudes, machistas e violentos mantêm a garota sob o cabresto, mas Flausina — que sempre quis se chamar Maria Miss — consegue “domar” as feras e vira o jogo a seu favor. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores, DESTAQUE Tags: , , , , , , , , , , , , , ,
01/06/2012 - 22:43

O Belo Indiferente agora no Espaço dos Satyros Um

Compartilhe: Twitter

Nanda Rovere, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Djin Sganzerla em "O Belo Indiferente" - foto André Guerreiro Lopes

SÃO PAULO – O Belo Indiferente, do francês Jean Cocteau, sucesso de público e crítica, traz aos palcos a atriz Djin Sganzerla para contar a história da paixão entre uma cantora e seu amante, sob direção de André Guerreiro Lopes em parceria com Helena Ignez, mãe de Djin. A re-estreia será dia 2 de junho, sábado, às 21 horas, no Espaço dos Satyros Um.

O Belo Indiferente é um monólogo com dois personagens: Ela e Ele.  Apresenta a história de uma cantora que está à espera de seu amante, Emílio (Dirceu de Carvalho), num quarto de hotel. Como ele está demorando a chegar, ela fica aflita e tenta encontra-lo telefonando a amigos.

Quando finalmente Emílio chega, deita-se na cama, lê o jornal e está aparentemente alheio à mulher que está à sua frente e tenta, de todas as maneiras, chamar a sua atenção e não se abala mesmo quando o seu amor recebe um telefonema de outra mulher, provavelmente sua amante. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, DESTAQUE, Matérias Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,
23/05/2012 - 00:53

Conto de Guimarães Rosa ganha adaptação para o teatro

Compartilhe: Twitter

Nanda Rovere, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Peça é baseada em "Esses Lopes", do escritor mineiro

SÃO PAULO – O conto de Guimarães Rosa, publicado no livro Tutaméia, ganha no teatro o nome de Maria Miss. A estreia é dia 29 de maio, terça, às 21 horas, no Teatro Eva Hertz, mas hoje haverá estreia para convidados. A Adaptação é de Evill Rebouças e a direção de Yara de Novaes. No elenco estão Tania Casttello, como Maria Miss, Daniel Alvin e Cacá Amaral.  Cenários e figurinos de Márcio Medina, luz de Wagner Freire e produção da Mesa 2 Produções.

A estreia marca o 45º aniversário de morte de João Guimarães Rosa e celebra os 45 anos do lançamento do livro Tutaméia, obra na qual pela primeira vez o escritor dá voz às mulheres. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, DESTAQUE, Matérias Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,
09/03/2012 - 01:51

Folias apresenta show musical inspirado no bairro que sedia o grupo

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso  Brasil/ iG (Michel@aplausobrasil.com)

Nani de Oliveira e Pedro Lopes em "A Saga Musical de Cecília..."

SÃO PAULO – Um argumento do ator e músico Dagoberto Feliz deu o start para que a companhia Folias D’ Arte criasse o espetáculo A Saga Musical de Cecília… (desde  priscas eras até os dias de hoje no pedaço de terra dividida que carrega o seu santo nome), que recorre à histórias, tipos e personagens que povoam o bairro paulistano de Santa Cecília, onde está sediado o grupo.

Com dramaturgia de Carlos Francisco, direção do ator Danilo Grangheia e direção musical de Bruno Perillo, A Saga Musical de Cecília… estreia hoje no Galpão do Folias.

Segundo o diretor a “história” de A Saga Musical de Cecília… é uma junção de “devotos, sonhadores, miseráveis, artistas, moradores e transeuntes para (re)contar uma história que se constrói diariamente neste centro babilônico paulistano, a Santa Cecília, Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
04/11/2011 - 16:38

Sub-Pop-Ópera dos Mendigos faz sessões gratuitas

Compartilhe: Twitter

Adriano Silva,especial para o Aplauso Brasil (aplauso@gmail.com)

Escrito e dirigido por Celso Correia Lopes, musical é inspirado em obra de John Gay

GRANDE SÃO PAULO (ABC) – O espetáculo Sub-Pop-Ópera dos Mendigos tem estreia marcada para hoje no Teatro Lauro Gomes, em São Bernardo do Campo. O texto, escrito em 1.727 por John Gay, tem direção e adaptação de Celso Correia Lopes, indicado ao Prêmio Femsa de Teatro infantil 2008, e direção musical de Reinaldo Sanches. A peça tem foco na discussão social e marca o debut do grupo O Maravilhoso Escritório Teatral.

A trama, dividida em três atos, consegue perpassar por diversos assuntos  como o crime consentido, suas justificações e implicações morais, além da inversão de valores na sociedade atual.

“Não se trata de um programa cultural do mainstream e sim algo mais alternativo que incentiva a reflexão”, afirma Celso. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags: , , , , , , , , , ,
25/02/2011 - 14:39

Rasgo poético no rito de passagem

Compartilhe: Twitter

Alessandra Negrini e Joaquim Lopes em "A Senhora de Dubuque"

Crítica de Michel Fernandes para a peça A Senhora de Dubuque publicada na edição impressa do Diário de São Paulo de 22 de fevereiro de 2011.

Obsessão do autor Edward Albee, ou simplesmente a busca desesperada que satisfaça a eterna interrogação “quem somos?”, é o barco que conduz A Senhora de Dubuque para um poético rito de passagem.

Sob a capa do coloquialismo naturalista, em que amigos se reúnem na casa do casal Jo (a convincente Alessandra Negrini) e Sam (Joaquim Lopes, em interpretação excelente) – à beira da morte pela debilidade causada por uma doença terminal –, símbolos de extremada beleza poética emergem dando toques metafísicos e atemporais ao que é apresentado como possível cópia do mundo real. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Críticas Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo