Publicidade

Publicidade

03/09/2010 - 02:30

Excessos e registros de interpretação dissonantes incomodam em Os Penetras

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

"Os Penetras", em cartaz no Teatro Jaraguá

Quase sempre o menos é mais no teatro; e o mais é o excesso que transborda, essa tese se aplica à perfeição ao espetáculo Os Penetras, texto de Mike Leigh dirigido por Mauro Baptista Vedia, em cartaz no Teatro Jaraguá, há uma dissonância drástica no registro seguido por cada um dos atores, o que acarreta numa incômoda falta de unidade.

Apesar de certa reverência ao autor e cineasta Mike Leigh – que tem em seu currículo o excelente longa-metragem Segredos e Mentiras –, Smeeling a Rat (Os Penetras), de 1988 traz um enredo que é um fio de navalha – a história de um empresário, dono de dedetizadora, que se esconde no armário para escutar a conversa de um de seus funcionários que passou em sua casa para ver se “estava tudo em ordem” que, por sua vez se esconde, com a esposa, em outra porta do armário, quando chega o filho rebelde com sua namoradinha tresloucada –, exige uma encenação ágil e pragmática, para que os qüiproquós sejam risíveis. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Críticas Tags: , , ,
28/08/2010 - 18:32

Peça inglesa de Mike Leigh estreia no Teatro Jaraguá

Compartilhe: Twitter

Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

A ótima atriz Paula Arruda está em "Os Penetras"

Desde que o nome do dramaturgo e cineasta inglês, Mike Leigh, apareceu no Brasil com a bem-sucedida montagem de A Festa de Abigail, suas peças tem se revelado boas surpresas nos palcos paulistanos. Dessa vez, chega ao Teatro Jaraguá neste domingo (29), 19h, Os Penetras (Smelling a Rat, de 1988).

Dirigida por Mauro Baptista Vedia (em sua terceira montagem de textos de Mike Leigh), essa comédia aborda as relações familiares, bem como as novas maneiras das relações com o trabalho e com o consumo na sociedade contemporânea.

Em cena, estão os atores Marcello Airoldi, Kiko Vianello, Ana Andreatta, Paula ArrudaPedro Guilherme. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , ,
25/06/2010 - 17:25

O lirismo da solidão crua em texto de Koltès

Compartilhe: Twitter

Célia Musilli, da Imprensa do FILO – Festival Internacional de Londrina 2010

O argentino Mike Amigorena vive personagem de Koltès em monólogo que desnuda emoções

O ator argentino Mike Amigorena

“Um personagem que tem características com as quais todos se identificam”, assim o ator argentino Mike Amigorena define seu papel no espetáculo La Noche Antes de Los Bosques, que estréia nesta sexta (25), com reapresentação amanhã (26), no Teatro Ouro Verde, às 20h30.

O personagem vive angústias existencialistas no monólogo criado pelo francês Bernard-Marie Koltès (1948-989), considerado um dos dramaturgos contemporâneos mais encenados em todo mundo e que só foi ao teatro, pela primeira vez, quando tinha 21 anos e saiu impactado com um versão de Medeia. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags: , , , , , , , , , , , ,
11/04/2010 - 16:31

Agora é moda por aqui também

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Autor inglês, Mike Leigh, escreveu A FESTA DE ABIGAIL, encenada no Brasil pelo mesmo diretor

Quem gosta de ir ao teatro e está acostumado a ver uma história com começo meio e fim, ou com um tema comum e algumas conclusões, provavelmente está estranhando bastante muitos espetáculos que colocam os personagens numa mesma circunstância e só. Esse estilo foi teorizado por Hans Thyes-Lehmann (teatrólogo alemão) e se chama pós-dramático. Apresenta como que algumas fotografias de uma mesma circunstância sem busca de uma progressão ou lógica. Insisto em chamá-lo circunstancial e não teatro de situação, porque esse nome já foi usado por Sartre para denominar o teatro existencialista que acreditava que não nascemos com uma personalidade fixa, mas somos moldados pelos acontecimentos de nossas vidas. A turma do pós-dramático não acredita em nenhuma das duas coisas, apenas no caos.

Há peças como In On It (Teatro FAAP) ou mesmo Cachorro Morto (Teatro Imprensa) que guardam alguma proximidade com essas teorias. No entanto, quem casa inteiramente com elas são Cinema e Êxtase. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo