Publicidade

Publicidade

02/05/2012 - 21:20

Grávido: esquetes divertidos sobre como ser pai nos dias de hoje

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, editor do Favo do Mellone site parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Comédia coloca questões para pais de primeira viagem

Sob a direção de Alexandra Golik, comédia escrita por três atores — e pais de filhos pequenos — revela a visão masculina da gravidez, geralmente pouco valorizada. Marcelo Laham e Fábio Herford (autores ao lado de Gustavo Kurlat) encarnam no palco as mais engraçadas situações sobre a condição de ser pai

SÃO PAULO – Com um início eletrizante (profusão de luzes e sons), numa espécie de caixa o ator se debate, imitando os movimentos de um feto. Nasceu e agora? Engana-se quem imagina que o nascimento encenado no palco se refere a uma criança. Não, quem acaba de nascer é o PAI! É desta forma que a peça Grávido- a comédia do pai moderno, em cartaz no Teatro Cleyde Yáconis, dá o pontapé inicial numa sequência de esquetes hilários sobre a revolução emocional que o homem vive a partir do momento que sabe da gravidez da esposa.

Dirigida por uma mulher, Alexandra Golik, mas composta por três homens (Marcelo Laham, Fábio Herford e Gustavo Kurlat), a comédia mostra as diversas situações que o homem vive durante a gravidez, desde a notícia (que pode provocar diferentes reações), as dificuldades de lidar com as emoções da mulher durante este período, a sua total incapacidade diante de tarefas domésticas até seu encantamento com a criança que cresce e passa a compartilhar a vida com ele. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores Tags: , , , , , ,
29/03/2012 - 23:25

Marcos Damigo leva Deus é um DJ ao Festival de Curitiba

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (Michel@aplausobrasil.com)

Maria Ribeiro e Marcos Damigo em "Deus é um DJ"

Com direção de Marcelo Rubens Paiva e a atriz Maria Ribeiro completando o elenco, o texto do alemão Falk Richter é atração até amanhã no Teatro da Reitoria

CURITIBA – Quando Annette Ramershoven, quem traduziu a peça ao lado de Marcelo Rubens Paiva, diretor da montagem, apresentou o texto Deus é um Dj, d alemão Falk Richter, para o ator Marcos Damigo, em 2002, ele leu, aprovou, mas teve de “engavetar” o projeto: ele se preparava para protagonizar Hamlet, sob direção de Francisco Medeiros,no Teatro Popular do SESI (SP).

“Em 2006 o Marcelo me chamou pra ler a peça no Letras em Cena, ciclo de leituras que acontece no auditório do MASP. Foi aí, na presença de uma plateia, que entendi realmente o poder desse texto. Ele tem um mecanismo de jogar com as expectativas do público que  não é possível perceber numa leitura solitária. E desde então, entre idas e vindas e outros projetos, sempre tentava montá-lo”, conta Damigo que, até amanhã apresenta Deus é um Dj fica até amanhã na 21ª edição do Festival de Curitiba, no Teatro da Reitoria, após temporada carioca de sucesso, ano passado. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , , , , ,
03/03/2012 - 18:24

Teatro do Incêndio apresenta uma São Paulo Surrealista

Compartilhe: Twitter

Redação do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"SP Surrealista" - -foto de Bob Sousa

SÃO PAULO – A Cia. Teatro do Incêndio apresenta seu novo espetáculo São Paulo Surrealista, ritual teatral dirigido por Marcelo Marcus Fonseca, montagem inaugural da programação teatral da casa noturna Madame (antiga Madame Satã que reabriu suas portas totalmente reformada e sob nova direção).

Este novo projeto da companhia, contemplado pela Lei de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo, é uma ode à cidade e seus personagens, confrontando – em um jogo de imagens sobrepostas – as contradições e fantasias da metrópole. Em São Paulo Surrealista o público confere o resultado da primeira fase desta pesquisa do Teatro do Incêndio.

O espetáculo não conta, necessariamente, uma história. Para revelar a cidade real, nada é realista. Os textos são colagens emolduradas por imagens e figuras da metrópole, sejam elas reais ou distorcidas, tendo na música ao vivo um elemento essencial para traduzir sua pulsação.

“Esta montagem propõe também que o público perceba a cidade pelos olhos de André Breton, um dos criadores do surrealismo, em um jogo que ressaltapontos turísticos, monumentos, terreiros, restaurantes e bordeis paulistanos”, explica o diretor Marcelo Marcus Fonseca. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , , , ,
17/01/2012 - 16:45

Marcelo Médici volta a SP com seu hilário solo

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (Michel@aplausobrasil.com)

Marcelo Médici como a Mãe Jatira

SÃO PAULO – Tamanho carisma, simpatia e devoção ao ofício de ator, talvez o último adjetivo seja a chave para que, o colecionador de sucessos Marcelo Médici, volte a apresentar o hilário solo Cada Um Com Seus Pobrema, a partir de hoje, 21h, no Teatro Frei Caneca, nos dias em que não apresenta Eu Era Tudo Pra Ela e Ela me Deixou, em cartaz no Teatro FAAP, em que divide o palco com Ricardo Rathsam, diretor de Cada Um….

Em Cada Um Com Seus Pobrema, a espinha dorsal é a história de um ator de teatro que desiste de fazer seu espetáculo aquela noite e, enquanto tira a maquilagem, recorda de sua tumultuada trajetória teatral, de personagens que já viveu – como a deliciosa apresentadora infantil, Tia Penha, que, entre outras particularidades, detesta crianças.

CADA UM COM SEUS POBREMA SERVIÇO Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , ,
25/09/2011 - 15:52

Marcelo Médici e Ricardo Rathsam levam público ao delírio cômico

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias*, especial para o Aplauso Brasil (aplauso@gmail.com)

Marcelo Médici e Ricardo Rathsam em peça de Emílio Boechat

Nunca ri tanto como em Eu Era Tudo Pra Ela e Ela Me deixou. Se eu ri, não me lembro, pelo menos no teatro. Marcelo Médici está arrebentando a boca do balão no ótimo e divertido texto de Emílio Boechat, em cartaz no Teatro FAAP. A plateia ri sem parar. E não só por causa de Marcelo, mas também de Ricardo Rathsam (que dirigiu Médici em Cada Um Com Seus Pobrema) que contracena com ele o tempo todo, sem se distanciar de seu personagem, ingênuo e triste, nem por um segundo, como se não entendesse as barbaridades que seu companheiro de cena faz na pele de vários tipos de homens e mulheres. É o máximo!

Conduzir bem esses dois atores no palco não deve ser fácil e é o que se vê na direção de Mira Haar (assistida por Patrícia Gasppar e Paula Weinfeld) que ainda assina os excelentes figurinos. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , , , , , ,
23/09/2011 - 16:32

Marcelo Médici e Ricardo Rathsam estão em cartaz no Teatro FAAP

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

Ricardo Rathsam cercado pelos nove personagens vividos por Marcelo Médici em "Eu Era Tudo Pra Ela... e Ela me Deixou"

“Quem nunca sofreu por amor? Quem nunca foi abandonado ?Quem nunca abandonou? Estas questões sérias recebem uma outra visão através da interpretação de Marcelo Médici em seu novo espetáculo. Mestre do timing cômico e da criação de personagens hilariantes, Médici vive na peça Eu Era Tudo Pra Ela… E Ela Me Deixou os nove personagens que passam rapidamente pela vida de Samuel (interpretado por Ricardo Rathsam).

Com direção de Mira Haar, que propõe uma montagem ágil para a frenética comédia escrita por Emílio Boechat, a peça marca o primeiro encontro em cena entre os dois atores. A trama conta a história de Samuel (Rathsam) que é surpreendido pelo pedido de divórcio de sua mulher, Dóris, após dez anos e meio de casamento. Expulso de casa, pede abrigo a sua mãe, mas é rechaçado por ela. Aquele a quem julgava seu melhor amigo também não o recebe. Desnorteado, vai parar num submundo que lhe é desconhecido, vivenciando uma longa jornada noite adentro, encontrando bandidos, um bêbado, uma prostituta com tendências suicidas entre outras personagens.

Marcelo Médici e Ricardo Rathsam em "Eu Era Tudo Pra Ela... e Ela me Deixou"

Eu Era Tudo Pra Ela… E Ela Me Deixou estreou semana passada o Teatro FAAP, onde permanecerá em temporada até o início de dezembro.

A equipe de criação da peça tem ainda os nomes de Marco Lima (cenografia), Mira Haar (figurinos), Kleber Montanheiro (iluminação), Emi Sato (visagismo) e Patricia Gasppar (assistente de direção). Produção executiva de Carmem Oliveira. A direção de produção é de Giuliano Ricca. Realização de Henriqueta Produções e Ricca Produções. Produtores Associados: Giuliano Ricca, Marcelo Médici e Ricardo Rathsam.

EU ERA TUDO PRA ELA… E ELA ME DEIXOU

Local: Teatro FAAP (Rua Alagoas, 903 – Higienópolis – tel.: 11.3662.7233

Horários: sextas, às 21h30, sábados, às 21h; domingos, às 18h

Temporada: Até 04/12/2011.

Preços: sexta R$ 50,00 – sábado R$ 70,00 – domingo – R$ 60,00

Lotação: 506 lugares

Duração: 75 minutos

Classificação Etária: 14 anos

Bilheteria: quarta a sábado, das 14h às 20h; domingo, das 14 às 17h. Aceita cartões Visa, Mastercard e Dinners

Serviço de venda de Ingressos: (11) 3662.7233 / 3662.7234. Aceita cartões Visa, Mastercard e Dinners – não cobramos taxa adicional para venda por telefone e vendas com desconto para estudante, aposentados e maiores de 65 anos

Estacionamento: gratuito, com vagas limitadas

Acesso para deficientes

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Notas e Oportunidades Tags: , , , ,
21/01/2011 - 17:44

Marcelo Médici volta em dose dupla

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Marcelo Médici como a Mãe Jatira

Mal acaba de gravar a telenovela Passione, o ator Marcelo Médici volta a todo vapor com seus projetos teatrais. Em um deles, A Noviça Mais Rebelde, que re-estreia amanhã no Teatro Renaissance, assina a direção, e em Cada Um Com Seus Pobrema, que faz duas semanas de temporada – a partir de hoje – no Citibank Hall, onde ele apresenta os mais hilários tipos sob atenta e dinâmica direção de Ricardo Rathsman.

Em Cada Um Com Seus Pobrema, a espinha dorsal é a história de um ator de teatro que desiste de fazer seu espetáculo aquela noite e, enquanto tira a maquilagem, recorda de sua tumultuada trajetória teatral, de personagens que já viveu – como a deliciosa apresentadora infantil, Tia Penha, que, entre outras particularidades, detesta crianças.

LEIA TAMBÉM: Piada é com ele; porrada, se for o caso

A Noviça Mais Rebelde Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,
21/07/2010 - 18:47

Peça de Bosco Brasil traz um silêncio que dói e encanta

Compartilhe: Twitter

Ruy Jobim Neto, especial para o Aplauso Brasil

Marcelo Escorel e Janaína Ávila em "Blitz"

Em dezembro do ano passado, quando Janaina Ávila mandou um e-mail contando que tinha ganhado o Eletrobrás 2009, um projeto de 250 mil reais, não pôde haver festa melhor do que esperar pela montagem desse belo exemplar da dramaturgia de Bosco Brasil, autor do premiado Novas Diretrizes em Tempos de Paz. Trata-se da dolorida e encantadora Blitz, com direção precisa de Ivan Sugahara, tendo no elenco a batalhadora atriz e produtora Janaina Ávila e o “especialista” no teatro de Bosco, Marcelo Escorel.

A montagem é capitaneada por Janaina que, visando estrear o espetáculo, acumulou as gravações dos capítulos da já encerrada novela Tempos Modernos, no horário das 19h, onde ela interpretava a gótica-chique Milena Morgado, para então levar aos palcos do Laura Alvim, em Ipanema, a primeira temporada de Blitz. Agora é o Centro Cultural São Paulo quem recebe, até o dia 15 de agosto, esta tocante história de um casal que se espreme e se exprime através de seus medos mais profundos e de suas dores que desabam nos silêncios mais aterradores de suas almas. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , ,
07/04/2010 - 19:37

Cia. Elevador de Teatro Panorâmico completa 10 anos e traz novidades

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

"A Hora em Que Não Sabíamos Nada Uns dos Outros". foto de João Caldas

Faz algum tempo que o teatro paulistano solidifica a forma de pesquisa de linguagens de grupo. Um pouco do fenômeno deve à exemplar estrutura da Cooperativa Paulista de Teatro que aglutina, com eficiência indiscutível, os coletivos de modo que viabilizem suas situações jurídico-administrativas; a Lei de Fomento ao Teatro da Cidade de São Paulo, da Secretaria Municipal de Cultura, também é um ganho fundamental para a classe artística, esse é o caso da Cia. Elevador de Teatro Panorâmico, agraciada pela Lei, que comemora sua primeira década com re-estreia, estreia, lançamento de livro e a inauguração do Espaço Elevador.

Nesta quinta-feira (9), 16h, com a re-estreia de A Hora em Que Não Sabíamos Nada Uns dos Outros, de Peter Handke, de graça, no Parque da Luz, que traz 300 personagens à cena, sob a interpretação de 16 atores, que não falam absolutamente nada. Mais de mil peças de roupas e 300 adereços são usados para compor os 300 personagens. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,
07/04/2010 - 13:49

Veja as fotos da peça A Hora em Que Não Sabíamos Nada Uns dos Outros

Compartilhe: Twitter

Com direção de Marcelo Lazaratto e texto de Peter Handke, a Cia. Elevador de Teatro Panorâmico abre seus dez anos de comemoração no Parque da Luz nesta quinta-feira (8), 16h.

[slideshow id=8]

A HORA EM QUE NÃO SABÍAMOS NADA UNS DOS OUTROS– Re-estreia dia 9 de abril, sexta-feira, às 16 horas, no Parque da Luz (pré-estreia dia 8 de abril às 16 horas). Autor – Peter Handke.Direção – Marcelo Lazzaratto. Tradução – Christine Röhrig.Assistente de Direção – Wallyson Mota. Elenco – Ademir Emboava, Carolina Fabri, Gabriel Miziara, Juliana Pinho, Marina Vieira, Pedro Haddad, Rodrigo Spina, Carolina Caetano, Guto Nogueira, Maria Laura Nogueira, Carla Kinzo, Daniela Alves, Joao Gabriel Manetti, Lucas Horita, Mauricio Schneider e Rita Gullo.Trilha Sonora Original – Fernando Mastrocolla. Iluminação – Wagner Freire. Figurinos – Mariana Calazans. Direção de Produção – Henrique Mariano. Fotos – João Caldas. Apoio – Goethe-Institut São Paulo e Parque da Luz. Duração – 90 minutos. Espetáculo recomendável para maiores de 16 anos.Temporada – Quintas e sextas-feiras às 16 horas e sábados e domingos às 16 horas e 19h30. GRÁTISAté 18 de abril.

Projeto contemplado pelo Programa de Fomento ao Teatro da Cidade de São Paulo.

PARQUE DA LUZ – Praça da Luz s/nº – Bom Retiro (próximo a estação Luz do metrô). Telefone: (11) 3477-7732. Acesso para deficientes físicos. Capacidade – 300 lugares.

Autor: - Categoria(s): GALERIA DE FOTOS Tags: , , , , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo