Publicidade

Publicidade

19/07/2012 - 07:19

Vida & Obra de um Tipo à Toa: um retrato do universo masculino

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, editor do Favo do Mellone site parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Nova comédia de Mário Viana está em cartaz no Espaço dos Parlapatões

Novo texto de Mario Viana acaba de estrear no Espaço Parlapatões e mostra o conflito entre o escritor e seu personagem, o biógrafo e o biografado. Daniel Alvim assina a direção e divide o palco com Maurício de Barros

SÃO PAULO – Fina ironia e humor inteligente aliados a uma reflexão sobre a vida do homem contemporâneo. Esta é a proposta de Vida & Obra de um Tipo à Toa, peça inédita do dramaturgo, escritor e jornalista Mario Viana que estreou na última sexta-feira, no Espaço Parlapatões. Daniel Alvim está com dupla função neste projeto: além de assumir a direção, interpreta o escritor João, que tem como meta escrever a biografia de um homem, não um herói ou alguma personalidade importante, mas um cidadão comum, que frequenta a academia, o boteco, o futebol, as festas familiares e os encontros com os amigos para uma cervejinha.

Zezo, vivido por Maurício de Barros, é o escolhido, pois reúne estas características, ou seja, vive como a maioria dos homens de hoje em dia, é o típico homem comum.

A relação do biógrafo e do biografado é o que move a trama criativa e reflexiva de Viana. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores Tags: , , , , , , , , ,
13/07/2012 - 20:18

Humor e elegância são manipulados com exatidão em comédia dirigida por Jô Soares

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil/ iG (Michel@aplausobrasil.com)

"Atreva-se" - foto de Priscila Prade

SÃO PAULO – A elegância das mansões soturnas, lares de seres ambíguos e cercados por mistério, sai das telas de cinema, sobretudo dos filmes noir que fizeram história na década de 1940, e ganham contornos farsescos na hilária comédia Atreva-se, de Maurício Guilherme, sob primorosa direção de Jô Soares, em cartaz no Teatro das Artes (Shopping Eldorado).

Uma música cheia de pompa, feito aquelas que, no cinema, anunciam que a película vai começar, é a deixa para que a personagem de Mariana Santos, uma espécie de lanterninha que conduz  a história, com seus flashbacks que darão o sentido final da trama, conquiste a cumplicidade da plateia.

Mariana conduz com segurança, agilidade de raciocínio, carisma e talento insuspeitos que demonstram que a comédia, pelo menos a de maior gabarito, é alicerçada pelo saudável exercício da razão. E os elementos que mesclam a espinha dorsal desta ficção de Maurício Guilherme mixados  aos fatos cotidianos e a interação da atriz com a plateia exigem a participação ativa do espectador que, certamente, diverte-se bastante.

Os excelentes atores-comediantes Marcos Veras, Júlia Rabello e Carol Martini completam o elenco de Atreva-se, dando vida aos personagens que percorrem os diferentes períodos da trama. Será que tais personagens tem, entre si, alguma ligação? Será que as historias das pessoas que viveram na mansão tem conexão? Será que os vivos e os mortos realmente são o que são? Essas perguntas deixo a você, leitor que tiver o privilegio de assistir a este espetáculo, o sabor de descobrir as respostas.

Só adianto que Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Críticas, MICHEL FERNANDES RECOMENDA Tags: , , , , , , , , , , , ,
10/07/2012 - 23:54

Daniel Alvim dirige e atua em comédia de Mário Viana

Compartilhe: Twitter

Nanda Rovere, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

SÃO PAULO – Vida e Obra de Um Tipo à Toa, de Mario Viana, traz aos palcos paulistanos os atores Daniel Alvim e Maurício de Barros. Leopoldo Pacheco assina a cenografia e o figurino.  Estreia nesta sexta-feira (13), no Espaço Parlapatões.

O texto de Viana fala do encontro de dois homens numa academia de ginástica. João é escritor e quer escrever a biografia de seu colega Zezo, que acha a sua vida muito banal para ser transformada em livro. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): DESTAQUE, Matérias Tags: , , , , , , , , ,
18/02/2011 - 03:15

Resgatando o Besteirol

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Maurício Machado em "Solidão - A Comédia" - foto de Guga Melgar

(RJ) Mesmo com todas as controvérsias que o título besteirol ocasiona aos artistas criadores do gênero, uma crítica da década de 1980 substantivou esse estilo teatral e o nome continua até hoje. Para homenagear o estilo e um de seus principais representantes, o autor Vicente Pereira, o Teatro Cândido Mendes recebe até abril o monólogo Solidão – A Comédia, sob direção de Cláudio Tovar, além da exposição Assim Era o Besteirol.

O ator Maurício Machado dá vida aos inúmeros tipos que povoam os esquetes que compõem Solidão – A Comédia, todos solitários, como uma prostituta que decide telefonar para seus ex-clientes procurando companhia e uma jovem à espera numa mesa de bar.

Em entrevista a Michel Fernandes, o ator Maurício Machado fala sobre a homenagem ao Besteirol, a montagem de Solidão – A Comédia e outros projetos.

Michel Fernandes – Por que a decisão de resgatar e homenagear o Besteirol? O que mais o toca nesse gênero teatral? Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , ,
13/01/2010 - 10:01

O Delírio Poético de Alcides Nogueira

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

Lucélia Santos e Maurício Machado em peça de Alcides Nogueira

Lucélia Santos e Maurício Machado em peça de Alcides Nogueira

As Traças da Paixão é um dos textos mais radicais da dramaturgia de Alcides Nogueira. Nele, o escritor rompe ferozmente com a linearidade narrativa e com a identidade das personagens. Podemos classificar a peça de Alcides como “um delírio poético”.

Grosso modo, a peça mostra  o encontro das personagens Paco e Marivalda Revólver. Este é o mote para que Alcides crie diversas identidades para essas personagens. Paco procura Marivalda, porque acredita que ela seja uma sobrevivente da aristocracia russa. Os dois vivem diversas relações tanto como mãe e filho, como também de amantes. A Partir desse enredo, Alcides faz diversas citações. Tchekov, Caetano Veloso, Plínio Marcos, José Celso Martinez Corrêa são alguns dos artistas homenageados em As Traças da Paixão.

O espetáculo teve uma encenação célebre, em 1995, com Walderez de Barros e Cláudio Fontana, sob a direção de Márcio Aurélio. Não a assisti, logo não posso fazer comparações. Acho que Alcides encontrou em Lucélia Santos e Mauricio Machado dois excelentes atores para viajarem em seu barco bêbado. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo