Publicidade

Publicidade

09/11/2010 - 23:35

Simplicidade é a tônica de “Dizer e Não Pedir Segredo”

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, para o site Favo do Mellone parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Ponto de partida de peça é o livro "Devassos no Paraíso", de João Silvério Trevisan

Com entrada franca, peça é o resultado de pesquisa dos atores e da direção sendo o livro “Devassos no Paraíso – A homossexualidade no Brasil, da Colônia à Atualidade”, de João Silvério Trevisan,  ponto de partida do espetáculo.

Para que a magia do teatro aconteça basta que haja o ator que irá contar uma história e alguém para ouvi-la. Este é o caminho mais simples e, por isso mesmo, talvez o mais difícil! No entanto, o que se vê hoje em dia é o uso, às vezes exagerado, da parafernália tecnológica existente para cenário, iluminação, trilha sonora e figurino. O essencial do teatro — o ator trocando energia diante da platéia — é posto em segundo plano.

Mas em “Dizer e Não Pedir Segredo”, o simples é a tônica! Numa composição coletiva entre os atores e a direção do grupo Teatro Kunyn, a peça é o resultado de uma longa pesquisa cujo objetivo era refletir sobre a homossexualidade no Brasil, “de tentar entender o que seria a construção de uma identidade gay em paralelo à construção de uma identidade brasileira”, segundo Luiz Fernando Marques, que assina a direção. O livro “Devassos no Paraíso – A homossexualidade no Brasil, da Colônia à Atualidade”, de João Silvério Trevisan, foi o ponto de partida da montagem.

E o simples é levado ao pé da letra: tudo acontece numa sala de um apartamento, onde a platéia bem reduzida (20 pessoas), entra pelo elevador do edifício e ao chegar à sala, escolhe onde sentar e é convidada a pegar um dos adereços que servirá para que os atores (Luiz Gustavo Jahjah, Paulo Arcuri e Ronaldo Serruya) desenvolvam as histórias. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores Tags: , , , , , , , , , , , , , ,
28/10/2010 - 06:27

Pioneiro na inserção de gays, teatro besteirol ganha livro

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, especial para o MixBrasil

Imprensa Oficial de São Paulo lança na quinta-feira livro sobre o teatro besteirol

Luís Francisco Wasilewski, autor do livro

Em meio à Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, a Coleção Aplauso da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, coordenada pelo crítico de cinema Rubens Ewald Filho, realiza festa no 4º andar do Shopping Frei Caneca para comemorar seu sucesso na recuperação das artes brasileiras e lançar mais 50 livros. Dentre os novos títulos está “Isto é Besteirol – O Teatro de Vicente Pereira”, de Luís Francisco Wasilewski, que entre os principais autores do gênero estão, além de Vicente, Mauro Rasi, Miguel Falabella e Pedro Cardoso.

CLIQUE AQUI pra ler a matéria na íntegra.

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , ,
08/10/2010 - 02:58

RockAntygona: Tragédia grega de cara nova

Compartilhe: Twitter

Adriano Oliveira, especial para o Aplauso Brasil

Luís Melo é Creonte em adaptação de "Antígona"

O diretor Guilherme Leme dá cara nova ao texto da tragédia grega Antígona, de Sófocles. Durante dois anos, Leme buscou um novo projeto, até que conseguiu e trouxe uma encenação moderna que conta com a participação do ator Luis Melo. A cidade do Rio de Janeiro já conferiu a atração. Agora é a vez da terra da garoa, São Paulo, prestigiar o espetáculo RockAntygona.

A trama conta a trajetória de Antígona, protagonizada pela atriz Miwa Yanagizawa, que deseja enterrar o seu irmão Polinice, o qual atentou contra a cidade de Tebas. Porém, o tirano Creonte (Luís Melo) impede que os mortos, que atentaram contra a cidade, fossem enterrados. Uma ofensa para a família do morto. A heroína Antígona desafia as leis e enterra o irmão, sendo depois capturada e condenada à morte por Creonte. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags: , , , , , , , ,
30/08/2010 - 11:49

Comédia tem como destaque o elenco

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, (lfw@aplausobrasil.com)

"O Clã das Divorciadas", em cartaz no Teatro Gazeta

Alexandre Reinecke acaba de estrear seu novo espetáculo, O Clã das Divorciadas. Aliás, o encenador, já pode receber o título de “O Midas da Comédia Paulistana”, visto que são várias as comédias em cartaz que levam a sua assinatura.

O Clã das Divorciadas foi escrito pelo francês Alil Vardar e recebeu a tradução de Clara Carvalho. Não se trata de um texto cômico muito inspirado. A dramaturgia não transcende o banal ao falar de mulheres solitárias. Porém, Alexandre teve a sabedoria de chamar para o elenco duas boas comediantes, Paula Cohen e Maíra Charken, que conseguem executar bem os seus papéis.

Só que a ideia mais feliz da nova montagem de Reinecke foi chamar Luís Salém para interpretar uma das mulheres. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , , ,
04/06/2010 - 19:55

Milkshakespeare estreia em Porto Alegre

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

"Milkshakespeare" estreia em Porto Alegre - crédito Vilmar Carvalho

Julio Zanotta Vieira é um dos dramaturgos mais representativos do Rio Grande do Sul. Suas criações no início da década de 1980. Tornaram-se antológicas no teatro gaúcho. Vencedor do Prêmio Funarte de Dramaturgia 2003, este texto inédito de Julio Zanotta Vieira chega aos palcos sob a direção de Camilo de Lélis. Milkshakespeare, com estreia dia 11 de junho, às 20h, é um espetáculo que foi concebido especialmente para o palco do Arena.  A temporada será nas sextas, sábados e domingos, sempre às 20h.

A montagem da Cia. Teatral Face & Carretos vem acompanhada da volta do encenador Camilo de Lélis com suas criações. Caracterizado por uma contínua renovação e busca pela diversidade, tanto de autores, como de linguagem e estilo de espetáculos, a Cia propõe uma história que traz de volta à vida o personagem William Stanley, que assegura ser o verdadeiro autor das peças atribuídas a William Shakespeare, e está disposto a tudo para fazer sua autoria ser reconhecida.

No elenco estão quatro atores: Eduardo Mendonça, Felipe de Paula, Juliana Kussler e Renata de Lélis. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags: , , , , ,
10/12/2009 - 16:39

Farsa faz duas apresentações em Porto Alegre

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

Marcos Breda, Mario Borges e Claudia Ohana em "O Médico Saltador" (de Molière), uma  das quatro peças  do espetáculo "Farsa". Direção: Luiz Arthur Nunes; 2007

Marcos Breda, Mario Borges e Claudia Ohana em "O Médico Saltador" (de Molière), uma das quatro peças do espetáculo "Farsa". Direção: Luiz Arthur Nunes; 2007

 

O espetáculo Farsa estreou nacionalmente em Porto Alegre, em agosto de 2007. Desde então, teve uma trajetória de êxito, em mais de 150 apresentações, tendo sido assistido por mais de 50 mil espectadores. Agora o espetáculo retorna ao seu palco de estreia, o Theatro São Pedro onde Farsa realizará duas apresentações nos dias 18 e 19 de dezembro. Pelo elenco do espetáculo já passaram nomes como Luciana Braga, Bianca Byington, Sérgio Marone e Fernanda Souza. Do elenco original ainda estão Marcos Breda, Mario Borges e Claudia Ohana. Ao lado deles, estão os nomes de Gabriel Wainer, Iris Bustamante, Carmen Frenzel e Cadu Fávero. O elenco se reveza na criação das 22 personagens que estão na encenação. A direção do espetáculo é assinada pelo talentoso Luís Artur Nunes.

A estrutura dramatúrgica de Farsa é calcada na reunião de quatro obras primas da comédia ocidental. Miguel de Cervantes é o autor de Os Faladores, um dos textos encenados no espetáculo. Os outros são: O Urso, de Anton Tchekhov, O Médico Saltador, de Molière, e Os Ciúmes de um Pedestre, do brasileiro Martins Pena. A colagem de clássicos da nossa dramaturgia é uma característica estética a marcante na obra de Luís Artur. Ele já realizou encenações memoráveis na história do teatro gaúcho, utilizando-se desse recurso. São dignas de nota encenações como Love, Love, Love e A mãe da miss e o pai do punk. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , , ,
24/10/2009 - 02:08

Grupo Galpão volta às origens: o teatro de rua

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, especial para o Último Segundo (michel@aplausobrasil.com

<i><b>Grupo Galpão</i></b> apresenta <i><b>Till, A Saga de Um Herói Torto</i></b>

Grupo Galpão apresenta Till, A Saga de Um Herói Torto

 

Depois de algumas experiências com o palco à italiana em montagens de clássicos como O Inspetor Geral, de Gogol, Um Homem é Um Homem, de Brecht, ambos dirigidos por Paulo José, entre outros, o Grupo Galpão

volta ao espaço que consagrou seu trabalho: a rua. E é ao ar-livre que esses talentosos mineiros de Belo Horizonte fazem meia-dúzia de apresentações de Till, A Saga de um Herói Torto, no Deck do SESC Pompéia até domingo (25), sábado (31) e domingo (1º), no Parque da Independência no Museu do Ipiranga.

O texto Till Eulenspiegel, do dramaturgo Luis Alberto de Abreu – mineiro radicado em São Paulo de quem a trupe, recentemente, encenou Um Trem Chamado Desejo -, escrito para e encenado pela Fraternal Cia. de Artes e Malas Artes há alguns anos, traz a história de Till, herói criado pela cultura popular da Idade Média na Alemanha que é gerado sem algumas peculiaridades inerentes à espécie humana, para cumprir uma aposta entre Deus e o Diabo.

 No coração de uma Alemanha miserável, cercada por personagens grotescos e espertalhões de toda espécie, Deus traz ao mundo a alma de Till que, de quebra, é abandonado meio ao frio e à fome num local em que descobre que, para sobreviver, precisa tornar-se mais e esperto e enganador que os outros. Será que o Demônio vence a aposta?

Seis únicas apresentações:

22 a 25 de outubro – SESC Pompéia, Deck da Unidade

31 de outubro e 1º. de novembro – Parque da Independência do Museu do Ipiranga

Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo